Pirineus aragoneses.

mapa%20da%20espanha
A fronteira entre a Espanha e a França é marcada por uma larga e famosa cadeia de montanhas: Os Pirineus.
E quase no meio destas montanhas está Jaca.Foi aí que passei alguns dias das minhas férias…
E não riam quando falo em férias, só porque estou desempregada. Uma coisa nada tem a ver com a outra!
Sair de casa sem hora para nada, sem saber onde, nem o que iria comer, andar perambulando pelas ruas, um mapa nas mãos em busca de coisas belas…e ainda mais, nas montanhas dos Pirineus Aragoneses… isso é igual a férias.
Estar em casa, lavando e passando roupas, lutando bravamente com as aranhas, limpando e guardando coisas… isso é igual a estar desempregada…
Entenderam?
Pois é…

Jaca, España

Jaca, España


Jaca fica em plena rota do Caminho de Santiago. É uma cidade cuja história remonta ao primeiro milênio ANTES de Cristo. Seus primeiros habitantes eram pastores e guerreiros. Dormiam no chão e em covas dentro das pedras, comiam carne de cabra, bebiam algo semelhante à cerveja e bailavam ao som de flautas. As escavações arqueológicas confirmam restos de cerâmica, espadas e instrumentos musicais correspondentes ao século II a.C.
Os romanos, no ano 194 a.C, invadiram e conquistaram Jaca com uma armadilha. Puseram um tradicional inimigo, o povo sussetano , diante de suas muralhas e quando os jacetanos saíram para lutar com eles, foram surpreendidos pelos exércitos romanos.
Muito tempo depois, já no século X, uma Jaca empobrecida, de muros caídos, foi anexada aos domínios de um conde aragonês e a partir daí voltou a desenvolver-se, chegando a ser capital do reino e residência dos Reis Aragoneses durante largas temporadas.

Jaca é uma cidade simples e tranquila… e sua maior riqueza é a sua localização. É ponto de partida de caminhos que levam a pequenos e belíssimos povoados, que ainda conservam suas ruas e casas no estilo medieval, suas igrejas românicas, suas tradições culturais e uma gastronomia fascinante.
As trilhas que levam à Garganta do Diabo são procuradas por toda gente, jovens e não tão jovens, para esportes de risco… que eu gosto de ver, mas não tenho a menor vontade de fazer…
Só de olhar de cima para o que as pessoas faziam entre as grandes frestas abertas nas montanhas, sentia um nó no umbigo. Acho que minha adrenalina é muito sensível para divertir-me com esses programas. Minha índole é mais contemplativa e meu lado Rambo um tanto atrofiado.

Pirineus

Pirineus


Preferi buscar um lugar na sombra, deitar numa pedra fria, numa das margens do rio, onde havia uma grande árvore quase deitada sobre as águas… e tranquilamente escutar o ruído magnífico que fazem enquanto escorrem com força entre pedras de todos os tamanhos.
Depois, comer uma ” bocata” de atum com tomate, e litros de água fresca, para suportar a volta sob o sol inclemente, nas pequenas e tortuosas trilhas que sobem e descem em torno das enormes ” peñas”( rochedos), sem misericórdia para a minha falta de preparo físico.
Rutas

Rutas


O caminho é belíssimo, pois costea toda a garganta, acompanhando os passos com barulho de água corrente e cheiro de mato…
Sofri um pouco… mas gostei muito.

Uma observação imprescindível à beleza de todos os lugares que visitei: a limpeza.
Nada de lixo pelas trilhas…NADA!
Águas limpíssimas, fontes de água potável por toda parte, onde os caminhantes podem encher suas garrafas sem medo.
Sinalizações precisas para aqueles que estão à caminho de Santiago de Compostela, ou apenas querendo conhecer suas paragens, seus miradores, sua flora e sua fauna.

Puente de la Reina

Puente de la Reina


Jaca fica justo na rota de Santiago.
E em Puente de la Reina, um povoado perto da cidade, muitos caminhantes se encontram, em direção a região de Navarra.

A via de peregrinação até Santiago de Compostela colocava em comunicação toda a Europa e converteu a arte românica na primeira “arte internacional”.
A Catedral de Jaca é considerada um dos monumentos mais importantes da arte românica espanhola. Espelha o intercâmbio dessas pessoas, produtos e idéias, em um momento histórico preciso em que os reinos cristãos espanhóis lutavam contra a invasão muçulmana e avançavam lentamente desde a montanha até o vale, deixando ao seu passo testemunhos de uma fé católica restabelecida.

Catedral

Catedral


O que mais me surpreendeu nela foi que o coro e o órgão estão por trás do altar maior, em vez de estar no centro da nave principal.

Nas dependências do claustro pude visitar o Museu Diocesano de Jaca , considerado pelos experts como a “capilla sixtina de la pintura românica”.
E é absolutamente impressionante.

Os murais de frescos de várias pequenas igrejas da região, assim como suas imagens datadas dos séculos XI, XII e XIII , foram transportados para o museu, a fim de protege-los dos saques e da espoliação do patrimônio espanhol.

Uma das salas compreende a História da Humanidade, desde a criação de Adão e Eva até o sacrifício de seu redentor.
É de tirar o fôlego…

Muitas de suas figuras estão deterioradas e as partes vazias não são “restauradas” para não parecerem uma maquiagem. O que permanece visível tem mais de mil anos e isso vale a preservação de seu estado atual.

Museu Diosesano de Jaca

Museu Diosesano de Jaca

Um dos tesouros de Jaca é “La Ciudadela.” Um castelo-fortaleza que protegia o Reino de Aragon do assédio francês, construído entre os séculos XVI e XVII .
Contava com hortas e água abundante, de forma que podia considerar-se autônomo por muito tempo caso precisasse defender a cidade e a região. Tem a forma de um pentágono, com fosso e tudo. Atualmente o fosso é habitado por cervos.

O paradoxo é que única vez que entrou numa batalha foi durante a Guerra da Independência, com os franceses dentro e os espanhóis fora de suas muralhas.

Essa é uma história interessante, que contarei só um pedacinho. Quando Napoleão queria invadir Portugal , pediu permissão para passar pela Espanha com suas tropas… e ficaram. Invadiram e tomaram a Espanha e nomearam José I, irmão do Imperador francês, como Rei da Espanha…
Graciosos, os franceses, não?

Ciudadela

Ciudadela


Bom… atualmente a Cidadela funciona como quartel e permite a visitação em parte de suas dependências….com hora marcada e guia específico, naturalmente.
À noite e iluminada ela é mais linda que de dia…

Há ainda uma outra antiga fortaleza, no alto de uma montanha, chamado Fuerte de Rapitán. Atualmente foi convertido de ponto defensivo em salão de luxo para visitantes ilustres, desde os Reis da Espanha a Presidentes. E guarda o Museu de Miniaturas Militares , uma das exposições de soldadinhos de chumbo mais importantes do mundo. Não pude vê-la, pois estava sendo transladada para a Cidadela.

Rapitan

Rapitan


Mas pude assistir desde o alto de suas muralhas a um concerto de jazz, com uma banda importada diretamente das ruas de New Orleans , tomando um whiskinho e cantando a todo pulmão… pois esta subida eu fiz de ônibus, já que os carros são proibidos de subir pela escarpada montanha e sua estreita e sinuosa estrada…

Enquanto cantava e respirava o ar puro das montanhas pensava nas voltas que a vida dá… e no inusitado que é para mim estar vivendo e podendo apreciar as belezas deste país.

Anúncios
Categorias: Cicatrizes da Mirada, Uncategorized | Tags: , , , | 9 Comentários

Navegação de Posts

9 opiniões sobre “Pirineus aragoneses.

  1. Jaca é um nome engraçado. Ainda que na Espanha se diga “Raca”, eu sempre lembro de 3 coisas: dessa fruta colossal que eu nunca gostei muito, de uma caneca gigante que você me deu de presente e de uma foto sua com um “bocadillo” do tamanho de uma Jaca.
    Parece que esse destino é um dos seus preferidos, e ando vendo muitos packs de hoteis + ski pertinho de Jaca. Tenho muita vontade de ir e dar uso a minha índole Rambo. Hahahahaha

  2. Como historiadora especializada na historia da espanha medieval, Jaca sempre esteve na minha listinha de lugares interessantes para visitar. Ainda nao fui, mas quero fazer o camino aragones…

  3. Você escreve tão bem, nãod evia parar.
    Esse lugar deve ser lindo. Essa foto de Rutas, a trilha, é parecida com a trilha que temos aqui. Nos fundo onde moro, tem uma montanha na primavera e no verão sempre subimos. É tudo limpo e impressionante.
    Venha me visitar também amiga.
    Bjks

  4. Thelma

    Nora, dá gosto ler tuas palavras. Eu conheço Jaca. Fui duas vezes quando morava em Bilbao. Uns amigos têm uma casa antiga e maravilhosa naquele pedacinho de céu. Mas o lugar ficou ainda mais bonito e interessante com a tua descrição. O dom da palavra é para poucos, querida, e tu consegues fazer com que viajemos na tua viagem. Obrigada por este prazer que estou sentindo agora, ao terminar de ler este texto. Bons momentos de leitura e bons momentos de lembranças!

  5. A realidade não se descreve, interpreta-se. É bom passear pelo seu relato, agradável e perspicaz. Você não nega que é pernambucana, pois a evocação é imanente aos pernambucanos

  6. Chantal

    Concordo com Rô, você escreve divinamente e não deveria para nunca! Viajei no teu post, imaginando esse lugar, o cheiro do mato e o barulho da água. Que delícia! Quem sabe se não está no meu destino um dia conhecer Jaca, não é mesmo? Beijão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s