Arquivo do dia: abril 28, 2013

Duas cidades com almas distintas.

Las_Ramblas-BarcelonaBarcelona não foi feita para días de chuva. O céu sempre azul e a brisa quase sempre fresca da Primavera mal acostuma a gente. Barcelona quer sol e mar. Quer as Ramblas cheias de gente colorida, pintores e mímicos, de flores e terraços cobertos de lona, de meses cheias de sangría e cervejas.

Aquí na Espanha a melhor cidade para a chuva é Santiago de Compostela. Lembro que minha primeira vez diante da belíssima catedral de Santiago foi com um guarda chuva negro numa mão e o coração na outra.
Esperamos que a meteorologia avisasse da chuva para poder ir.
santiago-de-compostela
Depois de andar pelas ruas estreitas e sair no pátio diante da igreja, entendi. O cheiro da cidade é de musgo, os muros de pedra parecem chorar de saudades do passado. Aliás, Santiago de Compostela é o passado cristalizado no presente. As árvores bailam ao som da música antiga e do vento… e o peregrinos se transportam para um mundo inimaginável de emoção. Talvez pelo cansaço das largas caminhadas misturado com esse desejo de fé no divino que nos persegue, ali todos parecem gente do bem, gente que ama o próximo e segue as normas cristãs…
Impossível não se deixar levar pela aura de espiritualidade que paira sobre a cidade e mais quando chove.
Aquí não, aquí a chuva não chora, não chama o passado, não molha o coração.

Categorias: Cicatrizes da Mirada | Tags: , , | 1 Comentário

“Velho é uma conquista. Idoso é uma rendição”.

Essa frase é muito boa. Está neste texto aqui

http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2012/02/me-chamem-de-velha.html

Essa moça, a Eliane Brum, ainda não sabe o que é ficar velha… porque ainda está perto dos 50. Verá, quando passar dessa marca do meio século. A diferença é palpável! Digo eu. Mas eu gosto que ela escreva essas coisas porque prepara muita gente para uma realidade que chega, queiramos ou não. E eu quero que chegue. É preciso que a gente a receba sem complexos, com reconhecimento do privilégio, com agradecimento. Quem não fica velho é um zumbi da vida ou uma pessoa que não teve a sorte de sobreviver aos riscos e morre jovem. Que pena!
…………………………………………………………………………
Aqui os velhos tem uma palavra melhor que idoso, aqui velho é gente grande, é um “mayor” e asilo se chama “residencia”. Não parece que muda muita coisa, mas muda o conceito. E isso é importante!
………………………………………………………………………..
barbie 2
Eu concordo com tudo que Eliane disse. Nossa sociedade não cuida dos seus velhos. E menos ainda de suas velhas. Homens podem envelhecer mais tranquilamente do que mulheres.
Admiro os povos que valorizam seus velhos, lhes consideram sábios, falam com eles, pedem conselhos, escutam suas histórias. Eu adoro conversar com os velhos da família… descubro tantas coisas! E quanto mais velha eu fico, mais tenho coisas pra contar. Acho que estou ficando mais interessante. De cabeça.
( Tá! sem muita memória das pequenas coisas do dia, mas com uma memória histórica do importante da minha vida. Hahahahaha! Isso é bom?)
…………………………………………………………………………
Pois é… e tem o físico também. Claro que NÃO gosto das mudanças no meu corpo, mas o povo de fora de mim não o vê tão ruim como eu vejo. Diz que estou bonita. Ontem até escutei um “que bonita eres!” no meio da rua, vindo de um desconhecido que passava de bicicleta. Olhei em volta pra ver se havia “outra” por perto, mas não, era pra mim mesmo! Fiquei ancha!
Meu pirata diz sempre. Mas o povo dentro de mim não escuta. É uma luta!
…………………………………………………………………………
E lá vou eu para a Hidroginástica. Lutar sem “joder” os joelhos.

Categorias: Outro Fala Por Mim, Pensando Alto, Uncategorized | Tags: , , , | 5 Comentários