O Escafandro e a Borboleta

O escafandro e a borboleta- o livro
Quando ganhei esse livro, em 2001, vivia no Brasil, estava me recuperando de uma depressão e minha mãe estava desaparecida em si mesma, numa enfermidade carnívora. Uma doença que vai tirando da pessoa tudo que é dela, até suas lembranças mais viscerais. Depois ela transforma a pessoa em uma casca vazia, só mata depois que destroi tudo.
Quando soube que o livro contava a história de um jornalista francês que havia sofrido um acidente cerebral e que havia escrito o relato piscando um olho para as letras do alfabeto que uma enfermeira lhe mostrava, não tive coragem nem de abri-lo.
Guardei o presente para ler em outra época. Eu estava tão fragmentada ainda. Tinha um medo horrível de entrar no túnel escuro da tristeza sem nome… precisava cuidar mais das minhas emoções e tinha consciência da fragilidade da minha saúde afetiva.
Aliás, essa foi uma aprendizagem da época. Aprendi a cuidar mais de mim. Aprendi a perceber quando estou mais sensível, mais vulnerável… e evitar expor-me a sensações muito fortes.
Mas… um dia desses, arrumando as novas estantes da casa, encontrei o livro. Li a dedicatória carinhosa da amiga brasileira e criei coragem, abri a primeira página e comecei a ler.
E não parei mais até que o terminei. Li de um só fôlego.
Foi fantástico ver o mundo através de sua experiência. Uma hora com humor, outra emudecida pela impotência, outra ainda entre lágrimas de saudades das coisas mais simples, como estender a mão e fazer uma carícia…

Vou contar um pouco a história.
Jean Dominique Bauby, um jornalista francês, bem sucedido, jovem pai de dois filhos e cheio de energia, sofreu um acidente vascular cerebral com pouco mais de quarenta anos, entrou em coma e quando saiu deste estado percebeu que sua mente estava quase intacta… mas o único que havia perdido era a conexão com seu próprio corpo.
Estava completamente paralisado, numa síndrome chamada “locked-in”, que significa “trancado em si mesmo”.
Não podia mexer-se, comer, falar, nem sequer respirar sem ajuda de uma máquina. Apenas um olho se mexia. Ele piscava. Uma vez para dizer sim e duas para dizer não.

Com esse único movimento físico ele decidiu se comunicar com o mundo, seus filhos e seus amigos e contar que estava vivo, que pensava sair daquela prisão e queria que soubessem o que ele sentia lá dentro de sua cabeça e de seu coração.
Para isso ia piscando e indicando as letras que iriam formar as palavras e frases de um livro espetacular de 140 páginas.
Emocionada, fiquei me lembrando dos monólogos que tive com a Princesa, durante seu último ano de vida, desejando que dentro dela estivesse escondida a mulher que ela era. Recordei as histórias que eu lhe contava, as músicas que cantava, as sinfonias e concertos que fazia tocar no som de seu quarto, baixinho, para que pudesse escutá-las mais uma vez.
Às vezes eu tinha a impressão que algo em sua expressão mudava…
Era só uma impressão?
Talvez.
Aprendi muito sobre a vida com a morte da minha mãe. Eu já disse muitas vezes e vou repetir, minha mãe me pariu outra vez quando morreu.
Não quero que isso seja visto apenas como um drama particular, embora sua morte tenha sido dramática para mim. Estou falando de como reaprendi a viver.
Estou falando de aprender a dar o valor real à vida e tomar consciência de sua fugacidade.
Aprender a valorizar a memória, a imaginação, a capacidade para mover-se, ler um livro, escutar uma música, abraçar um filho, um amigo.
Aprender a valorar mais as relações e menos as coisas. Agora. Enquanto é possível.
Estou falando em ter consciência disso on line, durante a ação.
Saber que este é um privilégio que algumas pessoas perderam num segundo… e que a gente não tem sequer a noção do que significa essa perda.
Cena do filme "O escafandro e a Borboleta"
Bauby também ensina os verdadeiros valores da vida desde sua prisão – seu corpo – um escafandro, como ele o chama… e de sua alma, a borboleta com a qual ele voa, visita seus filhos, viaja pela Paris que adora, toca e beija seus queridos…
É impossível ser o mesmo depois de ler seu livro. Não é ficção, é real. Aconteceu de verdade…
Só não reflete e aprende quem for impermeável.
Descobri, cafufando a Internet, que rodaram um filme em 2007 que foi indicado a 4 Oscars. Como assim? E eu não vi!
Pois sim. Em 2007 eu estava vivendo lá no meu monte, longe de… quase tudo.
Aposto que ele não passou no pequeno cinema da praça de Los Santos Niños, em Alcalá de Henares.
Li algumas críticas excelentes. Vou tentar encontrá-lo em uma locadora por aqui por perto. O diretor é o mesmo de Antes do Anoitecer, um de meus filmes queridos, e trata o tema com delicadeza, fugindo do dramalhão piegas hollywoodiano em que se transformam excelentes livros.
E sou fã do cinema francês.
Mas um para minha extensa lista de perdidos…

 

(Le Escaphandre et le Papillon – França / EUA, 2007 / Brasil 2008 – 112 min)

Direção: Julian Schnabel.
Roteiro: Ronald Harwood adaptando livro de Jean-
Dominique Bauby
.
Elenco: Mathieu Amalric, Emmanuelle Seigner, Marie-Josée Croze, Anne Consigny, Max von Sydow, Marina Hands, Isaach De Bankolé.
Gênero: Drama, Biografia.

Anúncios
Categorias: Baú de Cultura, Filmes, Livros | Tags: | 9 Comentários

Navegação de Posts

9 opiniões sobre “O Escafandro e a Borboleta

  1. Olá Nora, gostei muito do seu post. Nao sei o que houve com a sua mae, mas deu pra sentir que realmente foi uma experiência muito marcante. Já vivi experiências parecidas e sei o que vc quis dizer. Fiquei curiosa com o livro, vou ver se o encontro… parece mesmo muito bom. Te dou toda a razao, existem experiências que nos fazem nascer de novo.
    Ah sim, te encontrei no Mundo Pequeno! 🙂
    E moro em Rivas, perto de Alcalá… 🙂
    Um abraço

  2. amiga, que texto mais bonito! também vou procurar este filme para ver! beijos

  3. Nora, tenho saudade de você. Há muito tempo a gente se “vê” de nossos blogs, eu viajando pela Espanha em suas fotos e textos (obrigada pela viagem, tem sido uma beleza).
    Esse texto é tocante. Você escreve cada vez melhor, e sua sensibilidade não tem fim.
    O filme passou aqui no Rio, é de dar certo medo de ver, mas se a gente toma coragem, vale a pena. O mesmo deve ter acontecido com o livro, mas esse eu não li. Deve valer muito a pena também.
    Inventei uns blogs que me dão trabalho, alguma alegria também, mas me roubam muito tempo. Ando procurando um jeito de lidar com a internet sem perder contato com a vida real, e isso me tira dos comentários.
    Foi muito bom vir aqui.
    um beijo e carinho.

  4. Eu vi o filme e gostei muito muito. Acho que você vai gostar sim. E um dia desses vou ler o livro.
    Abraço

  5. Nora,
    Como sempre é um encanto visitar você.Sua sensibilidade, seu entendimento, como é bom… Vi o filme, não sabia do livro. É emocionante o esforço que ele faz. Me deu muita aflição, mas também me comoveu.
    Saudades de você, menina!
    Beijo,

  6. Oi amiga…que lindo isso que vc escreve…Fiquei em lágrimas. Recordei alguém que conheci e que passou quase pelo mesmo problema e tb se foi…Não foram lágrimas de tristeza, foi só recordação. Lindo a maneira como vc escreveu a respeito. Procurarei ler este livro também. Escrevo poesias, quando quiser e puder, me visite no blog. Faço poemas de amor.
    Beijos,
    estrela

  7. Oi Nora,
    Eu nao quis ver o filme pelos mesmos motivos que vc demorou tanto a ler o livro. Ainda nao quero…Depois de Mar Adentro dei uma pausa nesses filmes….
    O seu texto eh bonito como sempre, menina. Beijos e muita saudade.

  8. Valter Figueira

    Carissima
    Gostei do texto

  9. Ah, eu vi o filme. E morri de tanto chorar e agradeci mil vezes cada movimento que meu corpo pode fazer… Se transformar em casca em vida é terrível…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s