Arquivo do dia: novembro 14, 2012

Neuras & Medos

De repente eu acordei no meio da noite para coçar a pele sob o braço. E depois, acordei outra vez para coçar o outro braço… e segui acordando toda a noite para coçar outras partes do meu corpo. Por volta das quatro da madrugada minha mente já havia disparado…que-diabo-é-isso?

O medo desceu com seu manto negro sobre a consciência e a razão. Como assim?

Minha amiga de toda a vida havia me contado que um sintoma de seu linfoma foi começar a coçar o corpo inteiro. sem razão de ser.  Primeiro pensou que era uma intoxicação alimentar, depois uma alergia, depois… era o linfoma mesmo.Eu tinha tomado uma simples sopa. Tinha tomado uma ducha antes de dormir, nunca fui alérgica a nada… e que coceira miserável era aquela que já estava me enlouquecendo?

Mal pude esperar que amanhecesse para correr para o telefone com o livreto da assistência médica na mão. Liguei para o primeiro dermatologista da lista, mas descartei-o assim que soube que ele só tinha hora para dentro de dois meses. Dois meses? Sem dormir e com esse monstro dentro do sangue? Vou descascar antes, vou morrer antes. Como assim dois meses?

Liguei para o segundo, o terceiro, o quarto… nada antes de duas semanas. No quinto nome, descobri pelo sobrenome da médica que ela havia estudado comigo no colegial. Pronto! “Use a imaginação, não deixe a secretária impedir-lhe de falar com ela.”  Assim que a atendente disse alô eu falei tudo correndo que era para ela não entender nada, deixando apenas as palavras importantes “urgência, amiga, infância, família”… Ela passou a ligação, eu me identifiquei e convenci minha ex-colega de escola da urgência em ver-me.

Pleaaaaaaaaaaaaaaaaaase! Estou louca de coceira…

Ela me pediu para ir no final do expediente. Pelo menos para acalmar-me. Ok. Mas no mesmo dia, já, hoje!O dia passou como se fosse um filme em câmara lenta. Eu imaginava meu futuro com desespero, como contar à minha mãe… e pior, à minha filha? Como assim? Não comi. Não trabalhei, não conversei… tentava não me coçar, mas não conseguia controlar-me muito. A pele da barriga e dos braços já apresentava umas bolinhas vermelhas, e ardia. Me meti embaixo do chuveiro e fiquei ali, com água fria sobre a cabeça, esfriando os miolos por muito tempo. Quando comecei a ter frio me enrolei na toalha e me meti na cama outra vez, uma dormidinha não me cairia mal. Até que a coceira recomeçou… e os maus pensamentos com ela.

À tarde eu já havia passado por todo o inferno de exames que minha amiga havia passado em São Paulo e já estava desesperada com o diagnóstico. Não pude mais esperar e corri para o consultório da médica muito antes da hora combinada. Como pode uma hora se transformar em seis? Pois foi como se.

Quando ela abriu a porta do consultório para mim, entrei já com lágrimas nos olhos. E quando ela pegou a lupa e acendeu o super holofote de luz branca sobre minha pele, eu parei de respirar.

-Hum…

-Que?

-Isso está me parecendo… escabiose.

-E? Isso é…

-Vulgarmente chamada de sarna.

-Heim?! Tem certeza?

-Absoluta.

-Hahahahahah! Sarna é???? Tem certeza, né? Hahahahahah… que maravilha!

Ela não entendia o motivo das minhas risadas histéricas e minha alegria. Nunca um cliente havia ficado tão eufórico com um diagnóstico desses. Eu deveria estar morta de vergonha… e estava. Mas sorria de felicidade. Como assim Sarna? Onde peguei isso? Hahahahaha! Ela disse que procurasse o agente transmissor, trocasse a roupa de cama todos os dias e lavasse a roupa vestida separada dos outros ocupantes da casa.

Saí do consultório com uma receita simples, sentindo-me leve como uma pluma. “Sarna. Eu SÓ tenho sarna. Onde e como eu peguei isso é outro problema. Um minúsculo problema.” Descobri rapidinho. Simples. Minha filha levava, todas as tardes, para a minha cama, o bebê da vizinha, que tinha uma empregada empelotada de escabiose.
Eca! hahahahhahahahahha… mas era só isso.

Categorias: Corpo&Alma de Mulher | Tags: , | Deixe um comentário

Por causa de Lucia…

Pois é…

Um dia abri meu Facebook e encontrei uma cartinha assim:

“Olá Nora, Desculpe-me por estar neste seu espaço.

Há tempos atrás lia de vez em quando suas mensagens no blog língua de mariposa. Gostava de sua partilha que me parecia uma pintura com os detalhes que davam vida a narrativa que fazia. Fiquei um bom tempo depois sem entrar nele, mas ficou arquivado no meu FAVORITOS junto com outros assuntos que julgo interessantes. Hoje, me veio a vontade de entrar lá e ver qual novidade Nora estaria partilhando após um bom tempo e me surpreendi com o seu anúncio do final do blog já ocorrido desde o ano passado. Gostei da imagem da passagem – o Bardo de seu blog – “virar poeira de estrelas”. Enfim, quero deixar registrado que gostei de ter navegado em seu blog (e o seu foi o primeiro blog que acessei por indicação de uma amiga – normalmente não tinha interesse em blogs), em sua inteireza nas partilhas e até nos silêncios. Te desejo Paz e todo o Bem.

Com carinho Lucia ”

Gostei muito e guardei. Tentei apenas agradecer e seguir meu caminho… mas não pude. Acho que vou voltar a escrever. Não sei se manterei o nome do blog… talvez ele escolha outro. Algo se partiu nas muitas vezes que teve que ressussitar. Sigo feliz, Lucia. Isso é o melhor de tudo.

Obrigada pelo carinho.

Categorias: Curtinhas, Mundo Virtual | Tags: | Deixe um comentário