Posts Marcados Com: moda

E Lá Vem História…( Cap 19)

Não deixaram… elas não deixaram.
As alianças ficaram prontas dentro do prazo, mas o jantar que eu havia prometido ao bom amigo que iria recorrê-las não se concretizou. Dois dias antes ele teve um sério problema de coluna que não o deixava mover-se. Isso significava não conduzir, não caminhar, não nada! Sua noiva nos trouxe as alianças numa tarde em que não estávamos em casa, deixou-as na casa dos vizinhos e apenas uma semana depois descobrimos o fato. Claro que o jantar foi adiado sem data prevista… para 2007.
As bruxinhas erraram o alvo e acertaram um amigo que só estava querendo ajudar.
Na verdade elas estavam se concentrando em outro departamento. Para começar, esfregaram as mãos na odisséia que tive de enfrentar para encontrar o que vestir. E começou no final do mês de Outubro.
Eu confeso que não estava muito preocupada. Esperava perder algumas quilos – Oh!My God! – incômodos antes de meter-me nos provadores das lojas espanholas, sem arrancar os cabelos e chorar desesperada com os tamanhos dos manequins atuais.
Mas, quando comecei a receber telefonemas de amigos e familiares, todos perguntando-me o que eu pretendia usar, comecei a preocupar-me em sério.
Cunhadas, amigas, primas e até a mãe do prometido estavam em polvorosa para saber o que a brasileira iria escolher para casar-se. Hum…tá.
No início eu respondia divertida que já havia comprado a coroa e só faltava decidir a cor do manto, mas como ninguém ria com a minha graça, comecei a pensar que elas estavam deveras assustadas com o que iriam se deparar no dia do casamento! Ho Ho Ho!
(Se eu fosse mais ousada, teria me fantasiado de algo, justo no dia anterior, só para assustá-las. Teria sido bárbaro! )
Então…quando os homens da família começaram a fazer-me a mesma pergunta, preocupei-me mesmo. Que coisa! Era assim tão importante saber ANTES o que eu iria vestir?
Pois sim.Parece que sim. Tomei a decisão de começar imediatamente a procurar meu vestido e criei mentalmente os requisitos: bonito, elegante, simples e nada a ver com o tradicional das noivas. E não muito caro, por supuesto!
Todas as amigas se ofereceram para ajudar-me. Bom. Muito bom.
Tentei com a primeira. Decepção total. Noventa por cento das roupas oferecidas nas vitrines das boas lojas eram negras, tons variados de marrom ou cores muito escuras, quase fúnebres. Os dez por cento restante era composto de grossos abrigos, botas de cano alto e blusões de lã.
Tá! Casar de preto ou marrom? Nunca!
Eu havia esperado demais. Estávamos já em finais de Outubro e todas as lojas estavam vendendo para o outono e próximo inverno. Isso. Inverno europeu, entenderam? Lã!
Aliada a essa condição ( que eu nem havia pensado ) estava a famigerada dificuldade de encontrar coisas bonitas do tamanho normal de uma mulher grande. E isso eu deveria ter recordado.
Além de não encontrar meu tamanho em qualquer loja, ainda há aquelas que decidem ter suas próprias medidas.
Agora não tem mais quem se entenda nesse mundo da moda! Quem disse que 38 é 38 em toda parte? Mentira! Minha filha tem roupas que variam de 36 a 42, vejam só!
E muitas lojas aqui se recusam a ter manequins maiores que esses. 42 é seu “tamanho G”.
Tamanhos 44 ou 46 de toda a vida, isso não! São grandes demais, deformam a prenda e não entram em suas coleções! E dpeois, nem pensar em ter esse tipo de clientes passeando entre seus corredores! Gordas dentro da loja? Que baixaria!
Já olham em pânico quando insistimos em entrar. E se você perguntar se há números maiores, lhe olham com uma carinha de ora, por favor, não se enxerga !?
Ora, por favor, não se enxerga digo eu. Fico indignada com isso.
Sabe o que é pegar uma roupa tamanho G e a danada não passar nem acima dos joelhos? Isso está dizendo que você não tem a menor chance de caber no seguinte tamanho, se houver, que já será EX.
Já sabem: Ex – mulher. Eu já escrevi sobre o assunto aqui antes, mas não acho muito repetir. Temos que lutar contra essa discriminação!
Um parêntese por favor.
(Agora há uma proposta do Ministério de Saúde da Espanha ( aqui )para igualar os tamanhos das roupas em todas as confecções. E incluir o tamanho 46 na coleção normal e não “especial” como está hoje. Claro, como o tamanho 46 atualmente é considerado especial isso significa, fora do padrão normal, então ele pode ser muito mais caro.
Isso é irreal! A maioria das mulheres grandes usa 44 ou 46!
Vamos esperar para ver no que essa proposta vai dar! Tomara dê mesmo certo.Outro dia vi na TV que estão pesando e tirando as medidas de uma quantidade enorme de mulheres NORMAIS para redesenhar os padrões da mulher espanhola. Sí!
Tá bom, sou brasileira, mas pelo menos vou poder saber qual é meu número de verdade!)
Sim, mas meu problema continuava aí e era urgente encontrar algo! Estava a apenas um mês e meio de meu casamento e não encontrava nada que eu pudesse vestir justamente no dia em que todo mundo estaria olhando TUDO em mim!
Mandar fazer uma roupa a essa altura do campeonato seria uma grande tolice. Nunca deu certo comigo essa coisa de “mandar fazer”. Nunca saiu do jeito que eu imaginei que saisse. E o pior: tinha que pagar mesmo se não gostasse. Vestir sem gostar é terrível, né não?! Imagine no dia do casamento.
Claro… também nunca fui a Dior. Nem iria agora. Passei pelo outro lado da calçada! Ho ho ho! Preço também era um fator para ser levado em consideração, embora eu estivesse disposta a gastar mais do normal em função da ocasião.
Já recordada de todas as dificuldades que teria, comecei a procurar nas lojas onde havia menos probabilidades de me enforcar nas cabines de provas ou sair com cara de choro de algumas delas. Coisa não muito fácil, já que conheço poucas e sair de compras não tem sido um esporte muito praticado por mim nos últimos anos. Fora o mercado, onde me divirto, só compro em lojas esportivas ou no Corte Inglês. Nunca saio pelas lojas de Madri.
Então…
Casar exigiria um esforço extra não é? Sim, claro. Alguém poderia querer vestir outras cores durante o inverno, não é? Sim, claro. Bastaria ter paciência e procurar! NÃO É?
Sim, claro que sim. As jovens ou as magras. Essas podem usar vermelho, bege, rosa, azul ou verde no inverno. Vermelho sangue de touro, tá? E de alcinha, com um leve bolerinho transparente sobre os ombros.
Mulheres maiores que G tem que usar negro ou marrom. E pronto.
Ah! Também tinha muita coisa em “oncinha”, “leopardo” ou “zebra”.
Oh! comecei a rir diante das vitrines, meio histericazinha, admito.
Que tal a brasileira aqui vestida de oncinha no dia de seu casamento? Heim? E de índia? Gosta não? Bem que eu tinha uma fantasia lindona de índia nos meus antigos tempos dos Carnavais de Olinda!
Oh! Deus! Era preciso rir um pouco, senão o desespero entrava com todo o gás!
Mas se não o desespero, entrava sim, um imenso desânimo!
Minha amiga e eu começamos a futucar as lojas em busca de qualquer outra cor. E o que encontrávamos, sempre no setor “festas” – o que significa setor muito mais caro – era em cores estranhas como azul-pavão-com-riscos-dourados e bordado de pedras “preciosas”. Para casar de manhã? Fantasiada de pavão misterioso?
Tá. Então… que tal granate-cor-de-sofá, com panos e panos dobrados… que me deixava igualzinha ao antigo sofá da casa de meus avós, enorme e amarfanhado!
Não? Então prova essa saia cor-de-chocolate-derretido, mas que tem uma blusa estampada-com-cores-de-frutas-cristalizadas-também-bordada-com-fios-dourados, muito natalino, muito natalino!
Nãooo??? Ora, por que não provar para ver como é que fica? Perguntava a amiga, já impaciente. Comecei a ter vontade de correr, desistir. E casar de jeans e camiseta. Ou quem sabe, arriscar fazer a brincadeira do manto e da coroa, mais fáceis de achar, aposto!
Respirei fundo e tentei outra vez. Tá. Provei uma saia ( marrom, só para satisfazê-la ) e uma blusa branca com bicos bordados nos punhos e na gola. A blusa me transformava num liquidificador coberto por uma batinha de bicos, que minha mãe adorava e aumentava em dois números o tamanho de meus seios. A saia me transformava num baú de loja de antiguidades coberto por uma manta de babados de tafetá.
Eu disse que não havia gostado, que parecia deixar-me velha e barriguda. Então a minha amiga encolheu os ombros, fez uma carinha de “e daí? ” e disse: “Mas você é assim, querida. Que fazer se você tem barriga?”
Tóin! Respirei umas dez vezes, antes de responder com alguma educação e uma vontade interna de chorar ali mesmo, que se eu não tivesse bunda nem peito, não escolheria uma roupa que acentuasse isso. E que ter alguns anos a mais do que ela não me obrigava a usar roupas que não me deixassem elegante ou que me fizessem parecer muito mais velha e muitíssimo mais gorda.
Se é que tenho, AINDA, esse feminino direito!
Gemi. Tirei a roupa e não quis provar mais nada. Queria apenas ir para casa e pronto. Outro dia tentaria outra vez. Naquele dia não podia mais.
Pois sim… na saída vi algo que me chamou atenção, mas a raiva não me deixou parar e procurar meu número. Claro que não devia haver!
Ainda saí com outras duas amigas e cascavilhamos Madri, mas nada me agradava. Algumas roupas tinha preços exorbitantes para uma coisa que nem havia caído bem em mim, outras não tinham meu tamanho e outras eram horrorosas mesmo.
Imaginem só, pagar uma fortuna para ficar bem feia e gorda no dia do meu casamento com olhos-de-mar-azul. Nem morta!
Criei todas as fantasias negativas. Imaginei seus amigos perguntando-se o que ele havia visto em mim, sua família balançando a cabeça de um lado para o outro, sem entender como se casava comigo, minha filha com carinha de “está tudo bem, mãe! o que importa é que você está feliz!” Pronto. Fiquei com um mal humor desgraçado e comecei a ter insônia. Todos as noites.
Tive até vontade de voltar a fumar. Juro!
Tentei procurar na Internet endereços de lojas especializadas em Noivas e Madrinhas. Que boa idéia, heim? Oh! sim, esquece! As noivas todas tem 20 anos, vestem vestidos bordados e apertadinhos, longos e brancos.
E as madrinhas? Só existem dois tipos: as que tem 55 quilos e podem usar cores bonitas em vestidos alegres e bem cortados e as senhouras gordas, que devem – todas – gostar de vestidos duas peças, sem forma, de cores escuras e com pedrinhas bordadas no cangote!
Ah! E que custem os olhos da cara!
Quem disse que gordinhas gostam de ficar feias? Quando? Onde isso?
Não quero mais casar!
Entrei em pânico!
Dei um tempo. Fui fazer outras coisas até passar a agonia. Fui à Barcelona para visitar a Virgínia, imaginar nosso futuro barco a vela no Salão Náutico e assistir um concerto de José Luís, meu enteado, numa apresentação única na Espanha da Orquestra Verbier.Que delícia de programa!
Psssit! Leia bem baixinho! Não resisti e dei uma olhadinha nas lojas. Tudo marrom e preto. Tá.
Voltando a Madri saí com Anlene. Rodamos um dia inteiro por todas as lojas que ela conhecia, até que entramos no Corte Inglês, numa das lojas da grande rede espanhola. E lá estava. Era um conjunto gracioso e feminino, composto por uma saia leve, estampada de tons groselha e cereja e um casaquinho de algodão crú, cor de cereja, lindo. Era justamente aquela roupa que eu havia gostado naquela primeira tentativa frustrada citada aí em cima.
Se eu havia gostado dela naquele primeiro dia, imagine o quanto estava gostando agora! Depois de tudo o que havia visto e provado, ela me parecia simplesmente bárbara!
Vai ser essa, decidi.
Tinha meu número! Vibrei. Escolhi uma camisa de seda branca para usar por baixo do casaquinho e fui feliz para o provador. A saia era do meu tamanho, mas o casaquinho não dava em mim. Ficava meio apertado no braço “Uchôa de Medeiros” ( leia-se “de lenhador” ) que eu sempre tive. Que inferno! Senti-me como a irmã malvada da Cinderela provando o tal do sapatinho de cristal. Queria cortar metade do braço, para que ficasse bem. Oh! Por favor!
Pedi um número maior à vendedora. Ela disse que não tinha. Aquele era o último. Mentira! Impliquei. Agora eu não ia desistir fácil. Pedi a vendedora que tentasse chamar as outras lojas para ver onde ainda poderia haver meu manequim. Ela disse que não ia adiantar, que já havia tentado para outras clientes e não havia mais nenhum em toda Madri! Insisti que tentasse outra vez. Ela teimou que não. Eu já estava com vontade de avançar no telefone e chamar eu mesma…
Pensei em procurar o supervisor, o gerente, o que fosse. Então tive uma idéia: pedi-lhe que chamasse a loja central de Barcelona, pois ali minha amiga podia comprá-lo para mim. Ela fingiu que concordava. Saiu. Me fez esperar meia hora e voltou triunfante. Em Barcelona também não tinha. Riu, satisfeita de sua vitória.
Não acreditei. Claro que não acreditei!
Filha de uma… criatura sem sentimentos… sua… pensei tudo que podia pensar de de ruim sobre a vendedora. Miserável, imprestável! Fiquei olhando para ela, muda de impotência. Fuzilava-a com meu olhar. Mas ela ria feliz. No hay!
Anlene salvou-a de morrer estrangulada entre meus dedos. ( Ela não estava histérica, conseguia pensar.) Sugeriu que eu comprasse a saia e a blusa e anotasse a referência do casaquinho. Se não o encontrasse em outra loja da rede, podia devolvê-las e receber o dinheiro de volta. Achei a idéia boa. Valia tentar. Isso significava que tínhamos, ambas, a certeza que a bruxa mentia e que havia ainda alguma possibilidade.
Pois sim. Comprei as duas peças e tomei o trem para casa. No caminho fui escrevendo num caderno uma rede de amigas espalhadas pela Espanha que poderia procurá-lo para mim. Barcelona, Málaga, Algeciras, Cádiz, Bilbao, Guadalajara, Zaragoza… etc.
Agora eu queria casar com aquela roupa. Só desistiria se não houvesse NENHUMA chance.
Na estação de trem perto de minha casa, o prometido me esperava. Contei-lhe meus planos. Detestei a idéia de voltar para casa com meia-roupa, faltando apenas um mês para o casamento e já sabendo que agora é que seria impossível gostar de outra.
Sou assim, quando implico com um vestido já me imagino com ele e não consigo me ver em outro. É horrível, mas é assim!
Olhei para cima para soprar meu cansaço e vi a placa inconfundível da loja brilhando no alto. Lá estava, bem diante de mim, a primeira loja onde eu havia vislumbrado o tal conjunto. Antes de acionar a rede de amigas na busca e captura do casaquinho cereja, eu decidi conferir a mentira da bruxa, pessoalmente!
Em 5 minutos estava dentro da loja. Dirigi-me ao andar de roupas femininas com determinação e muita esperança, por favor… por favor… por favor…
Encontrei a marca que eu queria e o vi. Sim! Sim! Siiiiiiim!
Não podia acreditar no que estava vendo, mas lá estavam! Cinco casaquinhos iguais pendurados nos cabides. Cinco! Em todos os tamanhos. To-dos.
Rá! Pulei sobre o meu, vesti-o com incrédula alegria. Bingo!
Meus olhos e meu sorriso saltavam do rosto e bailavam pela loja em plena felicidade. Que fada madrinha eu tenho! É certo que me deixa sofrer um bocado, mas no final a danada transforma trapos em sedas!
Obrigada! Obrigada!!! Comprei-o imediatamente, com o coração palpitando como um tambor. Tum-tum-tum…
No andar de baixo da loja ainda dei de cara com o sapato que faria um par perfeito com o conjunto. Por metade do preço de todos os que eu havia visto até aquele momento! Saltos perfeitos, cor de ouro-velho, meu número.Rá!
Bingo outra vez!
Bingo! Bingo! Bingo! Ho ho ho! Nem bruxas nem nada… tudo dentro da sacola. Roupa completíssima!
Era dia 9 de novembro. Faltava exatamente um mês para o dia D. Agora eu podia relaxar e começar outra vez a brincar de coroa e manto com quem me perguntasse o que iria vestir.
Tranquila, heim?!
Pois não!
Não sei como, nem por que… invadiram-me uns medos. Começaram as confusões e as brigas…
Depois de quatro anos juntos numa paz e felicidade até fora de moda… estávamos brigando? Como assim?
Pois então nada de casar!

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , , | 9 Comentários

Calima e Outras Generalidades…


Uma crise de coluna ( que novidade é essa? ) me deixou entrevada como uma velha árvore. Qualquer movimento gerava uma forte dor e um gemido à altura. Assim, nada de sentar diante do computador, nada de responder e-mails nem ler blogs. De vez em quando o vício blogueiro me exigia experimentar, mas eu não aguentava mais de duas visitas. E meu computador é um “Lentium”, como diz o meu irmão. Não dava para aguentar as looongas esperas também.
Sonhei que ele escrevia ao som de minha voz! Quem dera!
Agora , que já estou melhor, admito que estava um tanto assustada com a nova experiência. Ter o corpo limitado em seus movimentos, com dificuldades para vestir e desvestir, tomar banho, virar na cama, etc. foi aterrador!
A gente não sabe o valor que é ter autonomia para tomar conta de si mesma até que se vê precisando de uma mão mesmo para o mais simples como, por exemplo, levantar do sofá. Ainda bem que tive duas belas e cálidas mãos para ajudar-me. Hum!
Mas confesso que o medo ainda não passou! Nem a dor completamente. Estou rodeada de almofadas mas o vício ganhou a parada hoje!
………………………………………
Quanto ao dia de San Valentin, aqui em casa o evento passou em brancas nuvens. Aliás, cinzentas nuvens! Madrid está coberta de calima. Isso significa uma bolsa de poeira suspensa sobre a cidade. Uma mistura de areia que vem do Sahara com partículas de poluição e névoa. A mistura dá a sensação de que a gente não deveria estar ali respirando, entenderam?
Pois sim… aqui no monte havia só a névoa com areia, mas somada com a dor no corpo me deixaram num baixo astral incrível. Assim, não tivemos vontade de sair nem de preparar nada para comemorar o dia. Fica para outra vez. Por sinal, teremos uma segunda oportunidade no dia 12 de junho.
Brasileiros tem duas datas não é? Eu aproveito TODAS!

Eu tinha até escolhido um vestidinho bem discreto, baseado na roupa eleita pela Ministra de Cultura para acudir à entrega do Prêmio Goya, mês passado. Perfeito para o dia de San Valentin, mas… infelizmente não deu.
A estilista desta “coisa linda e clássica” chama-se Ágata Ruiz de la Prada e sua linha vai de roupa íntima a perfumes, roupas de cama, mesa, banho e até mesmo roupa masculina. Cada coisa!
Sua marca registrada é o jogo de cores fortes, laçarotes e corações. E o preço? Nada barato, claro! Vender nome sempre é muito mais caro que vender a roupinha. Choca não?
Pois é. Agora diz que dinheiro compra bom gosto! Ho Ho Ho!

“Babar” de alegria foi começar outra pequena coleção de arte, desta vez de pintura contemporânea, pelo preço de um café com churros. Picasso veio grátis junto com o jornal El Mundo, mas vamos ter Balthus, Rodin, Miró, Klint, Munch, Magritte, Hopper, Matisse, Dalí, Chagall e muitos outros. Vai ser perfeito completar aquela coleção que fizemos o ano passado com os pintores clássicos lembram?

Aproveitando ainda a baba pelos livros…
Estou abobalhada com a beleza dos poemas de Pablo Neruda que eu ainda não conhecia, mas que graças a outra das maravilhas que é viver num país que facilita ao povo o acesso à boa literatura, estou tendo o prazer de conhecer e desfrutar.
Estamos fazendo uma coleção, publicada pela RBA com a colaboração do Instituto Cervantes. Chama-se Obras Completas de Grandes Autores de la Lengua Espanhola. Por dois euros, o primeiro volume de Borges e o de Lorca.
Saiu a um euro cada tomo! Depois chegaram também Neruda e Cortázar, por três euros!
Deu para entender o que significa promover o acesso a literatura?
E estou falando de Obras Completas!
Ufff… estou ficando louca com tanta oferta! A editora da coleção avisou que chegaria aos 12 euros por tomo mais adiante. Mas mesmo assim vale a pena! É muitíssimo barato!
O negócio era incentivar a compra no início e aos poucos ir chegando a um preço razoável para ambos, cliente e empresário.
Acaba de chegar Alejo Carpentier. Ui, meu Deus!
Além de ser uma coleção para manusear e ler JÁ, acho que também será um grande presente para os filhos e futuros netos que apreciem uma boa leitura.
Heim?! Que boa herança deixaremos não? Já dissemos aos meninos que além das terras (a areia dos vasos de plantas) que são muitas, deixaremos uma biblioteca saborosíssima!
Esperamos que desfrutem!
Ps: Marília pediu-me para escrever sobre as minhas manias. Vou tentar, querida! Talvez seja mais fácil que o currículum que nunca terminei.

Categorias: Baú de Cultura, Conversê de Janela | Tags: , , | 16 Comentários

Eu Sou Out…

Não sou muito chegada a revistas de moda. Acho que nunca comprei uma!
Claro que já tive oportunidade de folhear muitas nas salas de espera de dentistas, médicos, nas impossíveis esperas dos cabeleireiros ou em casas de amigas.
Já faz muito tempo que me decidi pela moda confortável e simples. E nunca fui muito adepta à maquilagem. Um batom claro nos lábios e um lápis preto nos olhos. Já está!
Desde muito jovem, as roupas de jeans e os tecidos leves foram sempre meus preferidos. Muito algodão nas saias amplas, camisetas e vestidos indianos.
Até meu vestido de noiva foi de linho crú ! Um conforto para o clima quente e úmido de Recife. E para o bolso também!
Mas eu sou out.
As revistas me dizem isso uma e outra vez. A quantidade de dicas para – maquilar-se, pentear-se, cuidar da pele, tornozelos, cotovelos, para vestir-se como manda o figurino e as cores do momento – são imensas! Cada beldade, cada famoso(a) nos diz o que comprar, como estar in e como não estar out.
Os produtos são de marcas importantes e conhecidas, apresentados com seus preços , na maioria das vezes exorbitantes para o bolso de uma criatura de classe média.
As revistas parecem estar programadas para as mulheres com gordas contas bancárias. As outras, isto é, a maioria das outras, sofram o Complexo de Cinderela ou contraiam dívidas incalculáveis no cartão de crédito.Se tiver um.
E quase todas têm pelo menos UM.
As lojas de preços módicos existem, claro. Mas só para as delgadas e jovens.
As outras, mulheres de magras carteiras e tamanho extra, que morram no limbo da globalização da imagem-sílfide da moda atual.
Por sinal que penteado sexy, não? E, pelo amor de Deus, quanto pesa essa criatura???
Mas nem vou deter-me nesse ponto, pois já escrevi dois posts protestando pelo limbo em que estão as mulheres extra-large do século XXI.Aqui e aqui.
Agora, realmente não resisti ao chamado da página dessa revista, suplemento do jornal El Mundo Yo, Dona. E que chega em minha casa a cada santo sábado.
Vou reproduzir aqui alguns dos precinhos das peças apresentadas para um verão europeu IN.

Uma saia estampada com frutas, simplezinha até, que custa a bagatela de 10.905,00 euros! Uma pechincha, não é mesmo?
Isso em reais deve ficar por volta dos R$ 38.167,50. Que tal?
A blusa é uma camiseta de lycra, sem mangas, pois os 42 graus impedem qualquer prenda com mais tecido. E por apenas 526,00 euros. Traduzindo em números brasileiros: R$ 1.841,00.
E para acompanhar a beleza de conjunto de verão fashion, uma bolsinha fofa de 5.265,00 euros. Tão lindinha, dá para guardar um batom e as chaves! Em reais, por baixo, a mulher da moda só vai ter que desembolsar uns míseros R$ 18.427,50 por esta minúscula bolsa assinada por um tal de Roberto Cavalli. Por sinal ele assina também a saia.
Bueno, bueno… Agora só faltam as sandálias, os braceletes e os óculos. Mais uma besteira de 501,00 euros ou simplesmente R$ 1.753,50.
Total: uma indumentária graciosa para sair de copas e tapas pelas Ramblas do planeta por reles 17.201,00 euros.
Heim!?
Querem que eu converta isso em números brasileiros?
Pois sim… toda essa beleza e charme custaria-nos apenas uns R$60.203,50.
Ho ho ho…
Mas não se impressionem. A revista oferece uma opção ao lado com preços deveras mais baratos. Tudo por apenas 313,00 euros. Ou seja, R$ 1.095,00.
Sinceramente, eu não vejo a enorme diferença de “glamour” entre as duas ofertas!
Talvez por não entender muito de moda. Talvez por não ter a carteira recheada de algumas… ou quem sabe seja apenas porque não me importa em absoluto o nome da criatura que desenhou cada prenda e que só por causa disso o preço dispara feito uma bala.
Esses(as) sujeitinhos (as) que ditam o que a gente deve comprar para ser IN nunca vão conseguir pegar-me nesse conto do vigário. Mesmo que eu pudesse e o meu dinheiro desse.
É imoral.
Meu dinheiro é muitíssimo mais valorizado que seus nomes bordados nas etiquetas minúsculas de suas “algemas sociais”.
Eu faço questão de ser OUT.

Categorias: Corpo&Alma de Mulher, Pensando Alto | Tags: , , , | 30 Comentários

Extra-Large Outra Vez…

A notí­cia é pequenina, como querem que seja.
Pequena no tamanho, como tudo na onda da moda. Grande no significado. E diz assim:
O modista Karl Lagerfeld assinou um contrato para desenhar uma coleção para a famosa loja sueca H&M. Mas mostrou-se descontente e não pretende renovar o contrato porque a empresa, além de fabricar poucas peças, ainda teve o desplante de fazê-las em tamanhos demasiado grandes.

Peraí­… O sujeitinho só quer que sua marca vista as mulheres que ele considera “mulheres elegantes”. Isto é, magras. Mas muuuuito magras. As grandes não lhe interessam. Tamanho G é 40.
E as extra-large então?
Estas que se danem, morram… Mas, se sobreviverem, que não se atrevam a mostrar-se. E muito menos com as peças assinadas pelo loiro vampiro aí­ da foto.
As redondinhas de seios e quadris, sejam jovens ou maduras, que andem nuas pelas ruas da amargura, nos becos escuros das noites sem lua. E sozinhas, de preferência, para não gastarem o pequeno arsenal de pares felizes do planeta. Na hora do amor, que apaguem a abajur, por favor! O mundo da luz e das cores é das sí­lfides.
Pois sim… um dia destes escrevi minha odisséia pelas lojas da cidade em busca do que vestir. O post ainda está aí­ embaixo…
Engraçadinho no contar, mas muito sério no viver.
As mulheres não deveriam mais ficar caladas com a pressão social para “um-padrão-de-mulher” comercial e discriminatório. As propagandas da televisão despejam na minha sala milhares de produtos de beleza: anti-rugas, anti-celulite, anti-peitos grandes, anti-peitos pequenos, anti-velhice, anti-mulher-de-verdade.
Todas as modelos tem menos de 30! Assim é fácil mostrar a cara lisinha.
Quase sem perceber miro o espelho e procuro as marcas da minha decrepitude. Se nunca usei nada deveria estar como o Retrato de Dorian Gray. (Digo o retrato, não o personagem de Oscar Wilde.) Não encontro nada de decrépito. Meu rosto mostra as marcas da minha vida e da minha idade. Mantenho a aura que me cerca e que, creio, fez-me e ainda me faz ser uma bela pessoa.
Mas a televisão insiste e grita MAIS ALTO que qualquer programa normal que agora – vejam só! – as clí­nicas de cirurgia estética oferecem planos de pagamento parcelado para eliminar todo, mas todo mesmo, tipo de complexo. Rugas, celulites, peito grande, peito pequeno, bunda caí­da, narizes, orelhas, lábios…tudo!
“Queira operar sua idade, perca 10, 15, 30 anos! Mesmo que passe não sei mais quantos pagando pelo resultado que nunca é o que promete! Se escapar viva, pois senão pagarão a dí­vida seus descendentes. E aí­ sim, promessa cumprida! Vai ficar pele, osso e sem nariz, mas feliz, feliz!”Querem que eu queira ser a Barbie, que já tem 40 com cara de 15, corpo de 12 e cabeça de borracha oca.
Pois não… recuso-me.
E clamo que as mulheres também se recusem a serem enterradas vivas pela montanha de propaganda, cuja intenção é que queiramos nos transformar em bonecas de plástico.
A última que fiquei conhecendo foi da retirada de duas costelas para afinar a silhueta de uma apresentadora de televisão, que veste 36 ou 38, no máximo, e mede mais que 1,70.
O que é isso?
Quem está dando essas ordens para as ovelhinhas do rebanho?
Os vampiros da moda e as mulheres. As próprias ví­timas.
Ninguém me tira da cabeça que são as próprias mulheres.
Sim, porque são elas que buscam defeitos nas amigas e inimigas de modo a “turvarem” os olhos de seus parceiros.
Que ledo engano! Que tolinhas!
Os homens – e chamo homens os normais e não os “metrosexuais”- gostam de uma mulher pelo todo, pelo que ela emana de feminilidade e sex appeal.
Ele nem nota se aquela loira de sorriso espetacular tem os joelhos pontiagudos. E se notar, foi porque outra mulher lhe disse.
E, quer saber? Ele nem se importa. Joelhos? Para que servem?
Como também não nota se a morena que cheira gostoso e anda como se flutuasse, tem TODAS as costelas ou lhe faltam duas! Se duvidar ele até doa outra sua…se ela quiser “ir buscar lá em casa!”
Homem gosta do todo e dizem isso mil vezes!
Mas a mulher não acredita. E sabem porque? Porque outra mulher lhe diz para não acreditar.
Quer ver uma queixa feminina de praxe?
Ela pinta o cabelo, dá reflexos dourados, uma aparadinha aqui outra ali, pinta os lábios com o novo batom da Lancôme de 150 reais… e ele não nota nadinha!
Mas ele gosta de qualquer tamanho e tom de cabelo ou batom se a vê dentro de um bonito vestido de generoso decote. Saia com lasquinha aberta do lado então!? Dá palpitações no peito e brilho novo no olhar.
Não falha. É tiro e queda!
Mas não… Generosos decotes de bonitos vestidos custam uma pasta! Nem todas podem comprar. E as redondinhas menos. Os tamanhos das roupas bonitas e sensuais dos grandes magazines não chegam ao 44! Juro!
Que o diga o modista da notí­cia.
Aposto que por alguns milhares de dólares o peste-vampiro desenha um vestidinho básico, com belo decote e lasquinha na saia para Liz Taylor.
Mas na H&M? A preço popular para uma senhoura de 73 anos, fartos seios e de nome Lola Sanchez? Nem morto!
E nós, as belas e arredondadas mulheres, não importa de que idade, mas de carteiras magras e nomes comuns, que comamos o pão que o diabo amassou na hora de buscar o que vestir.
Aliás… comer pão? Não!
Foto do Jornal El Mundo

Categorias: Corpo&Alma de Mulher | Tags: , , | Deixe um comentário

Extra Large…

Eu andava lutando com a balança como um bicho!
Manso.
Não é muito fácil ganhar essa luta na vida que venho levando. As comidas, as bebidas, o amor completo, a maturidade do corpo e do espí­rito, a paz instalada na alma, engordam!
O frio por nove meses do ano e as roupas belí­ssimas de inverno, outono e primavera madrilenhos escondem as dobrinhas como amigas condescendentes.
Mas aí­, chega o verão… e cadê o biquí­ni que não cobre mais nada?
Cadê as bermudas de algodão que, inimigas mortais de uma cintura mais redonda e quadris mais largos, mostram com sarcasmo que seu corpo não mais as merecem?
As blusinhas diáfanas e sem mangas saem do guarda roupa para o corpo por mais ou menos dois minutos e se acumulam sobre a cama, incômodas, ridí­culas e imprestáveis!
As únicas amigas de verdade são as camisetas e os jeans! Esses nunca me abandonarão! Mas como ir à praia assim?
Não se deprima! Digo a mim mesma rapidamente. Vá às compras! Todas as mulheres do mundo saem às compras no verão, ou não?
Sim. Todas.
Mas aí­ eu descobri que agora eu não sou mais M – de Mulher Maravilhosa – ou G de Grande e Gostosa, para as roupas que devem ser mais folgadas e soltas. Eu agora eu sou EX de Extra (enorme) Mulher.
Que humilhação! Foi meu primeiro pensamento.
Mas peraí­! Não se deprima. Compre só umas coisinhas e assim que começar o inverno as dobrinhas vão ver com quantos paus se faz uma canoa. Isto é, como se costura a boca! Disse-me mais rapidamente ainda. Animador. Às compras!
Até que descobri o pior. O significado implí­cito no tal EX.
Leia-se EX MULHER!
Mulheres Extra Grandes não têm direito às roupas modernas e femininas. Elas tem que vestir umas batas sem forma alguma, com cores asquerosas, flores imensas ou bolinhas minúsculas!
E as bermudas? Um nojo!
Os modelitos são desenhados para “senhouras” de quinta idade, do iní­cio do século passado.
Pois é…
Aqui para nós, as mulheres maduras da nossa época são muderrrnas, têm um gosto jovial, querem sentir-se femininas e sexy! Incluindo as gordinhas!
O que faz a indústria da moda pensar que as Extra não podem estar bonitas e bem vestidas?!
Vou contar sobre as compras…
As lojas de departamento, as redes conhecidas de roupas com preços mais acessí­veis ao bolso da população classe média, vendiam coisas lindas e maravilhosas!
Dava água na boca ver! Dava vontade de comprar e vestir na hora!
Mas, quando eu escolhi algumas delas e procurei meu tamanho, capoft!
Deu vontade de chorar, de morrer, de me internar num SPA, de fazer uma cirurgia de estômago!
A maior peça G vestia minha filha, que tem 20 anos e pesa 54 quilinhos bem distribuí­dos. Em to-da a lo-ja não havia absolutamente nada (que eu gostasse) que desse em mim.
Nem na loja ao lado. Nem em todo o centro comercial!
Só jovens magras tem o direito de comprar coisas bonitas e de bom preço?
Não, assim eu estaria mentindo. Existem umas duas ou três lojas especialmente para as mais maduras. Coisas hor-ro-ro-sas!
Nem minha avó se vestia assim!
A mãe do Lorde tinha costureira particular que ia em casa e fazia seus elegantes conjuntos, que ela estreava com orgulho nas missas de domingo e nos chás com as amigas. Não era gorda, mas era grande, alta e de fartos seios.
Aí­… tchan- rãaannn… uma das “vendedouras” bem intencionada (?), provavelmente filha de alguma inimiga que eu nem sabia que tinha, me indicou uma loja para Tamanhos Grandes. Leia-se GORDAS.
Como assim?
Assim. As medidas vão de EX a EXXXXX…
Isso. Exxxxxxx-mulher! E rica!
São roupas realmente “maiores” ou absurdamente enooormes.
Algumas belí­ssimas, elegantí­ssimas e TODAS carí­ssimas!
E a moda praia? Aquelas calçolas não se pode chamar de biquinis. Juro!
Comecei a rir meio histérica, com lágrimas nos olhos e vontade de não comer NUNCA MAIS!
Depois de mais de três horas de tortura, voltei para casa com ódio de mim, do meu corpo e da minha idade!
– Peraí­! Quando eu tinha 20 anos e 54 quilos bem distribuí­dos, vestia 38. P – de pedaço de mal caminho!E minha filha aqui já veste, com o mesmo peso, M ou G dependendo da marca. Algumas blusas minhas, de alguns poucos anos atrás, ela já veste e com bom caimento.
Eu heim!
Acho que a indústria da moda está pregando uma boa peça nas mulheres. Diminuem o tamanho das roupas, tascam o mesmo número de manequim, e cobram muito mais caro! I
sso mesmo! Elas gastam menos e cobram mais. Sem falar que “de quebra” nos vendem uma imagem de “fora do padrão”.
Assim o mercado de diet, light, SPA, lipoaspiração, mesoterapia, cirurgia plástica, medicamentos e fórmulas mágicas para emagrecer enriquece às custas da nossa auto estima!
As tabelas de peso-altura-idade diminuí­ram seus escores. As indústrias medico-farmacêutica-estética dizem que quem estiver acima delas morre antes, é infeliz, é feio, é pouco desejável. É um doente!
Estive num check up dia destes. Nunca estive tão saudável. E, fazendo um balanço da vida, nunca estive tão feliz, tão amada e desejada e tão arredondadamente madura, calma e em harmonia com universo.
É verdade que adquiri uns quilinhos extras desde que vim morar na Espanha. Bem amada, bem alimentada e nenhum stress por ter que dormir tarde e acordar cedo, tomar um café correndo, enfrentar um trânsito insuportável, reuniões improdutivas, trabalhar e trabalhar, estudar, estudar e estudar, correr para almoçar contando as calorias, correr para pagar as contas, correr para ir ao supermercado…correr para chegar à tempo na Universidade e dar aulas de três horas e meia seguidas a um bando de alunos de pós-graduação, cansados de correr nas suas cotidianas maratonas…
Aqui tenho mais tempo para ler, escutar música, aprender a cozinhar, visitar museus e cidades lindas. Tenho tempo de pensar no que fui e no que quero ser daqui por diante.
Não sabia que podia ser tão bom viver sem stress. O tempo que a burocracia leva para validar meus papéis de gente neste paí­s me obriga a exercitar a paciência, a tolerância… e principalmente, a encontrar prazer nas pequenas aprendizagens desta nova vida. O trabalho já virá…
Se eu escolhesse o desespero, poderia estar arrancando os cabelos por estar levando essa vida “improdutiva” e “inútil.” Mas eu escolhi ser feliz. E isso faz uma enorme diferença em meu estado de espí­rito.
Não que eu não fosse feliz antes. O trabalho e a correria eram a única forma de felicidade que eu conhecia. Então eu era…
Hum.. mais ou menos.
Na verdade, sofria de uma presença constante de uma falta… como se não soubesse de mim o mais importante. Tinha um lado meio triste que de vez em quando se instalava. Uma sensação de solidão incurável, uma melancolia. Antes isso me angustiava. Agora não. Quando o momento triste vem, deixo que se instale, diga a que veio e se vá. Manso. Assim. E solidão eu não sinto mais, apesar das saudades.
E estão querendo me estressar com uns mí­seros quilinhos a mais!
Nipes nada!
Acabei indo ao mercadillo, que eu nem sabia que existia. Leia-se uma feira. Só que não vende comida. São dezenas de barracas de roupas e sapatos, objetos de decoração, tem de um tudo. Ali encontrei roupas para o meu verão de gordinha. Comprei três bermudas e três blusas de algodão, uma saia e outras cositas mais.
Tudo EX, é claro! Mas lindinhas, modernas, joviais. E por um terço do preço das lojas para as grandes e ricas mulheres!
Parece que pobres podem ser gordas ou arredondadas, mas felizes e bem vestidas. As ricas também!
Por sinal, vi um bocado de madame pela feira. De óculos escuros e lenço, disfarçadas de pobres. Os carros parados no estacionamento são chiquérrimos, o que entrega de bandeja que as dondocas ocludas de pobres não têm nada. São só mais espertas que as outras.
Pois vejam o que saiu na publicação semanal do El Mundo.
Ho ho ho…
Deus é bom pra mim!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Reportagem capa do Magazine El Mundo
A gorda está melhor de saúde, mas quanto à auto estima…quem sabe?

Categorias: Corpo&Alma de Mulher | Tags: , , | Deixe um comentário