Posts Marcados Com: Burgo de Osma

Viajar é Preciso!


Volver y contar também é…
Pois então…voltei.
Que maravilha é viajar!
Acho que é um dos mais deliciosos prazeres de minha vida atual, sem sombra de dúvida. Pelo menos dos que posso contar sem ferir a moral e os bons costumes! Ho ho ho!
Nem em meus sonhos mais audaciosos eu imaginei ter um período de “férias” tão prolongado.

Se por um lado sinto falta da vida acadêmica e do trabalho de consultoria, por outro estou curtindo muito a liberdade de poder, num piscar de olhos, fazer a maleta e sair por aí, sem lenço e [literalmente] sem documento, disposta a ver, ouvir, sentir… e fotografar. Quase sem planos definidos de para onde ir e o que fazer de cada dia. Fantástico!
É um privilégio e tenho plena consciência disso. Aproveito ao máximo, pois não tenho a menor ideia de quanto tempo essa folga toda ainda pode durar!
Pois é isso que venho fazendo, sempre que possível, desde que vim viver na Espanha. Muitas dessas viagens fui relatando, pouco a pouco, nos blogs que já tive durante esses quase quatro anos. Gostaria de ser mais rápida e mais constante em meus relatos, mas já desisti de tentar mudar. Eu tenho um ritmo lento mesmo. Pronto.
Meu Mega-Super-Computer-Lentium500 também é osso duro de roer, então ficamos quites. Eu “dou um gelo” nele de vez em quando e vou fazer outras coisas… até recarregar as baterias da paciência e voltar. E sempre ele passa uns tempos mais bem comportado! Acreditem!
Pois voltei. Tenho mil e uma coisas novas para contar e muitas fotos para mostrar.


Estive em lugares simplesmente encantadores durante todo o mês de setembro.
Primeiro fui a Albacete, a convite de um casal de amigos, para conhecer as festas anuais da cidade.
Adorei, claro.
Mas o melhor estava mais escondido e longe da bela festa.

(foto: casseta de viño dulce)
E foi o que descobrimos depois, investindo o tempo nos caminhos tortuosos dos pequenos pueblos repletos de árvores frutíferas, cavernas e grutas pré-históricas, muitas delas adaptadas em bucólicas casas habitadas ao longo do rio Júcar. Pequenos esconderijos de história e de encanto.
Depois, outro convite e outro casal de amigos. ( Ando ganhando uns amigos fantásticos! Escolhidos pelo dedo de Deus, juro! ) Desta vez o convite foi mais misterioso ainda.
Era um presente-surpresa. E não soube para onde iria, até estar à caminho da região de Soria, conhecendo a Espanha mais profunda, visitando seculares fortalezas árabes, castelos, torres e muralhas medievais, comendo em restaurantes minúsculos decorados e servidos pelos próprios donos, conversando longamente com cuidadores de catedrais ou de pequenas igrejas templárias ou ainda antigas e românicas ermitas do século XI.

 

 

 

 

 

 

(foto:Berlanga del Duero)

É inacreditável o que ainda se mantém da punjante história e da arte deste país em cada pequena cidade encrustrada nos montes ou protegida nos vales e margens de rios.

É emocionante descobrir que por trás da próxima curva da estrada pode estar um pequeno grupo de moradores de ancestrais casas de pedra e madeira, cheios de coisas a dizer sobre seu passado e dispostos a construir sobre ele, um futuro.
Muitos desse pueblos estão sendo recuperados procurando mantendo ao máximo suas características medievais. Em muitos deles proliferam as Casas Rurais, pequenos hospedarias e restaurantes de excelente qualidade.
As pessoas estão descobrindo que além de rentáveis negócios ainda ganham um upgrade na qualidade de vida.
Viver num pequeno pueblo, hoje em dia, é uma opção excelente para muitos casais. Saem das grandes cidades e montam seu pequeno negócio longe do stress e do corre-corre das metrópolis. O telefone celular e a Internet, além das excelentes estradas e meios de transporte, diminuem as distâncias e as limitações de viver longe dos grandes centros urbanos.


Ganha a Espanha, certamente. Mas as famílias ganham muito mais. As pessoas dividem espaços reduzidos, onde todos se conhecem. Escolas são ressuscitadas, prefeituras são renovadas e todo o povoado se renova e se enche de VIDA.
Preservando e cuidado de sua história, cultura e arte os espanhóis de todas as regiões estão trazendo um novo tipo de turista ao país. O turista tranquilo, que gosta de cultura. Este vem em qualquer época do ano e não só nos meses de verão e praia.
E isso é o que sustenta e incrementa a indústria turística de um país: O investimento contínuo.
Pois… estou adiantando-me ao post que pretendo escrever para contar um pouco do que vi nessa encantadora viagem. ( foto: Burgo de Osma)
E, para terminar o mês com chave de ouro, estive por 10 dias em Galícia.
A costa noroeste da Espanha é simplesmente deslumbrante! conheci um pouco de Vigo, Pontevedra, A Coruña, Santiago de Compostela, Marim, entre outros pequenos lugares. Lindos!


De cada viagem, de cada lugar, eu trouxe livros e postais, folders, revistas. E muitas fotografias. Estou organizando tudo para poder fazer os posts. ( foto: Rias Baixas-Galícia)
Hoje foi o primeiro dia que pude sentar aqui para tratar as fotos e complementar as informações da minha cadernetinha azul. Por sinal, cada vez que escrevo nela recordo o livro de Paul Auster que estou lendo – A Noite do Oráculo – onde ele descreve o belo caderno azul onde o seu personagem tenta escrever uma novela. E cada dia mais me convenço que deveria deixar de preguiça (e de medo) e tentar mesmo, a sério, escrever esse livro de viagens que vocês tanto dizem que sou capaz. Um dia eu vou e acredito! Tenho mais medo que preguiça, admito.

Como nem tudo são flores na vida de ninguém, as aranhas adoram quando viajo e fazem a festa. Enfeitam todos os cantinhos com suas teias. Sempre.
Viver no campo tem esse lado detestável: Aaaaranhaaaassss!
Ainda bem que não tenho baratas, que aí sim, seria uma Questão de Estado. Mas, de qualquer forma, estive gastando boa parte dos meus dias tentando deixar a casa habitável outra vez.
Além do mais… lá fora os dias continuam lindos e muito agradáveis. O calor acabou.
O outono é uma linda estação e eu preciso fazer exercícios aeróbicos para gastar tudo o que comi. A gastronomia espanhola, mais uma vez, botou a perder as minhas – já fracas – tentativas de perder peso.( Guardei também as fotos das iguarias e algumas das receitas. Aguardem-me! )
Bueno, valeu a pena. Pelo menos eu não ganhei nenhum quilo a mais do que já tinha.

Trouxe exatamente TODOS os que levei!

Uff!

Categorias: Cicatrizes da Mirada | Tags: , , , , | 13 Comentários