Posts Marcados Com: Segóvia

Cuidado Com O Que Pede…Segóvia!

Pois pode conseguí-lo quando menos espera…
Complementando o post anterior, um dos passeios que indico a qualquer visitante e em qualquer época do ano é Segóvia. Já publiquei muitas vezes posts sobre a cidade onde vive e estuda minha filha. Além de bela e histórica, ali nunca faz calor. Pelo menos não o calor de Madrid.
E é muito pertinho. Fica apenas a uma hora daqui.(Foto ao lado:Catedral)
Pois então…
Levamos nossos hóspedes para conhecer a cidade. Não se pode perder de entrar na impressionante Catedral em estilo gótico, a “Dama Rosa”.

Nem o Alcazar, que mais parece um castelo de contos de fadas!Um belíssimo lugar cercado por bosques e pequenas clareiras onde descansar e refrescar-se.


E aproveitamos também para conhecer o Palácio Real de La Granja de San Idelfonso, antiga residência de verão dos Reis da Espanha.
Eu já havia estado ali em outra oportunidade, mas era outono, não haviam as flores e as fontes estavam desligadas.
Era lindo também, mas agora…
A profusão de cores me emocionou.
(Foto abaixo: Palácio San Idelfonso)

Passeamos descontraidamente pelos jardins, tomamos um delicioso café sob suas árvores, visitamos as dependências internas do palácio, com seus imensos lustres, relógios valiosos, quadros e tapetes espetaculares.
Embora não tenha o acervo dos outros palácios que já visitei, foi um encanto de passeio.

Depois procuramos uma taberna de assados, mas obedecendo a regra de quem está ali apenas por um dia, melhor pedir vários pratinhos de tapas. E deu certo, mais uma vez. Provamos quatro ou cinco delícias acompanhadas por um pão assassino de dietas e seu parceiro e refrescante vinho tinto com cassera ( que é o tal do tinto-verano que falei antes) e saímos pelas ruas sem problemas de sono ou cansaço.
(Fotos: Fuente de las ranas)

Depois de muito subir e descer , escolhemos uma cafeteria para outro café e sorvetes ( ai meu Deus!) e os suspiros de felicidade subiram aos céus!
Adorei muitas coisas que vi no palácio e em seus jardins e fontes, mas esta escultura de uma deusa, que estava em uma das salas da Rainha, encantou-me particularmente.

Provavelmente não tem muito valor, pois nem cartãozinho havia explicando algo sobre ela ou sobre seu autor.
A peça é esculpida em mármore e o rosto parece coberto por um finíssimo véu. Mas é tudo de pedra!
Como ele conseguiu isso?
Em mármore???
Ah! apaixonei-me!
Se eu pudesse escolher alguma peça dali para possuir seria ela. Nem pensaria no valor financeiro dos enormes lustres e relógios de ouro que vi espalhados por todas as salas. Nunca dei muito valor ao dinheiro… e talvez por isso nunca me sobrou.
Outro dia estava pensando nisso. Nunca pedi para ganhar muito dinheiro, mas acho que vou começar a pedi-lo… ho ho ho!
Pois meus pedidos estão com um prestígio!
É preciso ter cuidado com o que se pede… de repente o desejo se realiza e a gente está desprevenido.
Mas nem pensem que ganhei a bela deusa!!
Fui reclamar do calor e do verão escaldante e não é que me mandaram uma frente fria do norte!?
Sim… 7 graus fez esta noite.
E eu estava de camiseta, ampla saia de algodão e sandália aberta, pronta para dançar na praça de Escariche, um pueblo da província de Guadalajara,em Castilha la Mancha, aqui pertinho de casa.
Esta época é a preferida pelas pequenas cidades para celebrarem suas festas anuais. Provavelmente porque as noites são cálidas e agradáveis, os filhos e netos da terra espalhados por todo o país voltam às origens e vêm visitar seus pais ou avós.
Pois nada de noite cálida. Fez um frio danado!
Foi só sair de perto do calor agradável da churrasqueira na casa de campo de uns amigos e caminhar até a rua principal da cidade que nem o vinho tinto, servido com generosidade, nem o “baile” organizado na praça principal de Escariche foram suficientes para aplacar o frio que eu sentia.
Bueno, que fazer… jogar um belo e grosso xale emprestado sobre os ombros e aproveitar a festa. Que delícia de festa!
Para começar, fogos de artifício dignos de uma noite de Ano Novo, depois muita música, alegria e a peregrinação pelos bares. Pelo caminho, amigos dos amigos se uniram ao nosso grupo e parecia que eu já fazia parte da vida deles desde sempre. Uma camaradagem, um carinho e atenção que isto sim, aqueceu-me o coração. Voltei para casa às sete da manhã. Feliz e contente da vida. Os pés quase congelados! Mas isso foi fácil de resolver… foi só enroscá-los em outros mais quentinhos…
Também, quem mandou pedir frio!?
Agora fico só imaginando acordar um dia destes e encontrar minha bela deusa de mármore no jardim!
Não custa sonhar, não é?

Ps:Segóvia iluminada é linda!

Categorias: Cicatrizes da Mirada, Viagem | Tags: , , | 21 Comentários