Crise de Ego…

Andei, por andar andei… e nem todo caminho deu no mar, saio cantando pelas trilhas no alto do monte, rodeada por pinheiros, amapolas, margaridas, florzinhas azuis e brancas que nem sei o nome e me deparo com a vista do campo de trigo do terreno vizinho que volteia com o vento como um mar verdinho ondulado por pequenas ondas marítimas. É tão parecido com um mar de verdade que eu agradeço pelo presente e canto ainda mais alto, como se fosse filha de Caymmi, mesmo sabendo que a verdadeira música não é assim e que sou apenas a filha do Lorde, meu pai , pernambucano com ares de inglês perdido pelas Américas, que cantava como baiano nas tardes de manso sol e pesca paciente das arraias do Janga de antigamente, tão esquecido de sua tendência anglo saxônica e por isso mesmo ainda mais bonito…
Essa é umas das lembranças que afloram em mim cada vez que vejo o verde claro de um mar, mesmo que seja um que é só miragem.
A onda do mar leva… a onda do mar traz, quem vem para beira da praia , morena, não volta nunca mais… sigo cantando.
Mas eu voltei. E tive um banzo maior do que poderia permitir-me. Saudade de minha gente, dos vivos e mortos da minha história mais que tudo. Talvez também aí um pouco de saudade de mim. Dos tempos em que estudava e trabalhava, correndo atrás de um futuro que eu nunca imaginei iria mudar tão radicalmente.
Dizem que a Primavera traz em si a nostalgia. Pode ser. Mas traz também as amapolas e elas salvaram minha alegria.
Uma multidão de amapolas invadiu meu território!
Verdadeiros mares rubros de flores, pequenitas, de tão poucas pétalas, frágeis como o papel de seda , balançando na ponta de talos peludos e débeis, tão fáceis de romper-se que a gente se surpreende que não voem pelos ares com a força de qualquer pé de vento.
As amapolas são como embaixadoras da alegria.
Não há como não rir de boca inteira quando as vemos e eu tenho a sorte de viver muito perto delas.
Por toda parte dos campos elas estão, brincando de serem beijos encarnados da natureza, fazendo cócegas no corpo da gente…

E as rosas.
As mais belas senhoras da primavera madrileña.
Embaixadoras da classe e da elegância, dignas de paixão ou ternura, elas enamoram as pessoas.
Essas me salvaram de uma crise de ego fenomenal!
Uma crise daquelas que a gente fica sem dormir, pensando numa estratégia imediata e eficaz para mudar de personalidade, de nome, de cor da pele e cabelos, de idade, de corpo, de mente e até de alma!
A gente quer se internar num hotel desconhecido e distante de todos e voltar, no dia seguinte, claro! completamente renovada: mais bela, mais magra, mais jovem, mais leve, mais alegre, mais inteligente, mais sagaz, mais culta, mais sexy, mais bronzeada, mais esportiva, mais generosa e segura, mais tudibom.
A estratégia inclui também uma remodelação completa do guarda-roupa: sapatos ma-ra-vi-lho-sos, saias suavemente esvoaçantes, jeans que modelam sem estufar nenhuma dobra ( que dobra?), blusas que não apertem os bracinhos de ex-boxeador (grossos e moles) que de passagem, melhor, deixamos lá naquele hotel desconhecido e ninguém nunca vai saber que a gente os tinha. Trazemos outros mais magros e duros e muito mais estéticos para enfiar numas jaquetas esportivas encantadoras ou levar penduradas as bolsas mais di-vi-nas.
Seria bom uns vestidinhos graciosos, top sexies e pantalonas de gaze para as noites onde a gente pretende abalar a partir de agora! Me aguardem!
E perfumes. Os melhores, mais afrodisíacos e delicados de todo o planeta.
E para completar a transformação, uma coleção de roupa interior, nova, radical-chic, daquelas de revista semanal, bem fofas! Caríssimas, é verdade, mas tanto faz pois são simplesmente impossíveis de encontrar no tamanho extra!

Tóin!
A realidade se impõe! Oh! não… e lá se foi a noite inteira. O relógio marcando quase quatro da manhã, a gente ainda não dormiu e pior, não emagreceu nadica de nada, nem está mais sexy e menos ainda mais inteligente. O idioma novo que a gente ia dominar num pis-pás também não avançou nem uma polegada. Vaya!
Ainda por cima a gente sente pontadas homéricas de fome! ( como assim?), e tem fantasias erótico-festivas de comer qualquer coisa doce e fria, chamada vulgarmente de sorvete, mas que felizmente não tem no congelador porque já faz tempo que não compra essas caixinhas de culpa gelada. Felizmente??!

A gente se vira para um lado e para o outro e nada de sono nem de resolver coisa alguma na vida!
Ainda olha para o peixe-gato que dorme tranquilamente no lado de lá da cama e pensa como é que vai fazer para mante-lo bem ali, juntinho… e parece que o danado escuta a inquietante pergunta e abraça, meio dormindo, a barriga que a gente faz o maior esforço para perder ou devolver a quem a tenha perdido, por favor que aquilo não faz parte da gente, seguramente! – mas que insiste em manter-se colada, grudada, incrustada… e bem palpável, exatamente ali onde ele põe a mão.
Meujesuscristinho, me ajude!
No dia seguinte, que é o mesmo que o dia anterior porque não vale ser “dia seguinte” quando a gente nem dormiu nem acordou, as olheiras confirmam que é urgente encontrar esse hotel desconhecido e distante para se internar agorinha mesmo!
E se ele disser que a gente parece meio cansada, melhor não responder nada que é para o choro não jorrar pelos sete buracos da nossa miserável e infantil cabeça!
Pois sim… crise de ego. Passei uns dias ( e noites ) perdida nela. Querendo ser outra para ser mais exata!
Até que vi as rosas, logo depois da tromba d´água que atingiu Madrid. Maravilhosas!
Elas provocam tamanho sentimento de admiração que as pessoas se enamoram, não apenas por elas, mas também por si mesmas. Assistir sua exuberância perfumada florescer de troncos tão grossos, tortos e escuros… ver seu amanhecer molhado de orvalho, suas pétalas de texturas e cores extraordinárias saírem de tão antigos armários, me renovou o espírito.
Mesmo sem hotel desconhecido e sem perder nem uma grama de peso, organizei a roupa do armário, recuperei blusinhas simpáticas, comprei umas poucas peças básicas, soltas, leves e claras, cortei os cabelos, claro! sem isso nada seria suficiente, não é? e devolvi a eles sua cor original. Agora tenho os cabelos da mesma cor de toda a vida, castanhos escuros, e isso quer dizer que me olho no espelho e me reconheço… pelo menos tento!
Comprei sandálias de esparto, bem típicas da Espanha, saias bonitas, coloridas e alegres como a Primavera e saí por aí com meu Lobo do Mar: Cartagena, Segóvia, Zamora, Toro, Londres, Tarifa, em menos de sessenta dias.
Revi amigos queridos, fiz novas amizades, vi a arte de Tintoretto no Museo del Prado…
Tá bom. Confeso. Também fiz cartase na cozinha. Aproveitei uma noite diante de um bom tinto Rioja, um queijo curado de ovelha e azeitonas cartaginesas e derramei sobre olhos-de-mar-azul minhas mais profundas fantasias de auto-rejeição e recebi amorosos elogios, dengos e tudo o que precisava.
Benzadeus!
Agora é curtir as rosas, o finalzinho da Primavera e tentar desviar minha atenção das neuras femininas do biquine, das piscinas e praias do verão ibérico…
Vou ter que comprar um maiô bem chic! A arte será achar um tamanho extra!
Toc-toc… não quero nem pensar!

Anúncios
Categorias: Corpo&Alma de Mulher, Pensando Alto | Tags: , , , | 14 Comentários

Navegação de Posts

14 opiniões sobre “Crise de Ego…

  1. Nora, eu estava enorme, perdi uns 8, 10 quilos, e continuo beeeeeeeeem gordinha, mas tranquila. Na verdade, me achando gostosíssima. Tenho certeza que, se algumas amigas que eu tenho me vissem, iam me achar enorme, mas tudo é uma questão de ponto de vista. Poderia estar bem maior, tô muito feliz assim.
    Estou regulando um pouquinho a comida (não totalmente), malhando muito (mas com enorme prazer, eu gosto mesmo) e, principalmente,e scolhendo as roupinhas certas.
    Você é linda, deve estar maravilhosa, Nora, minha impressão é que nossos tempos de “magrinha” passaram, querida, voltar ao peso dos 20 anos agora é quase milagre e ia ser uma tortura, e como não quero chegar aos 60 pensando que tava ótima aos 40 e não aproveitei, decidi aproveitar agora, do jeitinho que está, sem pressão e sem tensões.
    Meu inglês, fia, também podia estar bem melhor, seria bom também um belo emprego, mas tô feliz (e sexy!) assim mesmo.
    Pense nisso, querida. Quando eu vejo minhas fotos aos 20, 30 e penso como eu estava infeliz, achando sempre algum defeito em tudo (eu cismava que tinha tornozelo fino e sofria por isso, acredita???), eu percebo que se a gente deixar vai ser sempre assim…
    Por isso não tenho nenhuma dúvida de que somos maravilhosas agora, com toda nossa opulência e gostosura 😉
    Super beijo!

  2. Mércia

    Estou feliz, por ver essa mensagem tão recente, estou ouvindo nesse momento aquele CD que me emprestou e gravei ” Carta de navegação”, essa é uma lembra tua que quero guardar por toda a minha vida, pk lembro de uma mulher que muito admiro, pela força, inteligência, personalidade forte e uma mulher muito bela e traços bem particulares, com olhos que parecem ver o mundo inteiro de uma unica vez. Tb passei crises bem parecidas, cheguei a cobrir os espelhos…rs. Mas eis uma criatura adoravel pois mesmo depois disso que passou consegue inspiração como ninguem. Te admiro muito por tudo que você é e representa para mim. Beijos

  3. Querida Nora. Lembro-me ainda dos primeiros textos seus, que li, sobre o fato de vc andar às compras e não achar as roupas do seu número…E vc se mostrava muito aborrecida com esse “descaso” dos “fabricantes de moda”…rs rs
    Agora, leio de novo sobre sua luta com as, digamos…”gostosuras” em excesso…e acho graça, de novo!
    Mas, lá no fundo mesmo, vc sabe que isso não é tão importante assim para pessoas como vc, que têm excesso de riquezas outras!
    Sabe(não adianta negar…) o quanto vc é interessante, charmosa, culta, divertida, sensível e…prá falar a verdade, uma pessoa que atrai pelo “sex-appeal”…Falei alguma inverdade?
    Eu nunca tive problema com balança, mas, trocaria meus poucos quilos pelo seu jeito de ser e de estar-no-mundo. Invejo-a(sempre aquela boa inveja…) pela sua maneira pessoal tão agradável e atraente.
    E tenho dito…rs
    Beijos, moça bonita!
    Dora

  4. haha oi, você escreveu esse texto: http://www.verbeat.org/blogs/linguademariposa/arquivos/2004/10/neuras_de_mulhe.html ??
    Se foi você que escrevu, qual a tal da receita caseira de vitamina A para as bolinhas? HAHA
    Tem como me responder por email? Obrigada!

  5. Nora, que saudades destes textos tão bonitos que você sabe escrever! Fazem bem pra alma!
    Fico feliz que você tenha encontrado o ponto de equilibrio, que seu ego esteja sem crises e você superlinda como sempre!
    Beijos!

  6. Oh minha flor: vc tá linda, linda, linda! A Nath viu as fotos que tiramos em Toro e falou: -“nossa, como a Nora tá bonita”. Você é um anjo maravilhoso que traz luz e alegria as vidas daqueles afortunados (como eu) que temos o prazer de poder ter vc ao nosso lado um pouquinho que seja, de vez em quando (mas eu quero mais, e quero pra logo!!!rs).
    Bota as jararacas de molho pq vc é ser humano demais pra elas.
    Tb tô com saudades e estava pensando em fazer um clube da Luluzinha aqui em casa com vc, a Mari e a Cleide, só que eu nao consigo localizar a Mari. O que vc vai fazer na última semana de agosto??? eu vou estar sozinha aqui. Pensei em ir pra um Spa, logo pensei no tal clube da Luluzinha…rs…. seria divino!
    A gente se fala. Te amo linda. Bjs, Vi.

  7. Nora, vc é LINDA!! E nao é o carinho que me cega. Você é bonita mesmo!! Por dentro, claro, mas por fora TAMBÉM!!
    Um beijao enormao. E nao esqueci a promessa nao senhora. Aguarde contato…rss

  8. Ebbbba!
    Uoú! se eu imaginasse que iria receber essas mensagens maravilhosas aqui tinha confessado publicamente antes minhas neuras!
    Isso é um verdadeiro Reike no ego!
    Beijos no coração, amig@as !
    Já estou MUITO MELHOR!

  9. Lindo esse texto! E você é uma mulher linda! Toc Toc
    Um beijo de Recife!

  10. Nora, como já falaram anteriormente, você é linda demais de todas as maneiras. Por dentro e por fora também. Querida, eu não sei como é que se registra um texto. Por favor, volte ao meu blog e clica o da Sandra que está linkado lá. Ela sabe direitinho. Beijocas

  11. Não se preocupe com quilinhos extras. O que importa é a absoluta certeza de ser o que voce é : feliz…gorda ou magra.
    bjos,
    me

  12. Cacau Neves

    Noríssima,
    “As rosas não falam, simplesmente as rosas exalam, o perfume que roubam de ti”…
    Um grande beijo
    Cacau

  13. Sem dúvida nenhuma, você tem o dom da escrita, dos belos e poéticos posts…enfim escrevi sobre maniçoba, sem muito dom, mas…escrevi. Bom findi!!!

  14. Debora

    Querida Nora
    Passo sp pelo seu blog o que me traz sp uma sensacao e uma paz interior ao ler os seus escritos. Em Crise do Ego houve uma grande identificacao, nao poderia ser mais do que perfeita a descricao destas “noites de espanto” que a gente costuma ter. Noite de espanto e o que eu e minhas amigas e irmas definimos estes dias, ou melhor, estas noites sem dormir, com muita reflexao, agitacao… Me identifico muito com voce pois sou tamanho “extra, extra” moro em Paris atualmente. Tenho tb tenho um marido tipo “olhos de mar azul”. Portanto obrigada pelos seus escritos que me fazem bem e que me identifico. Beijos no teu coracao. Debora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s