Companheiros de Cabeceira…

Pois sim…
Meu amigo pernambucano, Manoel Carlos, dono do blog Agreste pediu-me há mais de um mês que eu escrevesse um post sobre o livro que habita, neste momento, minha mesinha de cabeceira. Parece-me que o pedido faz parte de uma rede, como uma corrente entre blogs.
Como podem ver, eu não respondi no tempo ideal, mas como prometi e promessa é dívida, não é?
Então…

Sempre tenho entre quatro ou cinco livros abertos à minha volta…
Geralmente há uma novela, um de poesia, outro de arte ou história. Talvez uma biografia ou um ensaio.
E muitas vezes um daqueles que é para o resto da vida. Aqueles que a gente lê e relê e relê… e para sempre vai ler!
Preciso urgentemente de uma cabeceira mais ampla! Inclusive já estou desenhando uma cama, para um futuro breve, que tenha uma pequena estante no lugar do espelho. Ho ho ho!
Qual deles vou abrir em diferentes horas do dia ou da noite, depende de minha alma.
É verdade. Ela é quem escolhe. Meu espírito pede poesia ou arte nas noites mais inquietas, de insônia, de medos com nome ou sem…
A poesia me acalma. Me envolvo na música contida dentro de cada verso, me apaixono pelo poeta e pelo objeto de sua poesia, quero não apenas senti-los, mas poder recitá-los em voz susurrada, para escutar seu canto e com ele acalmar as ânsias de meu coração…
Pareço meio bêbada quando leio poesia… mas quase sempre não sei comentá-la. Com ela meu amor é platônico. Eu só sei vivê-la. Por isso fico sem jeito quando quero deixar um comentário nos blogs maravilhosos de Márcia Maia, Dora ou Sílvia Shueire. Essas mulheres arrasam!

Eu as admiro imensamente, mas só consigo respirar diferente quando leio o que escrevem. Se fosse comentar seria com as próprias palavras que elas usaram para seus versos…aí eu travo.
Qualquer dia vou pedir permissão para publicar alguns de seus poemas aqui.
Quando estou mais tranquila, serena, posso encarar melhor as novelas, viver suas tramas, sentir as emoções de seus personagens, mergulhar nas suas experiências.
Ultimamente ando muito sensível. A violência, a crueldade, a insensibilidade das pessoas ao causar o sofrimento alheio me magoam tanto! Evito, quando posso, o noticiário da TV sensacionalista, sanguinolenta, o filme carniceiro, a maldade crua como “meio de entretenimento”.
Em alguns momentos até evito retomar a novela que estou lendo para não permitir que ela me revolva o estômago ou degenere a esperança que insisto em manter na generosidade dos seres humanos. Se estou desorganizada em meus sentimentos, prefiro esperar pelo dia seguinte.
Algumas novelas tiveram que esperar semanas!
Enquanto estava lendo Os Pilares da Terra, de Ken Follet, ou A Ponte de Alcântara, de Frank Baer, sonhava noites seguidas com a miséria humana, a forma despiadada com que eram tratadas as mulheres em todos os tempos e todas as culturas e religiões, o comportamento mesquinho e falso das instituições políticas e religiosas, que a priori existiam para defender, proteger, educar as pessoas…
No entanto, achei ambas novelas maravilhosas, porque traziam cultura, história, religião, costumes de épocas e povos distantes para dentro de minha casa e eu podia viajar no tempo, na história, sem mover-me do sofá!
Mas precisava estar tranquila, em paz interior, para poder ler e resistir à vontade de deixar cair o livro no chão e chorar de tanta tristeza e desesperança… ou atirá-lo na parede em frente, de tanta raiva!
Se pelo menos eu pensasse que aquelas crueldades aconteciam “naqueles tempos” bárbaros e que havíamos evoluído como humanos do século XXI!
O pior é que não, não evoluímos. É só assistir os noticiários…
Ah!… tem dias que eu não aguento mesmo!
Arte! Isso sim. Ah! Que delícia!
Um bom livro sobre arte… uma boa música e uma infusão de ervas relaxantes, bem quentinha ( uma saudade do cigarro! ) e meu astral começa a entrar em equilíbrio. Gosto de ler sobre pintura, escultura, fotografia, cinema. Gosto de ler sobre música, sobre músicos de todos os tempos. Mas sei tão pouco!
Gosto também, ultimamente, de arte culinária, coisa que eu nunca fui muito chegada até pouco tempo.
Tá bom! Se a desorganização interna for muito grande, melhor esquecer o livro sobre os doces árabes, por exemplo! Nesses momentos, ler sobre comida pode despertar uma das minhas bruxas más e fazer-me engordar só com a saliva que as fotografias me provocam.Shiiii!
Taí, está sendo muito bom comentar sobre tudo isso. Até agora eu fazia as escolhas sem tanta consciência da interrelação entre minhas leituras e meu estado de ânimo…
Hum! ainda não atendi o pedido do meu amigo!
Apesar da demora, vou falar dos livros atuais. É quase outro post, mas como tenho escrito pouco… lá vou eu.
Agora estou com quatro livros na minha cabeceira. Eles andam do quarto para o sofá da sala ou a rede do invernadeiro. E podem ser substituidos, provisoriamente, por artigos de jornais e revistas ou textos que recebo pela Internet e que imprimo para ler depois de cortar a conexão…pinnnnnn!
A novela chama-se El Corazón Helado, de Almudena Grandes. Estou adorando! Gosto muito do estilo dessa escritora. Gosto da forma como ela desenvolve os personagens, como faz a gente ir desenhando mentalmente seus traços físicos, seus afetos, suas almas, enquanto a gente vai entrando por eles, como atravessando suas peles, vivendo, sofrendo e amando junto com eles.
Gosto como organiza a história, navegando entre passado, presente e avisando um pouco o futuro do personagem no mesmo momento da ação.
Gosto como faz sua gente falar com a naturalidade de uma conversa real e corriqueira, cada qual com seu acento natural de lugar ou de época vivida.
Adoro como costura o diálogo com a narração, sem sair do parágrafo.
Almudena constrói esta sua última novela com as vidas entrelaçadas de emigrantes, exilados da guerra civil espanhola e seus descendentes. Mostra como eram suas vidas no exílio e como foi voltar ao próprio país tantos anos depois… e reconhecê-lo nos cheiros, nos gostos, na luz de seus céus…
Ainda nem cheguei ao meio do livro… depois conto mais.

Como sei pouco sobre a Guerra Civil na Espanha, tenho que acompanhar a leitura com um livro de História que me ajude a localizar onde está a ficção da novela e onde a realidade daquele conflito no país.
Utilizo agora a Breve História de España, de Fernando García de Cortázar e José Manuel González Vesga.
Tem sido simplesmente fantástico juntar os dois livros! Aprendo muito!
A linguagem é simples, direta, sem desvios.
Como o livro pretende ser uma explanação breve, os autores centram-se nos fatos concretos, o que não os impedem de traçar linhas de interelações com as circustâncias históricas universais.
Indico esse livro a quem quiser conhecer, em linhas genéricas, a história desse belo país.

Também tenho um volume sobre Tintoretto por perto, pois depois de ver a última exposição do magnífico pintor italiano, em Madrid, no Museo del Prado, estou querendo saber mais sobre ele e suas obras, para escrever um post.
Confesso que está meio abandonado. Mas vai sair…
Estou enamorada de dois de seus quadros. Um deles vive eternamente no museu madrileño e sempre me demoro diante dele. Chama-se El Lavatorio.
O segundo é sobre a mitologia, Suzana en el Baño. Ambos maravilhosos!
Vou escrever um post daqueles de antigamente, dos tempos do Impressões ou Cicatrizes da Mirada. Quando der…
Voltando à cabeceira…

O livro de poesia é uma compilação de poemas de amor em língua espanhola que ganhei do meu Lobo do Mar, e que voltou há pouco para a mesinha de noite.
Durante a tal crise eu precisava recordar umas emoções que ele havia me provocado, mais de cinco anos atrás. Chama-se Antologia de las Mejores Poesías de Amor en Lengua Española, de Luis María Anson.
E, para terminar, ganhei de uma amiga muito querida, quando voltava de Recife , um delicioso livro de Gilberto Freyre, Olinda – 2° Guia Prático, Histórico e Sentimental de Cidade Brasileira, com apresentação e atualização de um dos maiores conhecedores da obra freyriana, Edson Nery da Fonseca, morador de Olinda e professor emérito da Universidade de Brasília.
Esse também está na minha mesinha de cabeceira… e vai e volta comigo para a rede do invernadeiro, que está cada dia mais irresistível!
Assim tenho passeado pela casa e pelas horas, acompanhada desses livros fantásticos…
Finalmente ando sem pressa, sem agonia para terminá-los e iniciar outros – angústia que me acometia cada vez que via a quantidade de livros bons que temos nas estantes e que eu gostaria de já ter lido – aproveitando para saboreá-los como eles merecem.
Bom, meu amigo, perdoe-me pela demora. Eu tardo mas tento não falhar demasiadas vezes.
Obrigada por haver indicado a mim, uma blogueira tão inconstante e cheia de silêncios.

Anúncios
Categorias: Livros | Tags: , | 17 Comentários

Navegação de Posts

17 opiniões sobre “Companheiros de Cabeceira…

  1. Ah, Nora, mas vale a pena esperar com que o silêncio se rompa…pq depois aparecem posts como estes!
    Pode deixar que quando eu passar por aí eu apito!
    Beijos

  2. Oh minha sumida!! Que bom ver vc de volta!! Ontem te liguei mas pelo visto a senhora estava batendo perna por aí…rs… Anotei o título da Almudena Grande, nunca li nada dela. Eu, por enqto, tenho como livros de cabeceria “Anatomia & Fisiologia de Thibodeau Patton y Medicina Tradicional China, da ESMTC…rs… até 20 de julho!!! Depois vou ler “La sanggre de los inocentes” da Julia Navarro que está a minha espera há uns dois meses. Saudades de vc, beijo no coraçao, Vi.

  3. Nora, vale a pena esperar o tempo que for necessário para ler teus saborosos textos. Também vou anotar as indicações!
    Beijos

  4. Se a minha cabeceira fosse o meu computador e seu blog um livro, estaria sempre do lado da minha cama, aqui é o lugar certo para uma boa leitura, seja de novela, seja de poesia ou gastronomia, a autora sabe bem como mexer com nossas emoções.

  5. Que belez de livros. Estou lendo uma biografia, auto biografia, de Marlon Brando, é uma delícia, ele foi mto interessante, além de lindo, né?
    Bjs saudades, laura

  6. Como diz a garotada, demorô (mas arrasou!), grato.
    Eu também admiro os poemas das três amigas citadas, duas das quais conheço pessoalmente. Publique ad referendum, elas gostarão, pode ter certeza.

  7. Nora, entrei aqui, invadi seus domínios, li post atrás de post e sabe o que experimentei? Uma sensação gostosa de bem-estar, de encantamento, de admiração. Seu texto bem urdido, sua capaidade de observação, sua habilidade em lidar com temas tão diversos de modo tão natural me proporcionaram horas de delicioso prazer.
    Quero agradecer-lhe .
    Deixo-lhe um beijo.

  8. Obrigada, Nora. Muito.
    Beijo,
    Silvia

  9. Estou em Recife! Em terras nordestinas já há mais de 1 mês, e me deliciando com tudo.
    O livro de Gilberto Freyre é maravilhoso! Eu achei-o num sebo, depois de muito procurar, antes que surgisse essa edição que você ganhou.
    A cada dia que passo aqui, mais aprendo e conheço sobre a história desses lugares maravilhosos e sobre a sua gente.
    (…)
    Adorei o post sobre os livros.
    Beijo!

  10. Nora querida!!!!!!! Voltarei para ler com atenção seu post.
    Mas, precisava vir voando, para avisá-la que eu a indiquei entre os 7 blogs que me pediram para escolher para o Prêmio das 7 Maravilhas dos blogs…
    Seu blog é maravilhoso! Então, pensei nele…Tô certa, não?
    Beijos!!!
    Dora

  11. nora

    Obrigada pelas visitas!

  12. Kike

    Hola Nora! Como ya sabes, tengo dos libros vuestros y dentro de poco hay que cambiarlos, así que me interesa saber las últimas novedades comentadas por mi crítica literaria favorita. Almudena siempre es una escritora que sabe contar historias por pequeñas que sean. Me gustan hasta los artículos que publica en el Pais semanal. Yo estoy pasando por una crisis de escritores contemporáneos, me da la impresión de que sólo escriben para estar en la lista de los más vendidos. Este verano pienso releer a los clásicos (como yo)y disfrutar de vuestra compañía. Hasta pronto. Besiños de María y mios.

  13. Saudade, Nora…
    Deixo um beijo.

  14. Eu tb leio estes blogs que vc citou e sempre acho muito difícil comentar.
    bjs

  15. cleide

    Nora queriiiiiiiiiiiiidaaaaaaa…saudades… como vc ta? Vi que esta mais magra na foto!!!! eeeeeeehhhhhh….
    Quero muito te encontrar, e por favor quando o filho do Pepe tocar novamente por aqui por favor me avisa que quero assistir!!!
    Te gosto! Beijao pra vc e pro Pepe tb. VEM LOGO PRA CAAAAAAAA……

  16. nora borges

    Obrigada a todos, mas vejam como sou… dois posts pela metade e eñ pude ainda publicar nenhum!
    Ainda bem que ñ desistem de mim!
    Beijos.

  17. Ivone Boechat

    No site abaixo estão as minhas mensagens de Natal:
    http://www.youtube.com/results?search_query=ivone+boechat&search=Search&session=k
    Um grande abraço,
    Ivone Boechat

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s