Posts Marcados Com: Fernando Pessoa

Navegar é preciso…

Neste imenso mar de blogs, a ampla navegação está cada vez mais difícil de dominar, mas os encontros virtuais, pelo menos para mim, continuam sendo pequenos e delicados toques de carinho.
Apesar da minha inconstância aqui, e também nas páginas daqueles que eu visito de vez em quando, os sinais que tenho recebido desde imenso oceano têm sido sempre tão encantadores como quando éramos apenas um diminuto lago nesse vasto planeta cibernético.
Outro dia eu publiquei um fragmento de texto cuja autoria estava creditada a Fernando Pessoa. Eu o encontrei enquanto estava à deriva, num destes passeios cegos que fazemos e não sabemos nem de onde vínhamos nem onde chegamos. Só sei que ele estava em uma página espanhola e precisei traduzí-lo, pois em Português não aparecia por nenhuma busca realizada.
Após alguns dias, dois amigos blogueiros comentaram comigo que o fragmento poderia não ser do poeta português, pois a Internet está inundada por poesia e prosa de outros, atribuídos a ele. Confesso que também eu comecei a duvidar da autoria, pois entre meus livros de prosa de F. Pessoa não encontrei o tal fragmento.
Acontece que me doía que não o fosse e cada vez que o lia, reconhecia um tom, um algo,um sussurro que soprava dentro do ouvido e que era um som reconhecido, dele e meu, de alguma época de meu passado, remoto tempo em que eu fiquei sem deus, sem mãe, nem pai, nem irmão, nem amigo… abandonada por mim mesma dentro de um poço.
O texto era tão “ele” que ainda resisti a retirar a assinatura, até que um dia pensei que era minha obrigação retirá-la, porque as pessoas que por acaso acessassem o blog poderiam enganar-se como eu havia me enganado.

Uma bela manhã destas, um suave toque na caixa de comentários me devolvia o sorriso. Que alegria! Um navegante desconhecido enviava-me uma mensagem, uma garrafa-mail com um singelo bilhetinho. Avisava-me que o texto era de Fernando Pessoa, mais específicamente do seu semi-heterônimo, Bernardo Soares. Segundo ele, o texto publicado fazia parte do fragmento 88 do Livro do Desassossego.
Êba! Eu tenho! Eu sabia! Eu sabia!!!!
Extremamente feliz, agradeci e fui correndo buscá-lo na estante. Contei os fragmentos um a um, pois em meu livro eles estão separados por um pequeno símbolo. Não o encontrei… como assim?
Pronto… agora o que fazer com essa agulha enfiada na garganta?
Enviei ao novo amigo navegante, Luiz Madureyra, um SOS pedindo um detalhe maior,. Minha edição organizava os fragmentos por temas e em capítulos, o que significa que os textos estavam dispostos ao gosto de seu editor. Que desassossego!


Apesar de possuir o livro desde 1986 e ter sido um dos poucos que eu pude trazer do Brasil, fazia já um bom tempo que não o tomava nas mãos.
Reencontrá-lo foi um presente delicioso…mas foi também um exercício de memória e dor que eu não esperava fazer agora.
Enquanto buscava e buscava, encontrei-me outra vez com a impressionante linguagem do guardador de livros, sua tristeza, sua solidão… suas conversas com as ruas de Lisboa, com os livros das entantes, com um deus que o deixava entregue à própria sorte, com o cinismo triste de quem não tinha esperanças, nem para si nem para o mundo e sem sequer saber onde buscá-las.
Pois sim…
Delicadamente, Luiz Madureyra respondeu que encontraria uma maneira de ajudar-me. Ele entrou em contato com Bill, outro navegante desses estranhos e enigmáticos mares… que enviou-me outra garrafa, (moderna e antiga forma de trocar informações) com um link de um site maravilhoso, onde eu poderia localizar essa obra e muitos outros artigos.
Fantástico, não é?
Obrigada aos dois. Por me ajudarem a confirmar a autoria do texto e também por fazerem com que eu voltasse ao Livro do Desassossego e pudesse novamente desfrutar de reflexões tão fortes e tão profundas!
Bill também tem dois outros blogs, um deles dedicado a Fernando Pessoa e outro dedicado a Florbela Espanca.
Que grande achado! Estou louca para mergulhar neles!
Aos amigos blogueiros Meg e Manoel Carlos também agradeço pelo toque delicado da dúvida, só assim foi possível desenlaçar o nó e consolidar a autoria do fragmento.
Que bom poder contar com vocês, sempre!
Então…
Aproveitando o assunto… penso que se todos nós fizéssemos o esforço de confirmar a autoria de determinadas mensagens que recebemos por e-mail, poderíamos minimizar a quantidade de falsificações literárias que correm pela Internet.


Já recebi tantos Fernando Veríssimo, Neruda e Garcia Marques cuja simples observação do estilo e do vocabulário já descartaria que tivessem sido escritos por um desses escritores!
Neruda então, vem cada uma!
Também tenho recebido textos de anônimos assinados por jornalistas conhecidos e famosos que, claro, nunca os escreveram, assim como notícias truncadas sobre circunstâncias da política ou da economia brasileira que já foram desmentidas ou apenas são interpretações manipuladoras dados fatos.
Vou atrás, investigo, pergunto. Na maioria das vezes dá para descobrir a verdade ( ou a mentira ), outras não, mas sempre procuro ler e analisar com bom senso e jamais passá-las adiante no impulso e no calor da hora.
Aborto a corrente aqui mesmo.
Sei que isso não muda em nada o panorama das redes do ” vamos jogar no ventilador que ninguém confere mesmo a veracidade das informações que recebe” mas pelo menos faço a minha parte.
Faço questão de não contribuir para aumentar o seu alcance através dos meus contatos.

Tenho meus próprios filtros para spams e com eles eu vou ainda mais longe.
Vejo-os como se fossem os vírus que vêm por meio de links e frases de efeito… e apago-os todos (ou quase todos) antes de ser infectada.
Há tantas maneiras de adoecer…

Categorias: Mundo Virtual | Tags: , , , | 2 Comentários

A Solidão é fera… a Solidão devora…

Onde está Deus, ainda que ele não exista?
Quero rezar e chorar, arrepender-me de crimes que não cometi, desfrutar de ser perdoado por uma carícia não propriamente maternal. Um regaço para chorar, mas um regaço enorme, sem forma, espaçoso como uma noite de verão, e ainda assim próximo, quente, feminino, ao lado de qualquer fogo…Poder chorar ali coisas impensáveis, faltas que não sei quais são, ternuras de coisas inexistentes, e grande dúvidas crispadas de não sei que futuro…Uma infância nova, uma ama velha outra vez e uma cama pequena onde acabe por dormir, entre contos que embalam, mal ouvidos, com uma atenção que se põe frouxa, de raios que penetravam em jovens cabelos dourados como o trigo… E tudo isso muito grande, muito eterno, definitivo para sempre, da estatura única de Deus, mais além do fundo triste e sonolento da realidade última das coisas…Um regaço ou um berço ou um braço quente ao redor de meu pescoço…Uma voz que canta baixo e parece querer fazer-me chorar… O ruído das chamas no lar…Um calor no inverno…Um extravío suave de minha consciência… E depois, sem ruído, um sonho tranquilo em um espaço enorme, com a lua rodando entre estrelas…
Quando ponho em um canto, com um cuidado pleno de carinho – com vontade de dar-lhes beijos – meus brinquedos, as palavras, as imagens, as frases – e fico tão pequeno e tão inofensivo, tão só em um quarto tão grande e tão triste, tão profundamente triste! Depois de tudo, quem sou eu quando não brinco? Um pobre órfão abandonado nas ruas das sensações, tiritando de frio nas esquinas da Realidade, tendo que dormir nos degraus da Tristeza e que comer o pão doado pela Fantasia. De um pai sei o nome; me disseram que se chama Deus, mas o nome não me dá idéia de nada. As vezes, de noite, quando me sento sozinho, o chamo e choro, e me faço uma idéia de um ele a quem possa amar…Mas depois penso que não o conheço, que talvez não seja assim, que talvez não seja nunca esse pai de minha alma… Quando terminará tudo isto, estas ruas por onde arrasto minha miséria, e estes degraus onde encolho meu frio e sinto as mãos da noite entre meus farrapos? Se um dia viesse Deus a buscar-me e me levasse a sua casa e me desse calor e afeto… Mas o vento se arrasta pela rua e as folhas caem sobre a calçada…Ergo os olhos e vejo as estrelas que não têm nenhum sentido… E de tudo isto apenas fico eu, um pobre menino abandonado… Tenho muito frio. Estou tão cansado em meu abandono! Vai buscar, oh vento, minha Mãe. Leva-me pela Noite à casa que não cheguei a conhecer…Volta a dar-me, oh Silêncio, minha alma e meu berço e a canção com que dormia.”

Bernardo Soares, em O LIVRO DO DESASSOSSEGO.

………………………………………………………………..
Que soco no estômago! Que dor! Fiquei querendo ser mãe desta criatura, ser sua deusa,seu colo…
Então recordo que minha filha escreveu assim: “Mãe, tu és a melhor invenção do universo!”
E eu agradeci por ter podido ser, pelo menos em parte, o que ela precisava.
Obrigada, minha linda. Você também é minha deusa, meu regaço imenso, minha estrela mais brilhante, minha canção de ninar, minha alegria…
Update:
Amigos blogueiros avisaram-me que o texto não faz parte dos escritos de Fernando Pessoa, nem de seus heterônimos. Bem que procurei nos meus livros e não achei nada.
Ainda não entendi como pode uma pessoa escrever um texto tão bom e não assumir sua autoria! Se alguém souber a quem pertence, por favor avise-me.
Obrigada a Manoel Carlos e Meg.
Update feliz: Meus queridos amigos, o texto é MESMO de Fernando Pessoa. É com imenso prazer que ponho de volta sua assinatura embaixo do fragmento do texto publicado.
Obrigada a Luis Madureyra e Bill.

Categorias: Baú de Cultura, Outro Fala Por Mim | Tags: , , , | 21 Comentários

Adiamento…E Poesia. (Depressão)

Pois…
Sento-me aqui, em frente à folha em branco do word e escrevo reticências…
É tão difícil descrever o que é sentir-se ameba!
Como encontrar palavras para expressar uma morte simbólica, o medo, a penumbra da alma?
Pedi ajuda a um velho amigo.
O poema de Fernando Pessoa é assinado por Álvaro de Campos.
Eu, assim como ele, queria ter ( ou ser ) heterônimos. Não tive.
Assim que, por favor, esperem que me refaça das dores que as lembranças causam.
Permitam-me que seja reticente…
Há dores que mesmo quando passam, voltam a doer só de olhar para elas.
………………………………….
Adiamento
Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã…
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não…
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjetividade objetiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um elétrico…
Esta espécie de alma…
Só depois de amanhã…
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte…
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos…
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã…
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro…

Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã…
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância…
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital…
Mas por um edital de amanhã…
Hoje quero dormir, redigirei amanhã…
Por hoje, qual é o espetáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espetáculo…
Antes, não…
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei. Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã…
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã…
Sim, talvez só depois de amanhã…
O porvir…
Sim, o porvir…

Álvaro de Campos

Categorias: Cicatrizes da Alma, Outro Fala Por Mim, Poesia & BelosTextos | Tags: , , , | 17 Comentários