Curto-Cicuito…( Depressão)

Precisava aprender a viver sozinha.
E jurava de pés juntos que conseguiria. Era o sonho dourado de qualquer mulher moderna. Ser livre, segura, independente. Única dona de mim mesma.
Caro. Era muito caro.
E não eram só as contas que eu tinha que administrar. Era a vida.
De repente, as exigências de ser uma cidadã do mundo atual me asfixiaram.
Tinha que estar em dia com o pagamento da luz, do telefone, do cartão, da academia, das aulas de música, do IPTU, IPVA, INSS, CP e todas as siglas que inventaram por aí para sacar qualquer cristão de seu juízo perfeito. Ainda tinha o aluguel, o imposto de renda e a assistência médica. Um roubo!
Mas é que eu tinha que estar em dia com todos os istas:ginecologista, oftalmologista, dentista, dermatologista, este um ogro que me arrastava no chão cada vez que o via!
Tinha que estar em dia com a roupa suja para lavar, a limpa para passar, a limpeza e o abastecimento da geladeira, o banheiro cheirando a lavado, o tapete aspirado, os quadros espanados e alinhados corretamente, os discos organizados em suas respectivas caixas, os livros desempoeirados e arrumados por tema, as camas bem forradas, as plantas regadas, o lixo ecologicamente separado e pronto para ser levado aos lixeiros públicos, o carro lavado, abastecido e assegurado! Como se faz tudo isso de uma vez?
Tinha que ir regularmente ao ginásio e suar feito uma vaca pulando em aulas de aeróbica absurdamente impossíveis de seguir e sentir-me como a mais débil mental de todas as mulheres, indo sempre para o lado contrário ao resto da classe, desejando envelhecer logo para poder parar com aquele suplício de tentar manter um corpo sano em mente sana. Mentirinha que toda mulher conta. Queria mesmo era ficar desejável. E não envelhecer nunca.
Uff!
E por falar em mente sana, tinha que estudar ainda e sempre Freud. E também Cris Argyris e também preparar as aulas para o pós da Universidade e também as palestras e os cursos de proficiência em hotelaria. Afinal a gente também tem que contribuir para o social, ou não?
Também.
Tinha que estar feliz e ser agradável com toda a gente: do trabalho, dos cursos, e principalmente com a filha. Dessa tinha que cuidar de amar. Toda. Inteira.
Tinha que visitar a mãe constantemente ou pelo menos ligar todo dia. E contar coisas boas e aprazíveis, para não preocupá-la demasiado. Preocupada ela sempre estava.
Ah…e não esquecer das amigas, comprar presentinhos de aniversário sem esquecer absolutamente nenhum. Os da família, nem pensar em esquecer.
Tinha que ler os jornais para estar informada e ver os noticiários da televisão. Saber o que se passava nas novelas da moda ou não entendia quase nada das conversas de corredores do trabalho ou das festinhas de aniversário das crianças.
Sangue de Cristo tem poder!
Difícil para quem estudava ou ensinava à noite.
Mas quando não havia aula…
E tinha também que ler algo de filosofia, arte, poesia. Um clássico ou uma boa biografia. Isso era imprescindível à alma.
Assistir todos os filmes imperdíveis. E ainda conseguir comprar música boa e barata. Mas a boa quase sempre era caríssima!
Ler as cartas das revistas assinadas. Dar uma passadinha nos artigos da Época e da Super Interessante. Incentivar a filha nas artes da leitura, música e fotografia.
Aprender a cozinhar resultava impossível, mas tentava. Errava até nas sopas de pacote. Desistia todos os dias!
Tinha que ter um namorado que fosse pouco presente, apenas o suficiente para ativar os hormônios e alisar o ego. Então escolhia um caso para só ver de vez em quando.
E devia estar sempre alegre e contente feito um parque de diversões, senão por qual motivo eu estava ali?
Tinha que ser leoa, vaca, coruja, passarinha. Tinha que ser sereia, formiguinha, cigarra e vaga-lume.
Tinha que ser A MULHER.
Pois de repente me senti ameba.
Morrer, assim o que se diz morrer mesmo, não morri.
Mas morri assim mesmo.
E então, nada ficou no lugar…
Mas isso eu conto outro dia.

Anúncios
Categorias: Cicatrizes da Alma, Pensando Alto | Tags: , , | 24 Comentários

Navegação de Posts

24 opiniões sobre “Curto-Cicuito…( Depressão)

  1. Uff!
    Até fiquei cansado. E só de ler.
    Fico à espera da segunda parte.
    Jinhos

  2. Nora, isto não se faz, deixar-nos com a respiração suspensa até a próxima postagem!

  3. Menina, depois dessa eu vou dormir, nunca imaginei que corria tanto na vida e ainda temos que ficar com a consciencia pesada quando comemos para nos alimentar-mos.

  4. E, afinal, estamos em dia?

  5. Manoel Carlos definiu bem: fff! a respiração suspensa esperando o final!
    bj

  6. Folgo em saber que gostas das minhas visitas.
    Por isso aqui estou.
    Arranjas-me um whisky, simples, por favor.
    E podes pôr a tocar um disco do Jacques Brel?
    Esse, está bom!
    Vou espreitar aqui da janela da tua sala.
    Bonita vista, à noite, com toda esta luz!
    E agora um beijinho
    (de bom domingo).

  7. Amiga,
    Escreve logo e me ensina como virar ameba, pois eu ainda “tenho que” isso tudo e já estou cansada.
    Beijo e bom domingo!

  8. Oi Nora, brigadão pela visita. Venho aqui sempre. Secretamente. Só uma vez fiz um comentário, na tua estréia na casa nova. Estava quieto olhando meus gatos, despreocupados que são, pois têm tudo a tempo, e ao ler a tua “listinha” (rsrsr) de afazeres de um ser humano, vou pedir pro papai do céu me mandar gato na próxima encarnação. bjs

  9. Vida moderna é isso mesmo. O pior é que em geral a gente nem sabe pra que tanto esforço. Eu tambem estou cansado. Com licença que vou repousar…

  10. Prefiro continuar a criança filha única de mamãe e papai…
    Mal posso aguentar até o próximo dia.
    Abraço.

  11. Nora,
    Dentre todas as suas outras “casas”, essa é a mais bonita.
    Ficou lindo, lindo!
    Ah, o poema Aviso ficou maravilhoso aqui. Bela imagem ilustrando, Nora.
    Ando às voltas com o estudo da gerontologia. É uma novidade na minha vida de médica.
    Beijo grande,
    Monica

  12. Por isso que eu digo, eramos felizes no tempo da vovó e não sabiamos…
    Beijos

  13. Oi,
    Ótimo post, mas confesso que o realmente me chamou a atenção neste comecinho de segunda foi a musiquinha ao fundo..
    ;).. Bobinho, mas meiguinho… Vai ficar tocando aqui enquanto preparo minhs coisas..
    Bom dia pro´cê…

  14. Belissimo texto Dora!… Esta tua nova casa é linda…
    Um beijo

  15. É o preço que pagamos por sermos modernas…rs. Boa semana! Beijus, Luma

  16. é assim mesmo.
    já reparaste como nós nos cobramos?
    te beijo

  17. Vc precisava ver meu sorriso de contentamento com a descoberta de sua filha. Clarice pode ser um divisor de águas. Me ajudou a encontrar coisas belas. Que pra ela signifique isso tb! Te beijo, minha amiga!

  18. Nora,peço desculpas por não responder tua amável visita. Virei ameba há pouco tempo. Aguardo teu próximo post para saber como sair dessa metamorfose indesejada. Um abraço, Raquel

  19. O movimento feminista ajudou as mulhers “antigas”, as novas mulheres estão precisando de emancipação de excesso de funções.
    Calma que esse dia chega e os homens irão fazer o serviço doméstico sem reclamar…rs. Beijus, Luma

  20. Somos as anti-heroínas. De tanto nos mexer acabamos deitando e esquecendo de morrer. Beijo e inté!

  21. Bruno

    Querida:
    Somos relacionais….Diz Maturama(biólogo chileno),pensador planetário,que somos mais que interdependentes,somos interconstituintes….
    Assim,sorte quando somos dois….O triplo das terefas,quando compartilhadas em “unicidade”,tornam-se prazer,e mesmo o insucesso em realizá-las ,alegre aprendizado…
    ….outra digital….
    Grande beijo
    Bruno

  22. Sandro Brotherhood

    Não perdeu a verve.
    Está mais Nora Borges que nunca.

  23. nora borges

    Sandro??????
    Te achei?
    Me manda um e-mail danado!

  24. Ana Luisa

    nora fikei encantada com o teu texto.Infelizmente mta gente hj em dia diz k as mulheres ja nao teem o trabalho de antigamente,mas enganam-se pk as mentes nunca realmente xegaram a abrir.Eu sinto-me exactamente axim pk tenho 2 filhos um marido e os pais pa tomar conta e é puxado e inda por cima exigem.Enfim……..a mim num me adinata nada reclamr,para kê?Ñada muda,simplesmente ás vezes me apetexe fujir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s