Arquivo do mês: setembro 2016

Carta aos Curumins.(2) Os Nomes.

Hoje é 29 de Agosto de 2016, Cartagena, Espanha (2)

Queridos Curumins…

Antes de começar a falar de nós, preciso explicar o que é um curumim. Aposto que vocês não sabem.
Curumim é um índio pequenito que ainda não recebeu um nome. E como eu ainda não sei seus nomes, me lembrei de um livro que li no Brasil, muito bonito, escrito por um índio txucarramãe, chamado Kaká Werá Jecupé. Eu o conheci pessoalmente em Recife, no Brasil, e ele me autografou seu belo livro. Um dia eu vou dá-lo à sua mãe. O título é lindo também: Todas As Vezes Que Dissemos Adeus.
todas-as-vezes-que-dissemos-adeusMe emocionei muito quando o li pela primeira vez. Quem sabe, eu tenha a oportunidade de lê-lo em voz alta para vocês, em Português, se a sua mãe tiver a paciência e a vontade de falar com vocês em seu idioma natal.

Pois então… os pequenos curumins recebem apelidos de acordo com algum traço de sua personalidade e só depois que eles crescem é que vão receber um nome de verdade. Dizem que o apelido é bom porque protege o nome dos maus espíritos. Então, eles o mantém antes do principal nome, que só virá depois e que tem o tom de sua música interior. Este só será descoberto pelos sábios da tribo em um ritual que comunga com os quatros elementos do planeta: terra, agua, fogo, ar. São eles que nomeam o curumim. Eu acho isso uma tradição bonita. Imaginem se a gente pudesse escolher o próprio nome com 10 ou 12 anos! Quanta gente se chamaria diferente daquele nome que foi escolhido pelos seus pais ou parentes, só porque eles achavam bonito. E quanta gente poderia se livrar de nomes feios ou inventados pelos loucos pais!

Ah! Vocês nem sabem o que os pais brasileiros são capazes de fazer com seus filhos quando escolhem seus nomes. Tem cada loucura!
Existem várias histórias engraçadas sobre isso. Mas acho que os donos dos nomes não achavam nada divertido. Imagine uma pessoa se chamar 123 de Oliveira 4. Ou outro Jacinto Leite Aquino Rego. Ou ainda Barrigudinha Seleida.
Não deve ser fácil carregar nomes assim por toda a vida, não é?
Quando sua mãe nasceu, não tinha ainda um nome escolhido. Eu pensava em Luana, mas não estava segura. Todos pensavam que seria um menino e que se chamaria Rodrigo. Ninguém a esperava. Só decidi seu nome quando olhei o rostinho sereno, sem agonia, mas de olhos bem abertos, sem chorar nem nada. Tão linda! O médico me pegou de surpresa quando perguntou ” Como se chama?” e eu respondi sem pensar “Carolina”. E acho que foi um bonito tom e combinou com a música dela. Significa “mulher doce”, ” mulher forte”, “mulher do povo”. O meu nome, Nora, significa “honra”. “Luz”
E vocês? Sabem que significam seus nomes? Tenho certeza que sua mãe e seu pai escolheram com cuidado. Espero que meus curumins tenham nomes que sejam como sua música interior. Cada um com seu tom.
Olha aí… essas cartas prometem. Eu que vinha com uma idéia completamente diferente para escrever, acabei ficando só nos nossos nomes. Algo deve ter de importante nisso. Talvez para que tenham claro de onde vocês vem e como eram os povos e as tradições brasileiras antes que os europeus chegassem…
Até breve, curumins. (Na língua Tupi, falada até hoje pelos índios brasileiros, não existe “até breve”. Mas existe “nos encontraremos”.)
Jajo topata …

Categorias: Cartas aos Curumins | 4 Comentários

A Mãe de Thomas Edison.

Certo dia, Thomas Edison chegou em casa com um bilhete para sua mãe.
Ele disse, “meu professor me deu este papel para entregar apenas a você .”
Os olhos da mãe lacrimejavam ao ler a carta e resolveu ler em voz alta para seu filho: “Seu filho é um gênio. Esta escola é muito pequena para ele e não tem suficiente professores ao seu nível para treiná-lo. Por favor, ensine-o você mesmo!!”
madresDepois de muitos anos, Edison veio a se tornar um dos maiores inventores do século.
Após o falecimento de sua mãe, resolveu arrumar a casa quando viu um papel dobrado no canto de uma gaveta.Ele pegou e abriu. Para sua surpresa era a antiga carta que seu professor havia mandado a sua mãe porém o conteúdo era outro que sua mãe leu anos atrás.
“Seu filho é confuso e tem problemas mentais.Não vamos deixá-lo vir mais à escola!!”
Edison chorou durante horas e então escreveu em seu diário:”Thomas Edison era uma criança confusa mas graças a uma mãe heroína e dedicada, tornou-se o génio do século.”
Existem certos momentos da vida onde é necessário mudar o “conteúdo da carta” para que o objetivo seja alcançado…

Li e amei. Uma  mãe especial para um filho especial. Que sorte ele teve! Porque tem gente ministrando Ritalina aos futuros gênios.

Quem sabe alguém está precisando ler algo assim…

……………………………………….

Categorias: Curtinhas | 1 Comentário

Cartas aos Curumins.(1) Uma Conversa com o Futuro.

Agosto de 2016. Cartagena /Espanha. (1)

Queridos…
Nem sei quantos vocês são, se são meninos ou meninas, se sabem ler em Português, como se chamam, qual a cor de seus olhos e de seus cabelos. Mas sei de antemão que são pessoinhas inteligentes e curiosas, como a sua mãe. Na verdade, não me importa muito saber isso agora, porque tenho certeza que sejam como forem vou amá-los muito. “Mais do que todos os universos!” Frase da sua mãe. Acreditem!
Meu desejo é deixar minhas lembranças registradas nas cartas, que pretendo, de vez em quando, escrever. Seria mesmo muito lindo que eu pudesse enviá-las pelo correio, de tecartas2.jpgmpos em tempos, só para imaginar ver vocês correndo até a caixa do correio e voltando para casa com as carinhas de alegria e fascinação que todos as crianças têm diante de uma nova estória.
E mais… sabendo que são as minhas e que contam um pouquinho das nossas vidas!
Não posso viajar ao futuro para vê-los agora mesmo, como nos filmes. Mas posso viajar ao passado através da minha memória e contar pequenos trechos de nossas vidas, de nossos lugares, de nossas pessoas.
Bem…isto não quer dizer que, de vez em quando, não possa aparecer um pedacinho de mata atlântica – uma autêntica floresta!- bruxas boas que sabem rezar simpatias, princesas e lordes, sapos e grilos, velhas histórias tão estranhas que vocês podem até pensar que eu inventei para divertir-los. Nada disso. Eu quero mesmo é que vocês saibam um pouco sobre mim e a maravilhosa casa onde cresci, sobre a nossa família, nossos amigos, nossas festas, nossos doces, nossa música. Algo sobre o Brasil através dos meus olhos.
Imaginei uma noite dessas em que a insônia nos faz pensar no desconhecido futuro ( sua mãe diria em Espanhol ” o futuro lejano”) que é muito provável que nasçam num outro país, falem um outro idioma, comam outros alimentos, cantem outras músicas infantis, conheçam outra história, outra cultura.
Fiquei com muita pena de, quem sabe, não poder contar as historias de família que os avós contam aos seus netos. Fiquei com pena que não pudessem saber sobre as suas origens sul americanas e brasileiras. Que nunca ficassem sabendo quem foram seus bisavós e tataravós, como viviam e o que pensavam.
Desde que vim morar fora do meu país, e isso aconteceu justamente quando eu já não tinha a quem perguntar, senti falta deste saber. Nas vezes em que voltei ao Brasil procurei as tias, irmãs do meu pai e fiz muitas perguntas, mas elas sabiam pouco. Da família de minha mãe eu já não sei onde encontrar ninguém e nem eles sabem de mim.
De qualquer forma, vou tentar desenhar um pequeno esboçode quem eles  foram. Talvez até possa colar uma ou outra foto e assim dar a vocês esse presente.
Sim, meus amores… considero essas cartas um presente. Daqueles maravilhosos presentes que não se pode comprar.
Não sei se um dia me conhecerão ou se eu estarei com a memória suficientemente fresca para recordar as tantas histórias que me foram contadas pela minha mãe (sua bisavó) e minhas tias, primos e primas. Gente que vocês nunca verão.
Talvez, e eu espero sinceramente que isso não aconteça, também eu já esteja escondida em algum lugar que ninguém alcança.
Mas não vamos pensar no meu futuro. Vamos pensar no meu presente. Esse é meu lema desde que cumpri os 45 anos de idade.
Me aguardem, meus amores…

Vai ser bárbaro contar a vocês tudo o que me passar pela cabeça.
Já pensaram que delícia conversar comigo através do tempo!?
Eu vou adorar!
Até breve.

Categorias: Cartas aos Curumins | 2 Comentários

Sobre voltar…

Texto de Téta Barbosa (Blog Batida Salve Todos)

”O caminho de volta”

“Já estou voltando. Só tenho 37 anos e já estou fazendo o caminho de volta. Até o ano passado eu ainda estava indo. Indo morar no apartamento mais alto do prédio mais alto do bairro mais nobre. Indo comprar o carro do ano, a bolsa de marca, a roupa da moda. Claro que para isso, durante o caminho de ida, eu fazia hora extra, fazia serão, fazia dos fins de semana eternas segundas-feiras. Até que um dia, meu filho quase chamou a babá de mãe. Mas, com quase quarenta, eu estava chegando lá. Onde mesmo? No que ninguém conseguiu respocaminhonder, eu imaginei que quando chegasse lá ia ter uma placa com a palavra “fim”. Antes dela, avistei a placa de “retorno” e nela mesmo dei meia volta. Comprei uma casa no campo (maneira chique de falar, mas ela é no meio do mato mesmo). É longe que só a gota serena. Longe do prédio mais alto, do bairro mais chique, do carro mais novo, da hora extra, da babá quase mãe. Agora tenho menos dinheiro e mais filho. Menos marca e mais tempo. E não é que meus pais (que quando eu morava no bairro nobre me visitaram quatro vezes em quatro anos), agora vêm pra cá todo fim de semana? E meu filho anda de bicicleta, eu rego as plantas e meu marido descobriu que gosta de cozinhar (principalmente quando os ingredientes vêm da horta que ele mesmo plantou). Por aqui, quando chove, a Internet não chega. Fico torcendo que chova, porque é quando meu filho, espontaneamente (por falta do que fazer mesmo) abre um livro e, pasmem, lê. E no que alguém diz “a internet voltou!” já é tarde demais porque o livro já está melhor que o Facebook, o Twitter e o Orkut juntos. Aqui se chama “aldeia” e tal qual uma aldeia indígena, vira e mexe eu faço a dança da chuva, o chá com a planta, a rede de cama. No São João, assamos milho na fogueira. Aos domingos, converso com os vizinhos. Nas segundas, vou trabalhar, contando as horas para voltar. Aí eu me lembro da placa “retorno” e acho que nela deveria ter um subtítulo que diz assim: “retorno – última chance de você salvar sua vida!” Você provavelmente ainda está indo. Não é culpa sua. É culpa do comercial que disse: “Compre um e leve dois”. Nós, da banda de cá, esperamos sua visita. Porque sim, mais dia menos dia, você também vai querer fazer o caminho de volta.”

*****************

Fiquei enamorada deste texto. Aliás, eu adoro ler a Teta Barbosa, porque ela parece estar conversando e tem um senso de humor que eu gosto muito.

Pois é… eu também fiz o caminho de volta. Já tinha quase chegado lá quando descobri que faltava muitas coisas mais ricas do que um traje de executiva, muito trabalho… e uma depressão. Demorei mais para criar coragem de voar. Já tinha 46 anos quando fiz uma travessia transatlântica e fui morar no meio do nada, na Espanha. Perto de Madrid mas não tão perto. Minha cidade mais próxima era Alcalá de Henares, onde nasceu Miguel de Cervantes, uma linda cidade medieval. Mas eu estava perto dele. E isso era o que eu queria. Plantamos tomates e pimentões, tivemos esquilos no jardim, corujas na árvore ao lado da janela, processionarias para perseguir nos pinos, pássaros barulhentos casando as cinco da manhã, frio e neve, chá na rede, silêncios imperdíveis no fim da tarde…

Valeu a pena. Todos vieram me visitar. Quase todos.

Categorias: Outro Fala Por Mim | Deixe um comentário

Desligue o Ladrão

Já faz muito tempo que me livrei desse ladrão que entra todo dia nas casas das pessoas. Não minha não.  Televisão só de vez em quando. E isso não é de agora.  É desde a época em que descobri que ler, estudar, escrever, sair, dançar, estar com amigos, escutar música, era muito melhor.
Nunca fui prisioneira14448761_10154422597726893_8396023023838722388_n de novelas. A única série que eu não quis perder foi Grande Sertão, Veredas. Na Globo, quem diria!
Em minha casa, eu nunca ligo a TV se estou bem. Quando meu marido me vê com a TV ligada, já sabe que estou pra lá de mal do juízo.
Vejo documentários de viagens, canal de cozinha, história, filmes românticos, algo de esportes… e já.
Não acredito mais em telediário. Todas as notícias que me interessam  procuro “segundas e terceiras opiniões”. As portadas dos jornais escondem mais do que mostram a realidade.
Cuidado com sua cabeça. Cuidado com suas idéias.
Desligue esta merda que só te transforma numa lata cheia de conceitos que não são seus. Ela o esvazia de você mesmo e lhe enche de malvadeza, violência, mentiras, mediocridade, ódio, desrespeito pelas dores e vidas alheias. Ela rouba sua música, seus estudos, seus amigos. Ela rouba seu pensar.

 

Categorias: Outro Fala Por Mim, Pensando Alto | Deixe um comentário