Posts Marcados Com: Julio Cortázar

Ano Novo… e Júlio Cortázar.

Estou em plena crise de Janeiro.
Depois de uma semana em Tarifa, entre os novos outros da minha vida, mais uma vez cruzei as horas que separam a “noche vieja” do “año nuevo”. Desta vez estava bem diante do Estreito de Gibraltar, feliz por estar com olhos-de-mar-azul ( e sempre e sempre! ) e triste por estar mais um Dezembro tão longe de meu lugar, dos meus outros de antes.
Voltei mas ainda não me recuperei do mergulho na saudade.
Agradeço com a alma dissolvida numa colher de sopa ( sensibilidade à flor da pele) os beijos e carinhos deixados aqui por tantos queridos e queridas. Eu ando que nem Zeca Baleiro, qualquer beijo de “propaganda” me faz chorar. Aqui não vejo novelas. E mire-veja, nunca pensei que teria saudades até delas!
Aqui faz um frio de três graus. Talvez neve esta noite. A neve não faz ruído. O céu também sabe chorar em silêncio nas noites frias, embora diga-se que um bom pranto necessita de algum gemido, por pequeno que seja.
Pois sim…
Ando tão Janeiro!
Entre um ou outro pranto e belos cantos ( ganhei muita música de presente de natal ) deixo-me estar assim por mais uns dias. Organizando a casa, a simbólica e a real, curtindo o frio e a lareira, as muitas saudades, os novos livros…
Cada livro maravilhoso! Depois eu conto sobre eles. Prometo.
E vou voltar a escrever sobre o Lorde e a Princesa, sobre o passado do rio e do Poço da Panela, sobre as histórias que me construíram. Algumas só agora fazem sentido!
Como Janeiro é meio assim-assim pra muita gente, deixo aqui dois fragmentos de Julio Cortázar, para usar um e outro à medida da necessidade de cada um.
Entre ambos, um momento de silêncio enquanto se cozinha ou se põe água nas plantas é recomendável.
Essas crises de nostalgia pedem um tempo de algum silêncio.
Segue a graça e a beleza poética de um mago das palavras…
Instruções para chorar. 
“Deixando de lado os motivos, atenhamo-nos à maneira correta de chorar, entendendo por isto um pranto que não ingresse no escândalo, nem que insulte o sorriso com sua paralela e torpe semelhança. O pranto médio ou ordinário consiste em uma contração geral do rosto e um som espasmódico acompanhado de lágrimas e mocos, estes últimos ao final, pois o pranto se acaba no momento em que se assoa o nariz energicamente. Para chorar, dirija a imaginação para si mesmo, e se isto resulta-lhe impossível por haver contraído o hábito de crer no mundo exterior, pense em um pato coberto de formigas ou em esses golfos do estreito de Magalhães em que não entra ninguém, nunca. Chegado o pranto, se tapará com decoro o rosto usando ambas as mãos com a palma voltada para dentro. As crianças chorarão com a manga da camisa contra a cara, e de preferência em um canto do quarto. Duração média do pranto, três minutos. ”

Esse homem dizia cada coisa!
Se a gente está meio monga, meio assim-assim mergulha em cada lago-palavra que ele escrevia e fica lá no fundo, surpresa com tanto de silêncio contido nelas !
Mas… volta e meia eu canto.

Instruções para Cantar.
“Comece por romper os espelhos de sua casa, deixe cair os braços, olhe vagamente a parede, esqueça-se. Cante uma só nota, escute por dentro. Se ouve (mas isto ocorrerá muito depois) algo como uma paisagem sumida no medo, com fogueiras entre as pedras, com silhuetas semi nuas acocoradas, creio que estará bem encaminhado, e o mesmo se ouve um rio por onde descem barcas pintadas de amarelo e negro, se ouve um sabor pão, um tato de dedos, uma sombra de cavalo. Depois compre solfejos e um fraque, e por favor no cante pelo nariz e deixe em paz a Schumann.”
É verdade que eu não segui isto tão à risca, de forma que Schumann está aqui ao lado e… ainda não tive a coragem de quebrar os espelhos.
Se bem que deveria. Ah sim… deveria sim!

Ps* Paciência comigo. Não desapareçam.

Categorias: Outro Fala Por Mim, Poesia & BelosTextos | Tags: , , , | 29 Comentários

O Almoço…

Li um post no Pretensos Colóquios da amiga Dora, e não pude resistir a trazer aqui um dos meus pedaços prediletos do livro de Julio Cortázar, Histórias de Cronópios e de Famas.
Porque desde que vivo na Espanha, muitas vezes assisti-me como uma estranha numa mesa onde comensais pareciam amigos sem o serem… medindo palavras e gestos aos mínimos detalhes.
De repente eu queria que toda aquela deliciosa comida, as belas flores e os magníficos vinhos fossem para outros… distantes e queridos outros.
Cortázar é divino quando descreve um almoço entre cronópios, famas e esperanças.
Ai, vai. Para você Dora!
E para todos os que também amam Cortázar ou apenas sentem falta de verdadeiros amigos em suas mesas.
…………..

“Não sem trabalho um cronópio chegou a estabelecer um termômetro de vidas. Algo entre termômetro e topômetro, entre fichário e currículum vitae. Por exemplo, o cronópio em sua casa recebia a um fama, uma esperança e um professor de línguas. Aplicando seus descobrimentos estabeleceu que o fama era infra-vida, a esperança para-vida, e o professor de línguas inter-vida.
Enquanto a si mesmo, considerava-se ligeiramente super-vida, mais por poesia que por verdade.
Na hora do almoço este cronópio gozava em ouvir falar a seus contertúlios, porque todos acreditavam estar referindo-se às mesmas coisas e não era assim.
A inter-vida manejava abstrações tais como espírito e consciência, que a para-vida escutava como quem ouve chover – tarefa delicada. Naturalmente, a infra-vida pedia a cada instante o queijo ralado, e a super-vida trinchava o frango em quarenta e dois movimentos, método Stanley Fitzsimmons.
Depois das sobremesas, as vidas se saudavam e partiam para as suas ocupações, e na mesa permaneciam apenas pedacinhos soltos de morte.”

Categorias: Livros, Outro Fala Por Mim, Poesia & BelosTextos | Tags: , | 14 Comentários