Posts Marcados Com: amor

Assim te amo.

Eu am10501666_10153101684756893_1145851939271694644_no-te sem saber como, ou quando, ou a partir de onde. Eu simplesmente amo-te, sem problemas ou orgulho: eu amo-te desta maneira porque não conheço qualquer outra forma de amar sem ser esta, onde não existe eu ou tu, tão intimamente que a tua mão sobre o meu peito é a minha mão, tão intimamente que quando adormeço os teus olhos fecham-se.

Pablo Neruda, in “Cem Sonetos de Amor”

Feliz Aniversário, meu Capitão.

Anúncios
Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , , | Deixe um comentário

Dez anos…

mala-e-cuiaDez anos atrás eu desembarquei na Espanha de mala e cuia… os saltos das botas se desfazendo pelo aeroporto, o coração dando pulos de felicidade, disposta a reconstruir minha vida num caminho completamente novo.Era o exílio… mas eu estava segura de que seguia meus sonhos mais importantes e que jamais estaria sozinha. Dez anos é tempo grande, sim. Dá para muita estória. Algumas eu já contei pelos blogs anteriores, outras se perderam do registro e ficaram apenas na memória. Demorei tempo demasiado em escrevê-las… uma pena.  Tantas outras se espalharam por dentro de mim, transformaram a minha vida devagarzinho, dia a dia… mas eu seria incapaz de recordar uma a uma agora.

Durante alguns anos eu escrevi sobre as viagens, sobre as cidades de Espanha, sobre os caminhos de terra de Santorcaz. Era um tempo bom, de paz e serenidade, vivendo no campo, com horas a mais todos os dias. Dava para aprender a mexer no computador, criar um blog e ainda por cima escrever um ou dois posts por semana. Fiz tantas viagens lindas, aprendi tanto sobre a história desse país, seus personagens extraordinários, sua arquitetura e sua gastronomia exuberantes… me apaixonei mais,cada dia mais… por tudo que agora fazia parte da minha vida.

Me apaixonei mais  também por olhos-de-mar-azul e isso me surprendeu muito. Como era possível amar tanto?

“Sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na idéia, querendo e ajudando, mas quando é destino dado, maior que o miúdo, a gente ama inteiriço fatal, carecendo de querer, e é um só facear com as surpresas. Amor desse, cresce primeiro; brota é depois.” Guimarães Rosa.

Às vezes eu sentia um medo de que algo passasse. Era beleza demais para ser “ a vera” E eu sentia pânico em imaginar que se acabaria de repente _ puft, se acabou, era de mentirinha uhhuuuuu!  Quando a idéia me pegava de surpresa, eu parava de respirar, olhava em volta…esperava… e nada. Tudo seguia de verdade.  Por quanto tempo ainda, se nada é para sempre?   Arregalava o olho no meio da noite, contava as estrelinhas pregadas no teto do quarto, sem luz, apagadinhas… olhava para ele dormindo ao lado, ressonando de leve … e sorria. Que delícia! As vezes eu ria de mim mesma. Se todas as mulheres do mundo se queixam que seu homens ressonam, porque eu gosto? Será que só eu sinto essa sensação de “lar”, de cumplicidade morna e doce? Aff… tô cada dia mais brega, pensava. E pior… isso deve ser muito perigoso!

Eu achava tão, tão, tão improvável esse negócio de amor à primeira vista, de reconhecer o sujeito no mesmo primeiro minuto… de amar mais cada dia. Eu achava que isso era mentira. Se voce ama, ama. Pronto. Já está. Que história é essa de sentir que está amando mais? Mas estava. Estava.

Bom…seis ou sete anos pasamos naquela casa. Dando voltas pelos caminhos de  areia e bosques de pinheiros, alimentando esquilos no jardim, recebendo os amigos, novos ou antigos, escutando música bem alto nas noites de lua, de chuva ou de neve, aprendendo a cozinhar e a compartir a vida e os sentimentos como nunca antes. Era tão forte que eu acho que ajudamos  um bocado de gente a ser mais feliz só sendo feliz junto deles…

Isso é bonito de contar. As pessoas diziam que se sentiam bem em nossa casa. Sentiam uma harmonia tranquila, um amor contagiante. Lá eles sentiam vontade de dançar, abraçar, conversar  sobre seus sonhos. Lá eles se beijavam mais. Uma vez uma das visitas disse que em uma semana em nossa casa havia beijado seu marido mais do que  o beijou nos ultimos dois anos… hahahhaha! A gente ria… mas era verdade.  As pessoas refletiam sobre suas vidas e seus sonhos. Alguns tomaram decisões importantes de mudanças porque começaram a acreditar que era possível ser feliz e que não era nada de outro mundo, nada de mágica transcendental… era só acreditar. E  agir. Viver.

456661_10151283467431893_1283091419_oPois… agora estou contando dez anos de Espanha. Dez anos com olhos-de-mar-azul. Ainda parece impressionante a nossa estória. Ainda conto às pessoas que me perguntam, _ “ versão curta ou versão longa?”_  com  a voz embargada e o sorriso de louca perdida. E eles ainda se surpreendem. De tudo. Do antes e do agora. Tanto se surpreendem com o que nos aconteceu antes que eu tenha vindo para viver uma vida tão diferente da minha no Brasil, quanto que tenhamos ido comemorar os dez anos juntos numa casa rural perdida nas montanhas, num lugar  quase desconhecido chamado La Coma y la Piedra, um pueblo minúsculo, em Lérida.  Se surpreendem que tenhamos passeado de mãos dadas pelos caminhos de neve, sozinhos, depois de 10 anos! Nós não. Para nós estar sozinhos no meio do mato é terreno conhecido, é repetir os primeiros tempos em Santorcaz, é confirmar quanto é natural estar um com o outro.

Um dia desses, eu estava tentando fazer um comentário no blog de Carolina, Una Vuelta del Destino,   e não entendi porque o WordPress me pedia um password. Mandei uma mensagem para o site e recebi uma nova senha. Surpresa! O blog Lingua de Mariposa estava todo aqui. Sem as fotos, mas com todos os textos e comentários.Consegui recompor as fotos dos posts e salvar tudo. Descobri também que um amigo brasileiro tem os arquivos do Cicatrizes da Mirada e que vai me mandar por correio. Quem sabe eu possa juntar os dois aqui. Eu gostaria.

Eu sei que a época brasileira dos blogs está meio fora de moda, desde que o Facebook e o Twiter entraram no cotidiano das pessoas, mas fiquei com uma pena danada de acabar com este.. Era tão bom escrever, guardar, ler depois…

Então acho que vai ser assim, como era bem no comecinho. Eu escrevia só para mim e  para alguns gatos pingados que me seguiam. Vou fazer isso… e vamos ver se ele consegue sobreviver, mais uma vez.

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , | 4 Comentários

Porque hoje é dia dos namorados…

Não mate o amor! Enamore-se dele.
Enamore-se.

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , | 3 Comentários

Outra Carta de Amor…

Pediram-me que eu escrevesse uma mensagem para ser lida no aniversário de uma grande amiga. Inspirei-mei numa antiga carta que tinha escrito numa das noites de saudades e fiz algumas mudanças para enviar-lhe uma cesta imaginária cheia dos meus presentes, minha saudade e meu carinho.
Já que isso aqui também é meu cadernos de especiarias, não há melhor lugar onde guardá-la.
A mensagem virou carta… e ficou assim.

Photobucket
Tete, minha tão querida amiga.
Queria estar com você neste momento para cantar o especial parabéns deste ano. Pode imaginar como eu queria estar nas “Bodas Douradas” de sua vida ? Pode imaginar como eu queria poder cantar em voz bem alta aquela sua música predileta – “Abra os braços pra me guardar/ e eu toda vou me entregar/ começo, meio e fim… e a minha cuca ruim “- e me acabar de rir com a coreagrafia, que eu sei de memória, mas que é sempre como se eu a visse pela primeira vez?
Queria poder encher seu copo de whisky e gelo para ver você subir na mesa mais próxima e fingir um sambinha legal olhando para as mãos – como você me ensinou – com ele sobre a cabeça – que isso eu nunca aprendi – e ver a cara de angústia daqueles que ainda não acreditam que esse copo não vai cair de jeito nenhum.
Eu sei. Eu sei.
TT, muléu do meu coração, queria poder entrar aí de surpresa – mais uma das muitas preparadas para esta noite – com um grande ramalhete de rosas coloridas e uma cesta cheia de presentes, meu sorriso, meu carinho, minha imensa vontade de estar com todos vocês.
Mas não posso ir de verdade e então descrevo o que há dentro da cesta e aí você faz de conta que ela existe…e me diz se você gosta.
Claro que há um búzio grande e rosado para você ouvir o mar que mora dentro dele – e de mim – mesmo enquanto estiver no escritório… chuam! chuam!
Minhas cestas sempre levam um búzio rosado… será que esta foi uma das minhas casas?
Leva também um caleidoscópio de lata, que faz txim…txim quando você o gira e vê mil formas coloridas. Esse foi um dos belos presentes que eu ganhei do Lorde. Inesquecível presente… inesquecível ruído… absolutamente inesquecível felicidade!
E você diz ” essa Nora é doida mesmo!” Mas ri encantada porque sente uma alegria antiga de menina feliz.
Tá bom… tá bom…
Também tem umas garrafas do whisky que você gosta, blusas lindas e decotadas e sapatos de saltos altos. Vai junto um kit com as melhores novelas de todos os tempos e uma assinatura da revista que conta a história delas com um mês de antecedência.
Tem uma agenda nova com todos os telefones de todas as pessoas que você conhece e quer voltar a ver. E ela se atualiza sozinha, como mágica.
Tem um pote cheio de saúde pra você distribuir com quem precisar, viu? Tirei só um pouquinho pro meu pé fodidinho e meu joelho podre. O resto estou mandando…
PhotobucketDo lado de lá da cestinha há uma caixa enfeitada, cheia de biscoitos da sorte, cada um com uma mensagem de boa ventura. Se você quiser poderá distribuir para toda a gente que te ama e que está aí… e assim haverá ventura para todos.
Aposto que todo mundo vai comer pelo menos um. E ninguém vai pensar se o tal biscoito engorda! Vai por mim, TT querida, todo mundo vai querer.
E você dirá, que eu mandei dizer, que felicidade engorda um pouco… mas vale a pena. Eles vão rir e trocar cúmplices olhares. Muitos já sabem, não é mesmo?
Deixe a caixa com papel dourado para o fim, que ela é nostálgica e talvez não seja ainda a hora de abri-la. Aproveite e prove as botas de camurça verde que acho que é seu número e fique sabendo que com elas vai poder viajar – sem pagar passagem alguma – pelo mundo inteiro!
Mas primeiro venha me ver, minha amiga, que a saudade é enorme e tenho tanta Espanha para te mostrar!

Pode abrir também a lata branca da paz profunda. Uma lata grande e redonda que está no fundo da cesta, já viu? Mas só abra de pouquinho, querida. Na natureza, já se sabe , é preciso alguma forma de inquietude, alguma ânsia sem nome que nos desperte no meio da noite, um desejo de vencer o tempo, um desafio da mente e até alguma lembrança triste para gente saber o que vale a alegria.
Então… ao lado ponho um vidro grande de lágrimas quentes, para o caso de você precisar… a gente sempre precisa, não é? Se não pelas nossas dores, pelas dores dos amigos…
É preciso compartir de um tudo e eu sei que você é fera nesse negócio de ser amigo para todas as horas. Além das farras, das festas, das serenatas pelas madrugadas a fora, nunca deixa de estar com a gente nos dias escuros da dor.
Eu sei. Eu sei.
Também tem uma caixinha pequena, embrulhada com algodão, com vários tipos de silêncios. Assim você escolhe aquele que mais combine com a sua necessidade… ou a de seu amigo.
Mas veja bem, eu vou e ponho uma cartola com o fundo falso e lenços coloridos, para voce fingir que é mágica, que tal? Você vai poder usar seus poderes para repartir balas e doces com as crianças ou tratar de alimentar seus velhinhos….
– Por sinal, por onde anda aquele seu velhinho?
Ou quem sabe, está precisando congelar alguém por um tempo, talvez fazê-lo desaparecer de uma vez por todas do cenário numa nuvem de pó bem fedorento!
Ah!… cuidado com esse saquinho cheio de furos, pois dentro há um bichinho! É um filhote de papagaio que já fala e sabe mil e uma sacanagens só para você embolar de rir, mesmo já sabendo delas todas. Assim você esquece as agústias e os medos… e dorme o sono que precisa dormir.
Que? Não faz mal rir do que já se sabe que é engraçado. Isso eu sei que você sabe! E como sabe!
caixa dourada
Agora pode abrir a tal caixa dourada. Digo que é uma caixa nostálgica porque ela guarda imagens, cheiros, gostos e sons que te contam as grandes e pequenas estórias… suas e minhas, nossas.
Guarda as estrelas cadentes sobre a casa de Toquinho, as agulhinhas fritas da Janete, um por do sol bem rosado em qualquer parte perto do rio… e depois, umas tantas caipiroskas com luas cheias nascendo, enormes e bonitas, bem em frente ao Bar Biruta.
Guarda os cinco contos de réis – porque fosse qual fosse a moeda a gente sempre saía com “contos de réis” – dos whiskies compartidos no antigo Bairro do Recife e os 17 cigarros fumados no Bar Real. Desculpe, você só tinha 17. Mas a gente fumou junto!
Guarda um desfile com uma baliza em biquini, sons metálicos das gargantas imitando as cornetas e os instrumentos feitos com sandálias havainas enfiadas nos dedos das mãos pelas ruas e praças da Barra, e também um prato de “Tinha” no bar miserável que nem sei mais o nome, onde faltava tudo o que tinha, menos nossa risada, apesar da fome!
Guarda a saudade do Urso de Casa Forte, dos bailes do Siri na Lata, das fantasias de pescadoras… “Caiu na rede é Peixe, meu bem! “
Guarda aquele seu maravilhoso Taxi de joelho fodido e amarrado – agora eu tenho um igual – que levava para todo lado uma índia beijoqueira, uma cigana macumbeira ou uma fada embrigada diante da câmara da televisão :
Essa fada sai todo ano? Um microfone enorme e global bem na minha boca.
Safada é teu passado, minha filha? Olhando para a câmara com cara de fada inocente.
Ai, meu deus… quanta ladeira!
A caixa dourada guarda o cheiro dos mares de Pernambuco, o gosto da cervejinha de Peu, dos Parmeggianas dos fins de noite, guarda os sons das serenatas dos amigos, o carinho dos muitos anos que convivemos, tantas coisas que compartilhamos, o respeito que sempre tivemos pelas nossas diferenças…
Ai.. Sodade. Sodade…
Já basta de nostalgias. Hora de festa! Felizes próximos 50 anos, muléu.
Eu sei que você já foi feliz nos 50 que já viveu. Abra o último dos pacotes e distribua a metade dos meus beijos para todo mundo que está aí! A outra metada é só pra você. Com todo o meu amor!
E manda botar o som na caixa, bem alto, com a melhor de todas as minhas saudades. Você chegando de braços abertos, balançando o corpo e dançando…
“Tetê..Te-te-re-tê… Tetê… Te.te-re-tê… Tetê… Te-te-re-têee!!!
Tetêeeeeeee!”

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , | 4 Comentários

Finalmente, num belo e frio inverno…( Cap 22)

Segunda feira, 4 de Dezembro. O casamento estava marcado para o sábado 9, ao meio dia. Diferente do evento primaveril que imaginamos a princípio, estávamos entrando num belo e frio inverno madrileño. Mais de cem convidados, vindos de toda parte da Espanha. Amigos e familiares sem outro compromisso que não fosse estar conosco no bendito dia D. Todos confirmados…TODOS! E juro que era para ser o mais simples almoço em família. Juro! Não sei como, a lista foi crescendo sozinha, todo dia e toda noite…

Tudo bem, nós gostamos de um bocado de gente, a verdade é essa. E nosso casamento, depois da inusitada e romântica  história que vivemos, havia se transformado em um evento imperdível. As pessoas queriam estar dentro dela também. Acho que elas queriam ser testemunhas oculares do que estávamos vivendo há quatro anos. Que era possível realizar os sonhos. Ser feliz era uma possibilidade real. Muitos deles, enquanto estavam em nossa casa em alguma ocasião durante esses anos, sentiam-se mais amorosos com seus pares, demonstravam mais carinho uns com os outros. Diziam que nossa harmonia os inspirava.
Não é que assinar um pedacinho de papel fosse acrescentar amor ao nosso convívio, mas aqui na Espanha o estado civil faz muita diferença na interpretação que as pessoas fazem de um relacionamento. Nosso casamento significava, principalmente para a ala mais conservadora do nosso entorno, que estávamos “confirmando” social e juridicamente nossa intenção de seguirmos juntos. À vera!
Pois sim… no dia seguinte já estaria aqui a única representante da turma de amigos pernambucanos.
Mas nada de documentos. E sem eles não haveria casamento.
O homem do Registro Civil havia prometido de pés juntos, depois de assumir seu erro, que resolveria tudo em uma semana. Os dias passaram, acabou o prazo dele… e nada.
Olhos-de-mar-azul disfarçava seu nervosismo e tentava convencer-me que fingir uma assinaturazinha num livro falso era menos criminoso do que desmarcar tudo e avisar às pessoas que “nada, que estava tudo bem mas que podiam ir comer com a sogra que aqui não ia haver nadica de boda.”
Tá. Neguei-me. Neguei-me às duas alternativas, fingir ou desmarcar, e escolhi uma terceira: negar o problema. Saí de casa no dia seguinte para comprar uma camiseta de seda e rendas para vestir por baixo da blusa, decidida a me fazer de louca diante das bruxas..larita… laritaaa… Se elas vissem que eu não estava com medo ou arrancando os cabelos de histeria, quem sabe perdessem a graça da brincadeira de mal gosto.
Rodei por todas as lojas buscando uma simples camiseta interior para uma cinquentona gordinha – mas noiva – e com direitos iguais aos das outras noivas jovens e magras: algo sexy e bonito no dia do seu casamento.
A tarefa não era fácil. Assunto mais do que batido aqui. Já viram as camisetinhas das pessoas “maiores”? Elas parecem um babador. Arredondadas no pescoço, sem desenho nem corte. E renda? Aqui, “renda” se diz “encaje”. Encaixar pra que? Quanto mais discretas melhor, de alças largas e cor da pele, no máximo com um lacinho central, sem graça, que é para ninguém olhar duas vezes.
Mas eu achei uma. Uau! Linda. Branca, rendas finíssimas, alcinhas delicadas e fazendo jogo com umas calcinhas perfeitas, bonitas e inteiras. Nada dessa coisa sem traseiro, quase fio-dental que é moda sexy atual.( Requisito absolutamente dispensado por mim desde sempre. Não sei como as mulheres aguentam aquilo! )
Comprei o conjunto, feliz da vida. A-do-rei!
No mesmo momento em que saí da loja com um sorriso estampado na cara, soou o celular. Era o prometido.
Já tinha os papéis na mão.
Yesssss! Oh!… sim… sim…SIM!
Suspirei fundo e me senti taaaaaão feliz que não podia mais fechar a boca. Sabe cara de louca, riso de louca? E nem tchum para quem estivesse com medo de mim! Ahahahahhahah! Que foi?
Ok. Ok… eu sabia que já eram duas da tarde do dia 5 de Dezembro. Expediente encerrado. E dia 6 seria feriado. Mas isso a gente resolvia, nem que fosse invadindo a casa do prefeito em pleno Dia de La Constituición.
Ele não estava, mas tudo bem, calma… ainda tínhamos o dia 7, dia normal. Esperávamos que não tivessem declarado “puente” na prefeitura. Imprensar aqui é fácil como no Brasil.
No dia 7, às 9 da manhã estávamos em Santorcaz com tudo na mão para entregar a Florentino. Ah, Florentinozinho, por favor… não invente problemas, tá? Ele sorriu e disse que já estava pensando que havíamos desistido!
Ho ho ho! Ni muerta
Pronto. Tudo pronto.
Aproveitei a paz da manhã para fazer um bolo de noiva, como é costume no nordeste brasileiro. É feito com vinho doce e frutas cristalizadas, ameixa e passas. Uma delícia! Aqui não existe este costume. O bolo de noiva é comum, só com aquela cobertura especial e lisinha. Isso não sei fazer, mas o bolo sim. E fiz um. Cobri com açúcar fininho e pus numa bandeja. Em vez de flores, frutas ou bonequinhos de plástico, decidi fazer uma brincadeira. Enfeitei a bandeja com um barco de madeira que comprei para “concretizar” o sonho de um dia fazer uma grande viagem num veleiro, com meu lobo do mar. O barco está atracado há anos em cima da estante, junto ao farol azul. Sonhar faz bem, não é?
Para completar, juntei um marinheiro barbudo, de gesso, que havia recebido dele, por surpresa, em Recife, muitos anos atrás. Eu o deixava na sala e às vezes conversava com ele, como se pudesse realmente ouvir-me, naqueles tempos de louca e apaixonada por uma “ilusão”.
Gostei que ele pudesse estar conosco na mesa em vez de um objeto qualquer que não tivesse qualquer papel na nossa história. E, como sua parceira, uma boneca de barro, “a peituda”, sua companheira na estante desde que vim morar na Espanha. Pronto. Estava engraçadinho mesmo.
Em casa já estavam alguns dos convidados. A festa havia começado. Todo mundo achava que já que estava aqui, bem que podíamos começar, né não?
Nãooooooo! Imagine, começar a beber e comer dois dias antes! No dia mais importante estaríamos inchados, cansados e de ressaca!? Eu tinha que estar sequinha pra vestir a roupa cereja e não parecer uma!!
mafalda música
Mas o vizinho decidiu ajudar. E fez a festa na casa dele. Chamou todo mundo para um almoço de aniversário. Como assim? De repente estava todo mundo lá, bebendo, comendo, fumando, bebendo, bebendo… e bebendo.
Apareci por uma horinha, agradeci o convite e voltei para casa. Queria descansar, finalmente poder relaxar, curtir uma música suave, receber uma massagem no pé… ( de quem? ) mas tinha que conferir a arrumação do salão, levar as plantas, o som, as cortinas, contar novamente as pessoas e reorganizar as listas das mesas. Nunca entendi porque ela mudava todos os dias. A gente organizava as pessoas nas mesas e guardava o papel. No dia seguinte, ao conferi-la, estava diferente. Parecia uma mágica. De repente, descobríamos um casal fora de lugar, uma cadeira vazia. Saco! Como é que eu ia levar as plantas para o salão sozinha? E o som? Como assim SOZINHA? Essa turma que chegou antes não vinha para ajudar?! Como assim festinha na casa do vizinho?
Pois sim… todo mundo lá, inclusive o prometido. E era quinta-feira. Quinta! Eu não queria fazer TUDO justamente no dia anterior e depois aparecer no sábado com dor nas costas, pernas pesadas e cara de cansada.
A velocidade com que eu pensava tudo isso não estava lá muito saudável. Respirei fundo. Tomei um banho demorado, organizei a sala super bagunçada pela presença das bolsas e sapatos dos filhos e todos os seus objetos imprescindíveis espalhados por todas as mesas, sofás e tapetes. Quem mandou querer fazer festa de casamento! Quem mandou querer todo mundo em volta!
Em busca de um momento zen, escolhi uma música, recostei no sofá e dormi enquanto esperava que chegassem do tal almoço. Nada. Sete da noite e nada.

Quando despertei e olhei o relógio, a mulher zen do cochilo evaporou-se rapidamente e em seu lugar apareceu uma criatura em transe raivoso. Às oito e meia decidi telefonar para o celular do prometido.
“Quiéquitutáfazendoaí!!!! AINDA!” Pelo tom da minha voz ele percebeu que algo estava fora do normal e veio. ( Vê como é bom poder falar no próprio idioma nessas horas?!)
Chegou preocupado e encontrou o prototipo da mulher insuportável. Agora sim, ele ia desistir mesmo. Eu estava simplesmente horrorosa!

A cara inchada, o nariz vermelho, falando enquanto chorava com a boca enorme igual a de Mafalda, os cabelos idem, arrepiados por ter dormido com eles molhados, andando pela casa e guardando coisas nos armários, que fechava com uma força desmedida, odiando a mim mesma, sentindo-me ridícula por estar me comportando assim, por desejar ser o centro de suas atenções, que estivesse comigo conferindo os últimos preparativos e não bebendo e comendo na casa dos outros, sem mim e… e… eu estava explodindo!
Finalmente toda a tensão dos meses anteriores começou a sair por todos os poros. Comecei a enjoar e corri para o banheiro. Vomitei. Eca! como é que o cara vai querer casar com esse troço de gente!? Chorei mais e mais. Enquanto lavava o rosto me olhei no espelho. Oh! meu Deus! solucei.Tenho que parar de chorar antes de sábado!
Quando apareci na cozinha ele segurava um copo de água fresca, abraçou-me e tentou acalmar-me. “Pronto. Já está. Amanhã faremos tudo. Você descansa”, prometeu. “Eu vou ficar aqui. Que quer que eu faça?” perguntou. “Nada, a essa hora mais nada”, respondi. “Só que fique comigo.” Tá. Mais calma, cortei e pintei as unhas, ainda fungando, enquanto ele, mais uma vez, conferia e corrigia a lista das pessoas nas mesas.
Duas horas depois chegaram os festeiros e o vizinho, cantando felizes e cheios de vinho. Mas eu já estava refeita.
No dia seguinte chegaram outros hóspedes. Cada um com seus horários! Um tal de ir e vir que só vendo.
Enquanto meu pirata tranquilão terminava de organizar as bebidas, as plantas e mesas e as mulheres da família recebiam ordens da cozinheira, etc. descobri que havíamos esquecido de comprar as frutas que iriam ornamentar as mesas. Inferno! Dia 8 de Dezembro. Feriado nacional. Nada aberto. Nada! Como assim!!! Como pude esquecer isso????
Esqueci. Pronto!
Desisti da ornamentação. Ia ficar meio feio ver as mesas brancas e nuas, mas eu não podia mais brigar com as bruxas. Desta vez elas ganharam! pensei.
Que nada! Minhas amigas podiam. Rá! Uma pernambucana que não falava Espanhol e uma espanhola que não falava Português, duas artistas e tanto, uniram-se na empreitada e armadas de facas e tesouras desapareceram nas trilhas em volta da casa. Voltaram com nozes e amêndoas e improvisaram umas cestas fantásticas com frutos secos, fitas e plantas invernais. Ficou lindo e super natural!
Pronto. Tudo ok.
Só teria que livrar-me das ideias adolescentes da cunhada que queria jogar açúcar na minha cama, para adoçar nossa última noite de solteiros e tudo sairia bem. Prometi arrancar-lhe o olho esquerdo se tentasse a gracinha e … já. Esquecido o assunto.
Será que ela acreditou mesmo? Deve ter ficado no mínimo na dúvida. Uma sul americana pode ser muito perigosa, né não? Ho ho ho! E uma que vem de Pernambuco, lá onde o vento faz a curva… nunca se sabe!
Salvei-me da doce noite!
Então… Organizei a roupa sobre o aparador do quarto, provei tudo de novo, escolhi uma correntinha de ouro que ganhei de presente de minha mãe no meu aniversário de dezoito anos e uns brincos que foram dela. Na corrente decidi pendurar uma medalha que foi da minha avó, outra que usei toda a minha infância e uma pequena e lindíssima figa de ébano que também era da Princesa. Queria um pedacinho de cada uma das mulheres que amaram até as últimas consequências das suas vidas, perto de mim. Quando estava tentando enfiar a corrente no pequeno aro da figa, ela se quebrou em duas, na minha mão. Ó…ó!
A figa não é um símbolo de proteção!? Como assim a danadinha se parte bem na véspera do meu casamento!? Ui, que mêda!!
Sem dizer nada a ninguém fui buscar uma cola super-hiper-rápida no armário da cozinha, mas não encontrei. Eu não sou muito shsssss….supersticiosa, hahahaha, dizendo bem baixinho… mas com essas bruxas voando sobre o telhado era melhor não dar bobeira!
Cascavilhei a caixa de jóias da Princesa e encontrei outra figa, esta de marfim. Com todo cuidado enfiei-a na corrente e guardei a quebrada dentro de um chumaço de algodão. Pedi proteção a todos os bons fluidos do universo, incluindo minha mãe e minha avó, e dormi com ela pendurada no pescoço.
No dia seguinte, tan-tan-tan-aaannnnnn… que nervoso, meu jesuscristinho! Todo mundo acordou cedo. Uns de ressaca, obviamente. Uma confusão de gente para comer e tomar banho e tal e qual. Gente se vestindo no escritório, as mulheres de roupão, maquiando-se pela casa… secadores soprando ares quentes em todos os cômodos, eu sendo requisitada para saber quem estava bem, quem estava mal ( todas estavam maravilhosas ) e então…
O grande-e-carinhoso-noivo-dono-do-melhor-dos-corações foi buscar seu irmão mais velho na estação de trem mais próxima, a meia hora daqui. Saiu às 10 horas da manhã. Uma hora para ir e voltar. Tá. Voltaria às onze, sem falta. E às doze e meia estaria lavado, perfumado e vestido, me esperando lá na Câmara dos Oficiais, onde celebraríamos a cerimônia.Tá.
Às doze ele ainda não estava aqui. O portão quebrou. O portão e-lé-tri-co da base pifou, fodeu, morreu… sei lá o que. Não abria e pronto!
Estava fazendo um frio de rachar a alma, como em nenhum dos dias até aquele. As bocas tiritando do lado de fora do carro, todos os soldados tentando resolver o problema e nada do portão abrir. Depois de um tempo escutando as risadas assustadoras das narigudas ( tinham que ser elas ) um técnico improvisado convocado às pressas conseguiu abrir o pesado portão de ferro e o carro entrou.
Ele chegou em casa correndo mas sorrindo, como sempre. Tem um humor fantástico esse meu pirata!
Não sei como ele consegue essas coisas, mas de banho tomado, perfumado e vestido, às doze e meia em ponto ele estava na Câmara, me esperando. A criatura é capaz de aprontar-se completamente em menos de dez minutos.
Agora já estavam todos lá. Só faltava eu. O padrinho prontinho na sala, esperando… e eu ainda de roupão. Olhei a tal roupa cereja sobre a cama com satisfação. Valeu a pena o suplício que passei para encontrá-la em pleno outono-inverno madrileño. Simples e elegante, era justo o que eu queria. E então… comecei a vestir-me… e a suar. Na cara, no cabelo, no pescoço, nas pernas… Já tentou vestir uma meia fina com as pernas úmidas? Hã? ( Pergunta só para mulheres, sim?) A meia furou no meio do caminho da segunda perna. Plano B. Meia suplente na gaveta. Auto comandos mentais. Calma. Tudo bem, tenho outra meia. Essa não pode furar. E eu suando… queria outra ducha ( Jorro de água dirigido sobre o corpo de alguém, com fins terapêuticos ou higiênicos, segundo Aurélio ) queria um ar condicionado, queria não suar!
Só estando louca! Um frio de morte lá fora e eu morrendo de calor. Pense. Pense. Ar condicionado do lado de fora. Abrir a janela, JÁ!! Escancarei a janela do quarto e fiquei ali, contando até dez. Em menos de segundos eu estava perfeitamente gelada. E seca. Recomecei com calma. Fui me vestindo olhando para o jardim e levando um bafo gelado por todo o corpo. Que boa ideia! Quando terminei, peguei o ramo, o braço do meu amigo e padrinho… e lá fui eu casar com olhos-de-mar-azul. Atrasei meia hora justa. Normal. Não sou da marinha nem tive qualquer treinamento militar em toda a minha vida. E depois, para quem esperou tanto… bem que podiam esperar-me uma meia horinha!
Quando entrei na sala, estavam todos ali mas eu só olhei para ele. Quando nossos olhos se encontraram e ele sorriu daquele jeito tarja-preta, confirmei o que soube desde o primeiro encontro há tantos anos: nasceu para mim esse sujeito. Onde estava? Por que demorou tanto, tanto!
Daí em diante, nem bruxas, nem duendes, nem nada. Eu e ele. Juntos. De mãos dadas. Em volta de nós as palmas, o adágio de Benedetto Marcello tocado maravilhosamente pelo filho músico, o olhar feliz da minha filha, os olhares úmidos dos amigos emocionados, as palavras de Florentino, o livro onde assinar de verdade… as minhas lágrimas misturadas com um enorme sorriso, os abraços e beijos dos amigos, o brinde com cava espanhola, a paella gostosa, os olhares cúmplices que trocávamos, a felicidade estampada em nossas caras.
Todo o resto a nossa volta foi lindo… mas o realmente especial era que o inacreditável para muitos, até para nós no início dessa história, estava realmente acontecendo. Havíamos superado todos as dificuldades, um oceano… e estávamos juntos.
Quase doze anos depois daquele primeiro e frustrado encontro na festa do Juan Sebastian Elcano em Recife, estávamos casados!
Incrível! Mas aconteceu mesmo!

Ps. A “peituda” foi roubada no dia seguinte ao casamento. Não posso nem imaginar quem possa ter feito isso. Quando estive em Pernambuco, tentei encontrar uma igual, mas não consegui. Ainda não me conformei!
Ps2: A figa de ébano já está coladíssima!

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , | 20 Comentários

Mais um outono e mais história.( Cap 21)


Faltava menos de um mês para o casamento.
A roupa já estava no armário, completinha e linda, mas… o resto estava cada dia mais complicado. A lista de convidados crescia todas as noites quando os amigos e familiares confirmavam a presença acompanhados de sua prole completa.
Todo dia tínhamos que refazer a conta e eu já estava ficando nervosa que uma pequena e enxuta lista de cinquenta já estivesse perto de noventa.
Com os nervos à flor da pele e as bruxinhas dando voltas sobre o telhado de minha casa, briguei com olhos-de-mar-azul por tudo e por nada. Eu nem me recordo agora por que coisas me irritei pro-fun-da-men-te! O fato é que cheguei ao ponto de questionar se era mesmo para casar… mas fui em frente.
O plano era fazer uma cerimonia simples e aconchegante, depois umas copas e um almoço. Dançar se todos quisessem. Simplíssimo.
O responsável pela cozinha tomaria conta de organizar a comida e a bebida e nisso eu estava mais do que tranquila. Fiquei de resolver apenas sobre o bolo, as flores e a decoração. Estava no papo. Sou prática : muitas plantas pelos cantos, cestas de frutas naturais sobre as mesas e tchum. Resolvido.
Ah! Queria um arranjo de flores sobre a mesa onde Florentino ( oh! nomezinho querido!) iria fazer-me a imensa pergunta: ” Nora, aceita este homem…etc…etc…” Ui, que nervoso!
Todo mundo se ofereceu para ajudar na arrumação e tal e qual. Que maravilha!
Só que isso significava que “todo mundo” teria que chegar antes da data. Me explico: dia 9 de Dezembro era um sábado seguinte ao feriado da Virgem de la Concepción. Festa nacional. Acontece que o dia 6 era outro feriado. Dia da Constituição Espanhola. Entonces… dia 7 era puente e muita gente não ia trabalhar. Parecia bom para quem vinha de fora, mas para quem tinha que organizar, comprar, contratar, ir buscar… era o inferno. Tudo estaria fechado!
Tá bom. Tá bom! Quem morava fora de Madrid queria aproveitar o feriadão e chegar antes. E hospedar-se? Hum, aqui mesmo!
Heim? Como assim?
Então… na mesma semana do casamento eu teria que organizar quartos, banheiros, lençóis e toalhas para todo mundo. Café-almoço-jantar para todo mundo!? Siiiim? Jura? Fiiz bico.
Pois sim. “Lé com lé, cré com cré…um sapato em cada pé.” Comecei a cantar umas músicas do arco da velha, que nem me lembro como estavam guardadas na memória!
Deixei este problema para resolver mais perto do dia D, porque havia um outro muito mais sério: podia ser que não houvesse casamento. Rá!
Por causa das brigas eu estava novamente com medo que as coisas entre nós mudassem drasticamente e de repente eu me transformasse naquela esposa das piadas machistas.
Sabem qual é a figura mais menosprezada da família, depois da sogra? A esposa! Como a minha mãe já morreu, eu estaria no pódio. Em primeiríssimo lugar.
Parece engraçado, mas não é. Nunca achei engraçado as piadinhas que mostravam as mulheres como histéricas ridículas, loucas para casar. E menos ainda que tivessem que lutar com unhas e dentes por este status com um noivo medroso e parecendo estar indo para a forca.
Pode ser que eu tenha um trauma. Meu primeiro noivo,quando me pediu em casamento parecia muito mais estar querendo botar um selo de garantia de posse na mulher que sería SUA, um dia qualquer do futuro distante, do que realmente apaixonado. Na verdade, cada vez que se falava em enxoval e casamento ele parecia que estava com a cabeça na guilhotina. Toda vez que perguntavam quando sería a data do casamento ele respondia que “estava todo arrepiado só de pensar” ou então “quem sabe será na semana santa, só não sei de que ano”, dizia com uma enorme gargalhada, o idiota! E eu, com cara de pateta ao lado, morta de vergonha.

Pois eu cansei. Mandei o rapaz casar com outra porque enchi o saco daquele papel de mocinha-virgem-esperançosa-e-feliz por ter conseguido um jovem-macho-tão-bonito-e-cuidadoso, de boa família… loucamente ciumento, por quem eu tería que esperar dez anos, no mínimo, antes que ele “concordasse ” em marcar uma data para o “enforcamento” e passasse o resto da vida queixando-se de seu destino.
Quando amadureci um pouco dei o pira deste cenário “paradisíaco” e fui viver minha vida. Também é novelesca a segunda experiência com noivado e casamento…
Mas essas são outras histórias, quem sabe um dia eu conto.
Mas agora eu era uma mulher madura, apaixonada e correspondida por um homem maduro e convicto de sua vontade. Meu prometido desta vez era Ele, seguramente o homem com quem eu queria viver a minha vida, amava-me de verdade e queria casar-se comigo, sem medo e sem dúvidas.
Oh, meu deuzinho do céu! havíamos superado tantos obstáculos! Eu precisava acreditar que, de uma vez por todas, era possível despertar um amor real, forte, profundo e duradouro em um homem maravilhoso. E casar não iria mudar isso. Ponto. Acalmei meu juízo como pude… e segui adiante.
Então… mais uma coisa aconteceu. As bruxas nunca deixaríam a coisa fácil e tivemos que travar mais uma luta com elas…

Descobrimos por onde elas iam atacar! Os papéis!
No dia 13 de Novembro ainda não tínhamos recebido nenhum comunicado sobre os documentos… tcs…tcs… Tá. Normal, será ao largo da semana.
Não foi.
Apenas no dia 23 ficamos sabendo que o tal gnomo que nos havia prometido tudo pronto em dois meses havia se enganado.
Como assim? Como assiiiiimmmmm?
Assim… ele havia mandado nossos papéis para Madrid dois dias atrás, 21 de Novembro. Só agora os dois meses seríam contados!
Disse que receberíamos o chamado em Janeiro do ano seguinte e então poderíamos marcar a data.
– Heim?
Havíamos contado dois meses a partir do dia 13 de Setembro. O casamento já estava marcado para o dia 9 de Dezembro. Dentro de 16 dias!
Ainda bem que eu não estava lá na hora pois não sei o que teria feito com o tal sujeito.
Entretanto…a fada madrinha deve ter escutado a conversa porque de repente a criatura levantou-se, serviu um cafezinho, fez umas chamadas… e pediu desculpas pelo seu erro. Pediu nosso telefone dizendo que iria resolver tudo pessoalmente. Qualquer problema era só mudar a data, vale? Ele nos telefonaria.
– Era para rir?
Não telefonou.
Enquanto isso, os preparativos em marcha e eu descobrindo outras coisinhas. Um arranjo de flores simples para a mesa podia custar entre 80 a 120 euros ( já estávamos no inverno ) mas se você dissesse que era para um casamento, mesmo caseiro e sem pompa, o preço saltava para 400 euros.
Eu queria um ramo simples na mão. Pois se era para uma noiva ele valia três ou quatro vezes mais caro.
Um bolo “de noiva” seguia a mesma regra, apesar de não haver por aqui nenhuma tradição de bolo como no Brasil, feito com frutas cristalizadas e vinho. Era um bolo normal, com uns cremes que eu detesto, com enfeites de bonequinhos. E desse eu não queria. Ora bolas, que absurdo! Resolvi mentir… disse que era uma comemoração caseira para os 25 anos de casada. Funcionou. Consegui tudo simples, bonito e com preços justos.
No final do mês estava tudo pronto e organizado, apesar das muitas outras gracinhas das bruxas. Uma delas é que tive que ir encomendar as sobremesas montada numa ambulância. Não, claro que não foi preciso apitar o tuim-tuimmmmmmm! Mas pareceu muito estranho à senhora que nos atendeu na pastelaria artesanal do pueblo mais próximo que eu tivesse chegado ali acompanhada por um enfermeiro de bata branca, com ambulância e tudo. Quase o mesmo que chegar de vassoura, né?
Talvez por isso ela tenha exigido o pagamento adiantado. Hahhahahahah!
Nesta época eu ainda estava rindo…
Aí… o sujeitinho da cozinha, justo aquele que resolveria tudo da comida, veio aqui e disse que não poderia coordenar o “evento” porque sua mulher estava para dar a luz a qualquer momento e poderia ser justamente naquele sábado.
Hum. Tá . Já sabíamos que não se podia garantir nada nessa minha história! Tínhamos dois dias para resolver o problema e vivemos no campo, longe DE TUDO. A lista de convidados já havia engordado para 110 pessoas, sentadas, querendo comer e beber. TODOS confirmaram, ninguém tinha qualquer impedimento!
Bom, claro que eu queria que viessem e estava feliz com isso, mas a festa estava muito maior do que havíamos imaginado no início e precisaríamos de mais ajuda.
Conseguimos três jovens que se ofereceram para trabalhar no sábado, mas seria necessário gente na cozinha no dia anterior. Feriado nacional, já disse! Tóin!
Pois sim… lá estariam as cunhadas e amigas hospedadas em casa. Não queriam ajudar? Ho ho ho… que tal?
Mas aí eu já estava com um motorzinho ligado dentro do peito e o riso soava completamente trêmulo. As lágrimas saíam com muito mais facilidade!

Quanto mais dificuldades enfrentamos, mas criativos nos tornamos, não é?
Pois sim. Um dia olhos-de-mar-azul acordou pela manhã com uma ideia. “Se os papéis não estiverem na minha mão hoje, vamos fingir que casamos. Falamos com Florentino e ele nos faz assinar um livro de mentirinha… e depois vamos lá e casamos de verdade.” “Que piensas de eso?”
Ele estava alucinando!? Como? Que loucura! Como vou fingir que estou casando? Como eu ia assinar um livro de mentirinha? Fingir diante da mãe dele, uma senhora de 85 anos, dos tios, irmãos e amigos que vinham de todas as partes da Espanha para um casamento de verdade?
Imaginei a cena do “Sim, eu aceito…” e me vi dando umas gargalhadas de engasgar, com os olhos rasos de lágrimas – VERDEIRAS! Que ridículo! Estaríamos representando! E pior, fazendo todo mundo de idiota.
NÃO! Assim não caso!
Mas era dia 4 de Dezembro e nada de papéis.

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , | 15 Comentários

Farra de Amor…

O banzo nem é por Pasárgada… tão linda e ensolarada!
Nem por seus mares mansos e mornos, nem pela água de coco verde bem embaixo da janela, nem pelos belos rios que a cortam em ilhas, nem pelas antigas pontes que cruzam suas águas ou os belos casarões que enfeitam suas margens…


O banzo é por eles, pelos queridos irmãos e amigos, pela bela e doce cunhada, bruxa das boas, com halo dourado sobre a cabeça e olhos amarelos como os de um gato na escuridão.
Ela foi uma das poucas a quem eu contei a troca de cartas com olhos-de-mar-azul. E naquele momento também foi a única que disse “vai dar certo, acredite, aposte, concentre nisso suas energias, não deixe a razão desviar seu coração…”
Ela é bruxa do bem.
Não a chamo de fada porque ela é feita de outro material e espírito e quem tem intimidade com bruxas e fadas sabe a diferença. Eu tenho e sei. Ela é bruxa mesmo. Das raras e muito boas. Tive sorte de tê-la por perto em momentos tão decisivos de minha vida.
Então… claro que eu acreditei nela. E nunca esqueço que cada vez que meu medo crescia e eu duvidava de mim mesma, do meu romantismo, dos meus sonhos, ela me aprumava na mesa da cozinha diante de uma xícara de café fresquinho e fumegante, um pedaço de bolo de fubá cheiroso e macio e, com voz doce mas segura e firme, tão firme que parecia saber mais, muito mais do que eu contava, dizia “eu sei que vai dar certo, confie e não disperse energia”. E parecia que qualquer dúvida se esfumava, desaparecia, perdia a força.
Pois sim…
Tenho banzo disso. Desse tipo de aconchego nordestino. Da cozinha dela com café e bolo de fubá.
Também tenho de outras cozinhas ou sofás de amigas, onde a conversa fluía lenta com tanta facilidade e sem qualquer preocupação por escolher palavras e esconder sentimentos. As expressões que em si mesmas já diziam tudo e que aqui não servem para nada. ” Vixe, eu heim! Pense numa pessoa troncha de saudade ! Tô até demente!” Ho ho ho…
Outro dia eu disse assim: « Tô querendo ir não, visse. Tô de banzo, dengosa, devagar quase parando… tô só querendo espalhar minha saudade pelos cantos da casa e escutar Lenine cantar… »
Depois vi que não havia trocado o chip e estava falando em perfeito pernambuquês e, claro, a outra pessoa não tinha entendido nada.
Nem dava pra traduzir.
Primeiro que eu nem sabia (ainda não sei ) como dizer isso em Espanhol, “Yo no estoy queriendo nada. Yo estoy…”
Desisti. Como se diz essas coisinhas da alma pernambucana em madrileño?
Deu logo vontade de chorar…
Ainda bem que falo Português com meu marido ( que chic e que estranho chamar meu prometido, meu amante, meu querido olhos-de-mar azul de marido! ) e para ele posso dizer essas besteirinhas, que não servem se forem ditas em nenhum outro idioma. E ele me responde em Espanhol, que eu também adoro e acho lindo. Não é uma maravilha isso? Nem um de nós dois precisa abdicar de seu próprio idioma, de suas expressões mais pessoais. Eu acho isso bárbaro!
Falo Espanhol com outros e me esforço em melhorar a pronúncia e o vocabulário, mas com ele falo em Português. Assim, quando ele chega no Brasil entende tudo e fala o que consegue. E já consegue muito!
Tem gente que assume tão completamente a cultura do país onde está que fala unicamente o idioma do lugar. Até os filhos educam sem ensinar o idioma de sua terra natal.
Tenho uma prima que vive nos EUA há mais de dez anos. Seu marido não sabe dizer nada em Português, exceto “obrrigaddo”. E sorri como se tivesse realizado um dos trabalhos de Hercules!
E seus filhos falam exclusivamente Inglês. Perguntei-lhe uma vez por que ela não falava com seus filhos em Português para que fossem bilíngues sem qualquer esforço e ela me respondeu que seus filhos eram A-me-ri-ca-nos e falavam perfeitamente o idioma de seu país. Aprenderiam Português se quisessem, quando fossem adultos.
Que “bourrrah” ! ( Leiam com sotaque, viu?)
Os pobres meninos quando vão ao Brasil não podem comunicar-se com seus avós, tios e primos. Dependem da mãe para tudo… e olham para o mundo como se ele – todo, inteiro – tivesse a obrigação de falar Inglês.
Desculpem os que defendem essa atitude, mas eu acho de uma burrice aterradora. Imaginem já ser bilíngue com três ou quatro anos de idade! Isso é uma maravilha para uma criança, desenvolve seu cérebro, ajuda a que ela comunique-se com sua família, abre seus horizontes. Ela não perde nada aprendendo os dois idiomas simultaneamente. Pelo contrário, só ganha!
Tá. Sei lá o que passa na cabeça desta minha prima. Deve ser algo marrom e fedorento… hhahahaha!
Tá bom… fui venenozinha, admito. Mas fico furiosa com brasileiros que saem de seu país e parecem ter vergonha dele. Esquecem os amigos, a própria cultura, as suas raízes.
Deixa para lá… eu estava falando do meu banzo, das minhas saudades…

Não era brincadeira quando escrevi, antes de viajar, que lá em Pernambuco cada amigo é rei. Cada irmão, cada amigo e até os parentes e amigos deles, que muitas vezes nem nos conhecem bem, nos abrem suas casas e seus corações tão completamente que nos sentimos em verdadeiros palácios feitos de amor.
O carinho com que todos nos recebem, a consideração, o desejo de abraçar, tocar, acarinhar, fazer dengos é uma característica constante do nosso povo. Que delícia! Lá a gente passa o tempo todo se tocando, dando as mãos, trocando beijos…
Uma farra de abraços e beijos era tudo o que eu queria da minha Pasárgada…
E tive!
E de quebra, ( vai dizer isso em Espanhol, vai! ) também os mares morninhos, agulhas fritas com cervejas estupidamente geladas, carne de sol com feijão verde e farofa, manteiga de garrafa, bobó de camarão, escondidinho de xarque, peixe fresquinho, patolas e casquinhos de carangueijo, cuscuz e munguzá, tapioca quentinha e bolo de rolo… e mais e mais… aí, ai, meu deus!
Que farra! Tanto a de carinhos quanto a de delícias culinárias!
Que mamão docinho, que abacaxi mel, que mangas macias e saborosas, que bananas mais lindas, que melões e melancias tão suculentas…
E sorvete ( sorvete de fruta! ) de cajá? De pitanga ou graviola ou mangaba??
Alguém sabe lá o que é TER E PERDER isso tudo de uma vez?
Dá banzo ou não dá?
Desta vez os amigos fizeram uma mesa que tinha até ingá, tamarindo, pitanga, carambola, umbu, cajú, cajá, cajarana, jaca, azeitona preta… A poupa, não! As frutas! Todas fresquinhas, vindas diretamente da feira de Jaboatão!
Cada uma trazia dentro do si um gosto de infância, uma lembrança da Princesa, outra do Lorde, do Janga de antigamente, da casa de Casa Forte, do sítio do Poço da Panela, dos pés descalços e sujos, das ruas de barro e mato, dos jardins perfumados por rosas e jasmins.
Um casal de amigos fez a festa do nosso casamento justamente aí, na casa deles, bem no meio do Poço da Panela. Tão pertinho do meu passado que ele estava todo alí! Meus queridos fantasmas espalhados entre samambaias, trepados nas palmeiras, rindo felizes…
Na brincadeira de jogar o buquê – que não havia – peguei um ramo florido de jasmim. Nele o cheiro inteiro da Princesa, não pensem que eu não sabia. Quando fiquei de costas e joguei a florzinha branca e cheirosa para o alto, todas as amigas tinham um ramo igual entre os dedos. Foi uma anarquia só. Todas se casarão no mesmo dia, para que eu possa ir! Gargalhamos juntas, numa alegria imensa só por isso, por gargalharmos juntas.
Dá banzo deixar esse mundo… esse rir junto aos amigos, esse dengo que eles me dão, esses abraços tão apertados no meio da rua, os beijos estalados, esse sentir a presença da própria história no ar, esse contar as coisas na língua de toda a vida!
Aí eu vim… cheguei aqui meio chorona. E tive a felicidade de ganhar um presente: fui convidada para um aniversário no Liceu de Belas Artes de Madrid, com dez brasileiras. Êbaaa!
Só conhecia pessoalmente a aniversariante, mas peguei um trem para Recoletos, caminhei por uma Madrid bela e primaveril para estar com todas elas, com muita vontade.
Adoro Madrid e sua gente. Mas desta vez foi como estar dentro de um mar morninho ou numa bela e aconchegante cozinha, tomando um café fumegante e trocando carinhos.
Só faltou o bolo de fubá.
Prometo que no próximo encontro não vai faltar.

Categorias: Memórias e Saudades | Tags: , , | 19 Comentários

O Amor Tem Cada Idéia..( Cap.20)

Florentino…
Chamava-se Florentino o sujeito escolhido pelo acaso – ou pelo destino – para casar-nos. Uma criatura delgada, de sorriso tímido e olhar úmido. Esse era outro Florentino, mas eu olhava para ele como se fosse o mesmo aquele da minha juventude… Queria imaginar que em breve ele não mais estaria aqui, num pueblo de 500 habitantes no alto de uma colina espanhola e sim navegando por algum rio do planeta, numa viagem sem fim com a sua Fermina.
Estávamos prestes a dizer o “sim, quiero”, olhos-de-mar-azul e eu, respondendo a uma pergunta deste Florentino, depois de todos os séculos que podem estar guardados nos quase 12 anos que vivemos, separados ou juntos, mas unidos num sonho comum de sermos felizes desde aquela primeira troca de olhares e sorrisos.
Nestes anos todos, também havíamos vivido um pouco de cada loucura e desespero dos amantes caribenhos…
Cada vez um de nós pôde ser Florentino, outra vez Fermina… eu até tive minha Tránsito Ariza e seu olhar infantil por dois largos e tristes anos!
Decidi fazer o que já estava querendo há algum tempo. Tirei outra vez o livro da estante. Recomecei a ler, pela quarta vez, O Amor nos Tempos do Cólera. Pela primeira vez em Espanhol. E foi como reviver os meus seis últimos anos nos cinquenta e tantos em que se desenrola o romance.
Mergulhei na linguagem mágica e emocionada de Garcia Marques, sentindo agora na própria pele o passar dos anos – e foram tantos – nas histórias nossas…
Vinte anos depois de ter lido o romance pela última vez era tudo tão diferente! Sabia muito mais agora sobre esperas, sonhos impossíveis, imagem amada colada na cara da lua, espelhos que guardavam segredos…
Guardei novas frases na caderneta da mesinha de cabeceira… grifei outras dores…reconheci como meus os artifícios do amor distante.
Trouxe um pedaço do livro aqui, como um presente para quem ama de longe ou para quem tem um amor do passado prisioneiro em algum espelho da casa…
“Certa noite entrou na Pousada do Sancho, um restaurante colonial de alto nível, e ocupou o canto mais afastado, como costumava fazer quando se sentava sozinho para comer suas merendas de passarinho. De repente viu Fermina Daza no grande espelho do fundo, sentada à mesa com o marido e outros dois casais, num ângulo em que ele podia vê-la refletida em todo o seu esplendor. Estava indefesa, conduzindo a conversação com uma graça e um riso que crepitavam como fogos de artifício, e sua beleza ficava mais radiante debaixo dos enormes lustres de pingentes: Alice tinha tornado a atravessar o espelho.
Florentino Ariza a observou à vontade e quase sem respirar, viu-a comer, viu-a apenas provar o vinho, viu-a tagarelando com o quarto Sancho da estirpe, viveu com ela um instante de sua vida sentado em sua mesa solitária, e durante mais de uma hora flanou sem ser visto pelo recinto vedado de sua intimidade. Depois tomou mais quatro xícaras de café para fazer tempo, até que a viu sair confundida com o grupo. Passaram tão perto que ele distinguiu o cheiro dela entre as lufadas de outros perfumes de suas acompanhantes.
A partir dessa noite, e durante quase um ano, manteve um assédio tenaz ao proprietário da pousada, oferecendo-lhe o que quisesse, em dinheiro ou em favores, para chegar ao que mais lhe apetecesse na vida, desde que lhe vendesse o espelho. Não foi fácil, pois o velho Sancho acreditava na lenda de que aquela preciosa moldura talhada por ebanistas vienenses era gêmea de outra que pertencera a Maria Antonieta, e que desaparecera sem deixar rastro: duas jóias únicas.

Quando por fim cedeu, Florentino Ariza pendurou o espelho na sua casa, não pelos primores da moldura e sim pelo espaço interior, que tinha sido ocupado durante duas horas pela imagem amada.”

Gabriel Garcia Márquez
Imagem: Somewhere in Time

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , | 8 Comentários

E Lá Vem História…( Cap 19)

Não deixaram… elas não deixaram.
As alianças ficaram prontas dentro do prazo, mas o jantar que eu havia prometido ao bom amigo que iria recorrê-las não se concretizou. Dois dias antes ele teve um sério problema de coluna que não o deixava mover-se. Isso significava não conduzir, não caminhar, não nada! Sua noiva nos trouxe as alianças numa tarde em que não estávamos em casa, deixou-as na casa dos vizinhos e apenas uma semana depois descobrimos o fato. Claro que o jantar foi adiado sem data prevista… para 2007.
As bruxinhas erraram o alvo e acertaram um amigo que só estava querendo ajudar.
Na verdade elas estavam se concentrando em outro departamento. Para começar, esfregaram as mãos na odisséia que tive de enfrentar para encontrar o que vestir. E começou no final do mês de Outubro.
Eu confeso que não estava muito preocupada. Esperava perder algumas quilos – Oh!My God! – incômodos antes de meter-me nos provadores das lojas espanholas, sem arrancar os cabelos e chorar desesperada com os tamanhos dos manequins atuais.
Mas, quando comecei a receber telefonemas de amigos e familiares, todos perguntando-me o que eu pretendia usar, comecei a preocupar-me em sério.
Cunhadas, amigas, primas e até a mãe do prometido estavam em polvorosa para saber o que a brasileira iria escolher para casar-se. Hum…tá.
No início eu respondia divertida que já havia comprado a coroa e só faltava decidir a cor do manto, mas como ninguém ria com a minha graça, comecei a pensar que elas estavam deveras assustadas com o que iriam se deparar no dia do casamento! Ho Ho Ho!
(Se eu fosse mais ousada, teria me fantasiado de algo, justo no dia anterior, só para assustá-las. Teria sido bárbaro! )
Então…quando os homens da família começaram a fazer-me a mesma pergunta, preocupei-me mesmo. Que coisa! Era assim tão importante saber ANTES o que eu iria vestir?
Pois sim.Parece que sim. Tomei a decisão de começar imediatamente a procurar meu vestido e criei mentalmente os requisitos: bonito, elegante, simples e nada a ver com o tradicional das noivas. E não muito caro, por supuesto!
Todas as amigas se ofereceram para ajudar-me. Bom. Muito bom.
Tentei com a primeira. Decepção total. Noventa por cento das roupas oferecidas nas vitrines das boas lojas eram negras, tons variados de marrom ou cores muito escuras, quase fúnebres. Os dez por cento restante era composto de grossos abrigos, botas de cano alto e blusões de lã.
Tá! Casar de preto ou marrom? Nunca!
Eu havia esperado demais. Estávamos já em finais de Outubro e todas as lojas estavam vendendo para o outono e próximo inverno. Isso. Inverno europeu, entenderam? Lã!
Aliada a essa condição ( que eu nem havia pensado ) estava a famigerada dificuldade de encontrar coisas bonitas do tamanho normal de uma mulher grande. E isso eu deveria ter recordado.
Além de não encontrar meu tamanho em qualquer loja, ainda há aquelas que decidem ter suas próprias medidas.
Agora não tem mais quem se entenda nesse mundo da moda! Quem disse que 38 é 38 em toda parte? Mentira! Minha filha tem roupas que variam de 36 a 42, vejam só!
E muitas lojas aqui se recusam a ter manequins maiores que esses. 42 é seu “tamanho G”.
Tamanhos 44 ou 46 de toda a vida, isso não! São grandes demais, deformam a prenda e não entram em suas coleções! E dpeois, nem pensar em ter esse tipo de clientes passeando entre seus corredores! Gordas dentro da loja? Que baixaria!
Já olham em pânico quando insistimos em entrar. E se você perguntar se há números maiores, lhe olham com uma carinha de ora, por favor, não se enxerga !?
Ora, por favor, não se enxerga digo eu. Fico indignada com isso.
Sabe o que é pegar uma roupa tamanho G e a danada não passar nem acima dos joelhos? Isso está dizendo que você não tem a menor chance de caber no seguinte tamanho, se houver, que já será EX.
Já sabem: Ex – mulher. Eu já escrevi sobre o assunto aqui antes, mas não acho muito repetir. Temos que lutar contra essa discriminação!
Um parêntese por favor.
(Agora há uma proposta do Ministério de Saúde da Espanha ( aqui )para igualar os tamanhos das roupas em todas as confecções. E incluir o tamanho 46 na coleção normal e não “especial” como está hoje. Claro, como o tamanho 46 atualmente é considerado especial isso significa, fora do padrão normal, então ele pode ser muito mais caro.
Isso é irreal! A maioria das mulheres grandes usa 44 ou 46!
Vamos esperar para ver no que essa proposta vai dar! Tomara dê mesmo certo.Outro dia vi na TV que estão pesando e tirando as medidas de uma quantidade enorme de mulheres NORMAIS para redesenhar os padrões da mulher espanhola. Sí!
Tá bom, sou brasileira, mas pelo menos vou poder saber qual é meu número de verdade!)
Sim, mas meu problema continuava aí e era urgente encontrar algo! Estava a apenas um mês e meio de meu casamento e não encontrava nada que eu pudesse vestir justamente no dia em que todo mundo estaria olhando TUDO em mim!
Mandar fazer uma roupa a essa altura do campeonato seria uma grande tolice. Nunca deu certo comigo essa coisa de “mandar fazer”. Nunca saiu do jeito que eu imaginei que saisse. E o pior: tinha que pagar mesmo se não gostasse. Vestir sem gostar é terrível, né não?! Imagine no dia do casamento.
Claro… também nunca fui a Dior. Nem iria agora. Passei pelo outro lado da calçada! Ho ho ho! Preço também era um fator para ser levado em consideração, embora eu estivesse disposta a gastar mais do normal em função da ocasião.
Já recordada de todas as dificuldades que teria, comecei a procurar nas lojas onde havia menos probabilidades de me enforcar nas cabines de provas ou sair com cara de choro de algumas delas. Coisa não muito fácil, já que conheço poucas e sair de compras não tem sido um esporte muito praticado por mim nos últimos anos. Fora o mercado, onde me divirto, só compro em lojas esportivas ou no Corte Inglês. Nunca saio pelas lojas de Madri.
Então…
Casar exigiria um esforço extra não é? Sim, claro. Alguém poderia querer vestir outras cores durante o inverno, não é? Sim, claro. Bastaria ter paciência e procurar! NÃO É?
Sim, claro que sim. As jovens ou as magras. Essas podem usar vermelho, bege, rosa, azul ou verde no inverno. Vermelho sangue de touro, tá? E de alcinha, com um leve bolerinho transparente sobre os ombros.
Mulheres maiores que G tem que usar negro ou marrom. E pronto.
Ah! Também tinha muita coisa em “oncinha”, “leopardo” ou “zebra”.
Oh! comecei a rir diante das vitrines, meio histericazinha, admito.
Que tal a brasileira aqui vestida de oncinha no dia de seu casamento? Heim? E de índia? Gosta não? Bem que eu tinha uma fantasia lindona de índia nos meus antigos tempos dos Carnavais de Olinda!
Oh! Deus! Era preciso rir um pouco, senão o desespero entrava com todo o gás!
Mas se não o desespero, entrava sim, um imenso desânimo!
Minha amiga e eu começamos a futucar as lojas em busca de qualquer outra cor. E o que encontrávamos, sempre no setor “festas” – o que significa setor muito mais caro – era em cores estranhas como azul-pavão-com-riscos-dourados e bordado de pedras “preciosas”. Para casar de manhã? Fantasiada de pavão misterioso?
Tá. Então… que tal granate-cor-de-sofá, com panos e panos dobrados… que me deixava igualzinha ao antigo sofá da casa de meus avós, enorme e amarfanhado!
Não? Então prova essa saia cor-de-chocolate-derretido, mas que tem uma blusa estampada-com-cores-de-frutas-cristalizadas-também-bordada-com-fios-dourados, muito natalino, muito natalino!
Nãooo??? Ora, por que não provar para ver como é que fica? Perguntava a amiga, já impaciente. Comecei a ter vontade de correr, desistir. E casar de jeans e camiseta. Ou quem sabe, arriscar fazer a brincadeira do manto e da coroa, mais fáceis de achar, aposto!
Respirei fundo e tentei outra vez. Tá. Provei uma saia ( marrom, só para satisfazê-la ) e uma blusa branca com bicos bordados nos punhos e na gola. A blusa me transformava num liquidificador coberto por uma batinha de bicos, que minha mãe adorava e aumentava em dois números o tamanho de meus seios. A saia me transformava num baú de loja de antiguidades coberto por uma manta de babados de tafetá.
Eu disse que não havia gostado, que parecia deixar-me velha e barriguda. Então a minha amiga encolheu os ombros, fez uma carinha de “e daí? ” e disse: “Mas você é assim, querida. Que fazer se você tem barriga?”
Tóin! Respirei umas dez vezes, antes de responder com alguma educação e uma vontade interna de chorar ali mesmo, que se eu não tivesse bunda nem peito, não escolheria uma roupa que acentuasse isso. E que ter alguns anos a mais do que ela não me obrigava a usar roupas que não me deixassem elegante ou que me fizessem parecer muito mais velha e muitíssimo mais gorda.
Se é que tenho, AINDA, esse feminino direito!
Gemi. Tirei a roupa e não quis provar mais nada. Queria apenas ir para casa e pronto. Outro dia tentaria outra vez. Naquele dia não podia mais.
Pois sim… na saída vi algo que me chamou atenção, mas a raiva não me deixou parar e procurar meu número. Claro que não devia haver!
Ainda saí com outras duas amigas e cascavilhamos Madri, mas nada me agradava. Algumas roupas tinha preços exorbitantes para uma coisa que nem havia caído bem em mim, outras não tinham meu tamanho e outras eram horrorosas mesmo.
Imaginem só, pagar uma fortuna para ficar bem feia e gorda no dia do meu casamento com olhos-de-mar-azul. Nem morta!
Criei todas as fantasias negativas. Imaginei seus amigos perguntando-se o que ele havia visto em mim, sua família balançando a cabeça de um lado para o outro, sem entender como se casava comigo, minha filha com carinha de “está tudo bem, mãe! o que importa é que você está feliz!” Pronto. Fiquei com um mal humor desgraçado e comecei a ter insônia. Todos as noites.
Tive até vontade de voltar a fumar. Juro!
Tentei procurar na Internet endereços de lojas especializadas em Noivas e Madrinhas. Que boa idéia, heim? Oh! sim, esquece! As noivas todas tem 20 anos, vestem vestidos bordados e apertadinhos, longos e brancos.
E as madrinhas? Só existem dois tipos: as que tem 55 quilos e podem usar cores bonitas em vestidos alegres e bem cortados e as senhouras gordas, que devem – todas – gostar de vestidos duas peças, sem forma, de cores escuras e com pedrinhas bordadas no cangote!
Ah! E que custem os olhos da cara!
Quem disse que gordinhas gostam de ficar feias? Quando? Onde isso?
Não quero mais casar!
Entrei em pânico!
Dei um tempo. Fui fazer outras coisas até passar a agonia. Fui à Barcelona para visitar a Virgínia, imaginar nosso futuro barco a vela no Salão Náutico e assistir um concerto de José Luís, meu enteado, numa apresentação única na Espanha da Orquestra Verbier.Que delícia de programa!
Psssit! Leia bem baixinho! Não resisti e dei uma olhadinha nas lojas. Tudo marrom e preto. Tá.
Voltando a Madri saí com Anlene. Rodamos um dia inteiro por todas as lojas que ela conhecia, até que entramos no Corte Inglês, numa das lojas da grande rede espanhola. E lá estava. Era um conjunto gracioso e feminino, composto por uma saia leve, estampada de tons groselha e cereja e um casaquinho de algodão crú, cor de cereja, lindo. Era justamente aquela roupa que eu havia gostado naquela primeira tentativa frustrada citada aí em cima.
Se eu havia gostado dela naquele primeiro dia, imagine o quanto estava gostando agora! Depois de tudo o que havia visto e provado, ela me parecia simplesmente bárbara!
Vai ser essa, decidi.
Tinha meu número! Vibrei. Escolhi uma camisa de seda branca para usar por baixo do casaquinho e fui feliz para o provador. A saia era do meu tamanho, mas o casaquinho não dava em mim. Ficava meio apertado no braço “Uchôa de Medeiros” ( leia-se “de lenhador” ) que eu sempre tive. Que inferno! Senti-me como a irmã malvada da Cinderela provando o tal do sapatinho de cristal. Queria cortar metade do braço, para que ficasse bem. Oh! Por favor!
Pedi um número maior à vendedora. Ela disse que não tinha. Aquele era o último. Mentira! Impliquei. Agora eu não ia desistir fácil. Pedi a vendedora que tentasse chamar as outras lojas para ver onde ainda poderia haver meu manequim. Ela disse que não ia adiantar, que já havia tentado para outras clientes e não havia mais nenhum em toda Madri! Insisti que tentasse outra vez. Ela teimou que não. Eu já estava com vontade de avançar no telefone e chamar eu mesma…
Pensei em procurar o supervisor, o gerente, o que fosse. Então tive uma idéia: pedi-lhe que chamasse a loja central de Barcelona, pois ali minha amiga podia comprá-lo para mim. Ela fingiu que concordava. Saiu. Me fez esperar meia hora e voltou triunfante. Em Barcelona também não tinha. Riu, satisfeita de sua vitória.
Não acreditei. Claro que não acreditei!
Filha de uma… criatura sem sentimentos… sua… pensei tudo que podia pensar de de ruim sobre a vendedora. Miserável, imprestável! Fiquei olhando para ela, muda de impotência. Fuzilava-a com meu olhar. Mas ela ria feliz. No hay!
Anlene salvou-a de morrer estrangulada entre meus dedos. ( Ela não estava histérica, conseguia pensar.) Sugeriu que eu comprasse a saia e a blusa e anotasse a referência do casaquinho. Se não o encontrasse em outra loja da rede, podia devolvê-las e receber o dinheiro de volta. Achei a idéia boa. Valia tentar. Isso significava que tínhamos, ambas, a certeza que a bruxa mentia e que havia ainda alguma possibilidade.
Pois sim. Comprei as duas peças e tomei o trem para casa. No caminho fui escrevendo num caderno uma rede de amigas espalhadas pela Espanha que poderia procurá-lo para mim. Barcelona, Málaga, Algeciras, Cádiz, Bilbao, Guadalajara, Zaragoza… etc.
Agora eu queria casar com aquela roupa. Só desistiria se não houvesse NENHUMA chance.
Na estação de trem perto de minha casa, o prometido me esperava. Contei-lhe meus planos. Detestei a idéia de voltar para casa com meia-roupa, faltando apenas um mês para o casamento e já sabendo que agora é que seria impossível gostar de outra.
Sou assim, quando implico com um vestido já me imagino com ele e não consigo me ver em outro. É horrível, mas é assim!
Olhei para cima para soprar meu cansaço e vi a placa inconfundível da loja brilhando no alto. Lá estava, bem diante de mim, a primeira loja onde eu havia vislumbrado o tal conjunto. Antes de acionar a rede de amigas na busca e captura do casaquinho cereja, eu decidi conferir a mentira da bruxa, pessoalmente!
Em 5 minutos estava dentro da loja. Dirigi-me ao andar de roupas femininas com determinação e muita esperança, por favor… por favor… por favor…
Encontrei a marca que eu queria e o vi. Sim! Sim! Siiiiiiim!
Não podia acreditar no que estava vendo, mas lá estavam! Cinco casaquinhos iguais pendurados nos cabides. Cinco! Em todos os tamanhos. To-dos.
Rá! Pulei sobre o meu, vesti-o com incrédula alegria. Bingo!
Meus olhos e meu sorriso saltavam do rosto e bailavam pela loja em plena felicidade. Que fada madrinha eu tenho! É certo que me deixa sofrer um bocado, mas no final a danada transforma trapos em sedas!
Obrigada! Obrigada!!! Comprei-o imediatamente, com o coração palpitando como um tambor. Tum-tum-tum…
No andar de baixo da loja ainda dei de cara com o sapato que faria um par perfeito com o conjunto. Por metade do preço de todos os que eu havia visto até aquele momento! Saltos perfeitos, cor de ouro-velho, meu número.Rá!
Bingo outra vez!
Bingo! Bingo! Bingo! Ho ho ho! Nem bruxas nem nada… tudo dentro da sacola. Roupa completíssima!
Era dia 9 de novembro. Faltava exatamente um mês para o dia D. Agora eu podia relaxar e começar outra vez a brincar de coroa e manto com quem me perguntasse o que iria vestir.
Tranquila, heim?!
Pois não!
Não sei como, nem por que… invadiram-me uns medos. Começaram as confusões e as brigas…
Depois de quatro anos juntos numa paz e felicidade até fora de moda… estávamos brigando? Como assim?
Pois então nada de casar!

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , , | 9 Comentários

Entre fadas e bruxas. (Cap. 18 )


Quando eu percebi que elas haviam descoberto nossos planos, fiz tudo para agir na surdina… Tentei ir devagar, sem dar muita importância o fato. Afinal casar com olhos-de-mar-azul nem estava mesmo em meus planos iniciais. Viver com ele até o final de meus dias, sim. E talvez fosse mais fácil alcançar meu objetivo sem casar, dizia meu cérebro, amassado pelos anos de solidão em que via tantos casados traindo-se mutuamente, agredindo-se com palavras e atos, sentindo-se amarrados, presos, infelizes e sonhando desesperados com a liberdade. Isso, em geral, eu não via nos casais que viviam juntos apenas porque se queriam, sem o laço oficial da instituição civil ou religiosa.
Tá bom. Posso estar exagerando. Mas eu admito que tinha um medinho de casar de novo…
Entretanto, meu coração era todo mel… e estava tão feliz, enamorado, sonhando em dizer “sim, te quiero” aos olhos mais adoráveis e ao sorriso mais encantador que já encontrei em toda a minha vida, que jogava o medo para o fundo do baú.
A felicidade exige alguns riscos, pensei “fadinha boa”. E chorei desconsoladamente quando, finalmente, fomos entregar os papéis ( difíceis papéis!) ao encarregado do registro civil de Alcalá de Henares e o departamento estava fechado por “vacaciones de verano“. Inacreditável!!!!
Pois sim…
Tivemos que esperar o final do verão para que reabrisse, apenas uma semana antes do final do meu prazo de validade dos documentos e no dia 13 de setembro, depois de uma fila enoooorme, na calçaaaaaaada, com um papelzinho na mão com o número 79 ( sim, isso mesmo), conseguimos sentar diante de um sujeito muito bronzeado, levando duas testemunhas e toda a papelada exigida.

Aí o”gnomo” recebeu tudo, olhou, olhou, olhou… e disse: Tudo bem, tudo certo.
Respirei pela primeira vez em cinco minutos. Mas por que vocês não levaram isso para Santorcaz? Teria sido tudo muito mais simples. Agora, vou ter que mandar os papéis para a prefeitura de lá e daqui que passe um mês de proclamas, que me devolvam, que eu mande para Madrid, que me devolvam… etc. Vai levar uns dois meses!
Perdi o ar de novo. Encarei a criatura com surpresa. Em Santorcaz nos disseram que tudo tinha que ser feito por aqui. Ele nos interrompeu, sorrindo, o desgraçado, ahhhh! como as informações são difícies com essa gente! Tcs.Tcs!
Saí de lá com vontade de voltar em Santorcaz e enforcar a mocinha, que por pura preguiça ou simples falta de interesse em informar-se melhor, havia feito com que eu perdesse quase um mês da validade de meus documentos. Respirei. Não, bufei como um touro bravo! Engoli meus intintos homicidas e resolvi esquecê-la e partir para os seguintes passos a serem dados.
A contar dos dois meses que o “gnomo” nos deu, em 13 de novembro teríamos tudo pronto, então somamos mais um tempo de segurança e marcamos o casamento para 9 de dezembro. Meio frio, mas não tínhamos outra opção.
Comemoramos, junto com meu aniversário, com uma bela viagem de final de semana pelos pueblos medievais de Sória, a convite de um casal de amigos. Estivemos em lugares espetaculares de se ver e estar. Tenho fotos incríveis dos castelos e muralhas medievais, ermitas românicas e igrejas templárias. Aproveitei e disfrutei com gosto e vontade da fantástica gastronomia! Vinhos Ribeira Duero incluídos. Mas esse é outro post, verdade?
Quando voltamos desta viagem eu estava disposta a começar uma dieta organizada, com médico, medicamentos, o que fosse necessário, desde que no dia da boda eu estivesse um pouco mais leve e com a auto estima mais elevada. Tinha quase três meses pela frente e queria estar bonita naquele dia, oras! Afinal seria o alvo de todos os olhares.
Mas, como eu disse antes, elas escutam tudo que eu penso. E preparam armadilhas infalívies.
Em Sória já havia me “despedido” das iguarias e vinhos ( Que comida, meu Deus!) e estava pronta para fechar a boca e só abrir no Natal.
Rá! No dia 20 de setembro lá estava eu na Galícia, para uma semana de comemorações dos 25 anos de formatura do meu “prometido”.
Agora era assim. Fui apresentada a todo mundo como “a prometida”. Ho ho ho!

Sabe que eu gostei? Toda vez que escutava meu novo título abria um sorriso daqueles! Embora tenha percebido uma ou outra careta de surpresa.
Algumas pessoas que frequentaram o passado de olhos-de-mar-azul imaginavam que, só porque ele estava vivendo com uma brasileira, ela deveria ser – com certeza absoluta – uma bela e JOVEM MORENITA, de 22 anos mais ou menos, com grande bunda sob a mini saia verde-amarela e que andava sambando pela rua.
Ah ah ah ah ah!
Olhavam para mim e para ele com uns olhos abertos de Como assim?
Devo dizer, sem medo de errar, que a grande maioria dessas carinhas idiotas foram femininas. Os homens, e sei que alguns pensaram o mesmo, disfarçaram melhor. Mas as mulheres nunca o conseguiram.
E a grande decepção, quase geral, foi quando me convidaram para sambar e eu disse que não sabia.
Heim?! Uma brasileira que não sabe sambar? Falsier, na certa!
Eu morria de rir por dentro. Mas estava tão tranquila que não fiz sequer meio esforço em parecer o que não era, só para agradar a platéia.
Então… entre mais de cem pessoas novas, muitas se aproximaram e estabeleceram uma conversação tranquila, educada e inteligente. As que não quiseram conhecer-me eu simplesmente apaguei do cenário. Estava tão feliz por estar ali, com ele, comemorando um momento tão bonito de sua carreira, que o resto era resto. Trocávamos olhares e sorrisos cúmplices, sorríamos carinhosamente, dançávamos como dois apaixonados. Aproveitamos todos os momentos para estar felizes.
Esta tem sido nossa escolha. Sempre.
As bruxas trabalharam bem naqueles dias e comi tudo de gostoso que a Galícia pode oferecer. E é muito! Vinhos Albariño incluídos. Num dos passeios pelas ruas estreitas de Combarro, uma senhora que vendia recordações da Galícia, bateu palmas quando eu passei. E dezenas de bruxinhas de brinquedo começaram a mover-se e dar risadas malígnas. Era tão engraçado que comecei a rir também! E de repente me vi ali, gargalhando alto com trocentas bruxas. Seria um sinal?
Saí dali depressa. Eu heim!
Também as fadas estavam despertas e estive ma-ra-vi-lho-sa nas roupas que escolhi para as festas. Assim que nem liguei muito para a dieta, até que um dia tive que dar um basta. Meu estômago começou a queixar-se de tantos mariscos e tive que parar. Ufa!
Salva pelo gongo. Não engordei nem uma grama, mas também não emagreci nada.
Minha médica brasileira enviou-me uns medicamentos pelo correio que me ajudariam na luta contra a ansiedade e a vontade de comer qualquer coisa que estivesse na geladeira, mesmo sem fome e eu estava contando que iria encontrá-los esperando-me quando chegasse em casa.
Nada. Não estavam e nunca chegaram! Sumiram no éter!
Nem eu os recebi aqui, nem ela sabe por onde estão. As bruxas devem estar magérrimas voando por aí, mas aqui nunca chegaram as pílulas que me salvariam da histeria pré- casamento que se instala e desenvolve-se a rédeas soltas em qualquer mulher. Juro.
Começou Outubro e com ele veio o outono. Época linda e tranquila para caminhar pelo campo, tentar comer pouco, aproveitar os dias frescos para boas e largas caminhadas, as noites mais longas para planejar a festa do casamento, pensar nos convidados, na comida que iríamos oferecer, a bebida, os doces…
( Pausa para um comentário em voz baixinha: Que merda ter que pensar nisso justo de noite, a boca se enchendo de água e o estômago – bem acostumado aos vinhos e delícias espanholas – pedindo algo parecido e rejeitando, com escandalosos ruídos, o iogurt de cereais Urgh!< Peloamordedeus que tortura! )
Então… Melhor pensar que estaria mais magra e melhor na roupa que usaria e…
Roupa!!! Trrrrimmmm! Saltou o alarma.
Tinha que começar JÁ a pensar em algo.
Mas não era melhor emagrecer um pouco antes de começar a provar o que fosse, pensei como “bruxinha”?
Achei melhor esperar o final do mês para começar a provar roupas enquanto imaginava o que gostaria de vestir no dia do meu casamento. Algo suave e leve, com movimento e classe. Sim, mesmo no inverno! Nada de vestido de noiva, por supuesto.
Mas esse negócio de casar com nenhuma cara de noiva também não me agradava.
Havia estado no casamento de uns amigos há alguns anos atrás e o casal, apesar de feliz e apaixonado, não demonstrava sequer um tracinho leve de que era um par de noivos . Nem alianças trocaram!
Tudo bem que era um casamento apenas no civil, mas achei que podia ter um pouquinho de frisson, um pouquinho de romance. Que custava?
Alianças??? Trrimmmm! Soou outro alarma! Eu queria alianças, por supuesto
Avisei ao meu prometido. Assim… devagarzinho, dando por fato consumado que haveria alianças. Técnica aprendida com a Princesa. Era tiro e queda! Aproveitei uma noite em que escrevia meus planos no caderno e perguntei onde as compraríamos.
“Eu não posso usar aliança”, ele respondeu. Explicou que já havia visto alguns oficiais marinheiros perderem o dedo em manobras nos barcos por causa delas.
Bien, entonces la mia vai poder ser más bonita y más cara!” Sorri inocente, em meu Portuñol.
Saímos para comprar A aliança em Madrid. Era uma noite maravilhosa e fria do outono madrilenho e elegi uma roupa com cuidado. Era uma noite especial, merecia detalhes. Na joalheria escolhi um modelo moderno, de ouro rajado e ele um outro, de bordas arredondadas e que não enganchava em nada. ( Oh! ) Encomendamos as duas.
O vendedor nos olhava surpreendido. Era a primeira vez que um casal encomendava alianças diferentes. Eu sorria de boca inteira.
Que passa? Cada um escolhe a que mais lhe agrada, ou não? Somos diferentes, ora! Mas pelo menos são DUAS!
Saímos para comemorar! Vinhos Rioja incluídos! Um amigo nos ofereceu seu apartamento em Madrid e não voltamos para casa àquela noite.
Que noite fantástica! Eu estava realmente me sentido uma noiva de verdade, com romance colorido e tudo! Muito mais do que na primeira vez que me casei. Que divertido isso! Estava me sentindo leve e completamente relaxada, como se caminhasse a meio palmo do chão. Coisa mais linda e mais gostosa não há que a felicidade das pequenas coisas.
De repente estar caminhando de mãos dadas com ele, o meu ELE, sentindo o ar frio no rosto, percebendo as calçadas cheias de gente, as vitrines iluminadas, as luzes estratégicas dos enormes prédios neoclássicos chamando atenção para as bordas cheias de esculturas, respirando os cheiros dos bares de tapas… era a felicidade perfeita.
Depois de jantar com nossos amigos, eles se foram e deixaram a casa só para nós. Ficamos na saleta do apartamento tomando as últimas copas, recordando os sonhos escritos nos anos em que estivemos nos correspondendo, descobrindo satisfeitos que estávamos transformando todos em realidade e que esta estava saindo ainda melhor do que tínhamos podido imaginar.


Recordei algumas noites em que estive diante do computador, escrevendo mais uma das enormes cartas em que desejei com toda a força do meu ser passar com ele uma noite como aquela.
Recordei o gostinho amargo de solidão que podia guardar uma taça de vinho tinto tomada diante da minha pequena janela de Boa Viagem, numa noite de brumas.
Recordei como desejei estar entre seus braços e que gosto bom deveria ter um Rioja bebido na mesma taça!
Recordamos trechos que havíamos escrito com os detalhes do futuro que queríamos para nós e tomamos plena consciência da alegria que estava sendo descobrir que havíamos ajudado um ao outro a escrever nosso destino.
Era a noite de 16 de outubro. Dentro de um mês as alianças estariam prontas e nossos amigos as recorreriam e nós os convidaríamos a jantar.
Se as bruxas deixassem…

Categorias: Coisas de Amor, Corpo&Alma de Mulher | Tags: , , | 20 Comentários

Elas descobriram…(Cap 15 )


Quando olhos-de-mar-azul perguntou-me se eu “casaria com ele” eu ri, meio assustada. Que pergunta!
Mas com ele eu faria qualquer loucura, inclusive casar-me! Disse sim com um sorriso que não cabia no rosto. Ele recostou-se, sorriu satisfeito e não disse mais nada.
Como assim? E o pedido? Perguntar se eu me “casaria” com ele era apenas investigar uma possibilidade. Assim não vale!
Encostei mais perto e perguntei:
– E você, casaria comigo?
– Por supuesto que si!
– De verdade? Assim, no papel?
Claro. En el papel. No resto já estamos cassados. (Eu adoro quando ele fala Portunhol com um sotaque gostosíssimo!)
Mas no fundo tremi um pouco. Esse negócio de casar sempre me assustou. Nunca casei no papel. Meu casamento anterior foi só no religioso. Havia um consenso entre nós para não perdermos uns benefícios econômicos que eu tinha, herdados do Lorde. E assim foi. Depois, para separar-nos, foi muito fácil. Ele ficou com tudo, apesar de termos dividido todas as despesas, sempre. E eu saí com a minha filha, meus livros e discos… minhas duas trêmulas e desconhecidas pernas e um desejo incomensurável de ser feliz.
Êi! Mas agora era diferente. Nada de medos! Eu nunca fui tão feliz em toda a minha vida. Os danados dos papéis podiam ajudar-me a ser gente fora de meu país! Era, inclusive, a forma mais simples de consegui-lo. E para ele também haveria um peso positivo no âmbito profissional, embora o mais importante fosse casar-nos apaixonados a essa altura da vida. Era muito mais do que qualquer sonho romântico que tivéssemos alimentado antes de vivermos juntos. Voltei ao assunto.

– Bueno,e o pedido? Perguntei.
– Hum? Que pedido?
– O pedido! Quero que me peça em casamento. Falei sorrindo.
– Hahahahahahhahaha! A gargalhada dele foi linda.
– Era un pedido! Afirmou, com cara de surprêsa.
– Não. Era só uma pergunta. Não valeu. Insisti mais ou menos insegura.( Porque será nos incutiram por toda a vida que este momento tem que ter um traço renascentista?)
Mas eu sou renacentista! Que é que tem? Algum problema? E Ainda bem que ele não veio com aquela história de “eu estava só brincando.”
Levaria um tufo no olho. Juro!
– Quieres casarte conmigo? Perguntou sorridente. (Eu também adoro quando fala em Errpañol! )
– Vou pensar. Respondi. Hahahahahhahaha! Era minha vez de gargalhar! Que delícia! Mas não exagerei na brincadeira. Respondi dois segundos mais tarde…
– Pois… já pensei. SIM. SIM…Seria lindo poder casar com você.Quando? ( Que coragem! )


Era quase inverno. Haviam coisas a fazer antes. Ele disse que seria melhor esperar a próxima primavera. Daria tempo de enfrentar-nos à burocracia e seria uma bela época. Clima ameno, flores por toda parte… Concordei.
Em Janeiro comecei a mexer com os meus documentos, pois como eles tem um prazo de validade muito reduzido não se pode antecipar demasiado os trâmites. Pedi a um dos meus irmãos que providenciasse uma certidão de nascimento original e reconhecida. Simples. Até dei para ele o número do livro, da página, etc… etc…
Depois era necessário mandar para o Ministério de Relações Exteriores, em Brasília, para uma validação, e finalmente enviar para o Consulado Espanhol, em Salvador, para um reconhecimento da validade.( Recife não tem Consulado da Espanha, só uma Representação Consular.) De volta às suas mãos, que enviasse-me por Sedex. Era preciso cuidar das datas. Quando isso chegasse aqui já estaríamos em Março…quase Primavera.
Depois de alguns dias sem dar notícias meu irmão disse-me que precisava de uma procuração. Liguei para a Embaixada do Brasil em Madrid, onde trabalha uma amiga e ela disse que não era necessário procuração alguma e que alguns despachantes pedem até por telefone!
Claro, ele nem tinha ido no cartório ainda quando perguntei pelo andamento do documento. Insisti que ele podia retirar a certidão sem a procuração e ele disse que iria “tentar outra vez”. Dias depois ele me mandou um e-mail afirmando que o número do livro estava errado pois haviam encontrado outro nome no lugar do meu.
Como assim?
Confirmei tudo o que havia dito, escaneando a certidão que tenho comigo. Esperei mais uns dias, nem lembro quantos. Então, ele me escreveu que o cartório havia sofrido um incêndio e alguns registros estavam confusos, mas que havia conseguido retirar a minha certidão.
Uff! Um passo tão pequenino e demorou mais de um mês para ser dado.


Aí… foi chegando o Carnaval e ele disse que agora só podia mandar para Brasília depois desta época… que, “sabe como é, está tudo parado…” Alertei para a data e o prazo de caducidade. Tá.
Fiquei sem resposta até muito depois do Carnaval.
Em Março ele disse que ia mandar para Brasília, mas estava com muitos problemas no trabalho e sempre esquecia. Enquanto isso, nós aqui decidimos adiar a época do casamento para o verão. Os papéis de Pepe também estavam atrasados. Tudo bem. Relaxei. Seria mais uma vez num verão! Como sempre na nossa história!
Em Abril ainda não tinha qualquer notícia e aquele pedaço de papel não valia mais nada. Era melhor começar de novo. Meu irmão desapareceu. Escafedeu-se.
Em Maio ele retirou outro documento ( ou teria sido o primeiro de verdade?) e depois de remanchar mais um tempo, enviou-o para Brasília. Pelo menos foi o que me disse.
Em Junho recebi a certidão em Madrid e fui imediatamente ao Ministério de Relaçãos Exteriores daqui para validá-lo, antes de enviá-lo para uma tradução juramentada.( Essa é outra exigência do Cartório Civil. Tudo tem que ser traduzido por profissionais autorizados. Caríssimo! )
Bueno, pelo menos ali me atenderam muito bem, MAS o documento não valia nada porque faltava o selo do Consulado da Espanha.
Como assiiiim? Voltei para casa decepcionada. E com raiva também! Muuuuita raiva!
Decidi pedir ajuda à uma amiga de Recife e ela concordou em ajudar-me. Mandei o documento por Sedex para que ela agilizasse o selo do Consulado. Aí ela me mandou um e-mail dizendo que faltava também o selo de Brasília.
– Heim??? ( Leia isso muito alto!)


Sim, ela disse que não havia selo nem do Ministério, em Brasília, nem do Consulado, em Salvador e – por causa da data – era melhor pedir outra certidão, pois essa já estaria vencida quando voltasse para mim.
Oh! As bruxas… elas descobriram! Eu sabia que deveria ter dedinhos delas nesta confusão toda.
Começar de novo? No final do verão???
Liguei para o outro irmão, pois nem queria falar com o primeiro para não triturá-lo com minha raiva. E este, mas do que prestativo, disse que “sim, claro que sim… não se preocupe!” Nem contei para ele o que já havia acontecido. Eu queria apenas que ele tirasse a certidão nova no cartório e depois entregasse-a a minha amiga. O resto era melhor deixar com ela. “Sim.. sim… claro”. Concordou imediatamente. Mas quando eu perguntei se ele podia fazer isso no dia seguinte ele se assustou.
– Amanhããã?
– Sim, amanhã.
– Amanhã não vai dar. É o jogo!
– Que jogo?
– O jogo do Brasil, minha filha!
– E a que horas vai ser o jogo? Perguntei engolindo a raiva. Tenho cada parente!
– Às 4 da tarde. Mas sabe como é dia de jogo, né? Está tudo fechado!
– E cartório também?
– Também.
– E você não pode ir de manhã cedo?
Ele esfriou a voz e respondeu muito formalmente.
– Não se preocupe que eu vou resolver o SEU problema, tá! Você está ME pedindo um favor, não é? Pois vou fazer assim que EU puder.
Que impotência! Que vontade de gritar! Xingar a mãe dele! ( Mas ela era a minha também!) Não quero mais brincar de “irmãzinha querida, estou com saudade! “
Ele nem sequer estava trabalhando para poder botar a culpa no trabalho e na falta de tempo. Copa do Mundo. Jogo do Brasil. Tá.
QUATRO DIAS DEPOIS ele entregou o documento a minha amiga.


Enquanto isso eu já havia contactado com a BethS, de Brasília, minha amiga virtual, que nunca me viu mais gorda ( nem mais magra ) para receber o documento em sua casa e ir pessoalmente ao Ministério. Seria muito mais rápido do que resolver pelos caminhos do correio oficial. E ela, que nem é minha irmã, disse que faria tudo sem problemas, no mesmo dia que recebesse o envelope. E ainda era Copa do Mundo!
Trocamos e-mails entre as três, mas uma não recebia as mensagens das outras… e sem explicação plausível.Simplesmente não recebíamos todas as mensagens trocadas…
Finalmente, Beth recebeu um envelope selado que precisava ser aberto diante de um tabelião, pois senão perderia o valor, além da minha certidão e me perguntou o que era aquilo. Eu perguntei à minha amiga de Recife, que mandou a resposta direto para Beth e eu fiquei sem saber a resposta até hoje. Também nem perguntei mais… Ela conseguiu selar a certidão e devolveu para Recife em um tempo record! Maravilha!
Sem palavras para agradecer tamanha gentileza e disponibilidade da Beth, que teve que ir duas vezes ao ministério! Muchíssimas gracias, querida!
Depois disso, minha amiga de Recife resolveu a parte do Consulado, em Salvador, e o documento partiu para a Espanha bonitinho, como devia ser. E, detalhe da minha amiga, já traduzido. Outra maravilha!
Sem problemas no MRE espanhol, em 5 minutos estava validado. Agora só faltava ir ao Consulado do Brasil, em Madrid e recorrer a carterinha de inscrição consular, já solicitada desde Junho.
Aí sim, as atendentes pareciam minhas irmãs. Atendimento VIP, de primeira categoria familiar!


Depois de um tempo razoável numa fila cheia de brasileiros e brasileiras e crianças de braço e carrinhos de bebês, a pessoa que me atendeu do outro lado do grosso cristal, com três ou quatro furos minúsculos cinco centímetros mais altos que a altura de sua boca, o que fez com que ela tivesse que esticar bem o pescoço e gritasse bem alto que era para que eu a ouvisse BEM e toda a fila também e quem sabe mais alguém que passasse do outro lado da rua… consegui apoderar-me da carteirinha.
Saí com aquilo na mão, desconfiada. Isso não tem cara de valer nada para casar-me. Fui no carro e peguei o papel de instruções do Cartório Civil. Voltei para o Consulado e entrei de novo na fila. Outra pessoa atendeu-me. Esta um tanto mais simpática e discreta que a anterior. Examinou o papel e confirmou minhas suspeitas. Não era aquilo. Olhou com cara de dúvida para o relógio e disse: ” É, ainda dá tempo de você ir ali na esquina pagar essas duas taxas e voltar. Corra viu!” Conselho de quem sabe o que está dizendo!
Corri. Saquei dinheiro. Paguei as taxas. Voltei. Entrei de novo na fila, já quase extinta. Uma terceira pessoa atendeu-me. Não. Atender tem outro conceito.68.gif Ela gritou pelo outro lado do vidro que eu não tinha ficha, que ela não atendia mais, que já terminou o expediente. Volte outro dia, viu?! Nem me deu tempo de explicar nada.
Mas eu fiquei ali, olhando para ela. Fiz cara de “Não estou entendendo nada! O que? É comigo?” Quando ela parou de berrar, disse-lhe numa voz tranquila e baixa ( aaaaanos de treinamento!) que a sua companheira de trabalho havia permitido que eu voltasse.
– “Claro que não poderia ter sido você.” “Você nunca o faria, não é mesmo?”Continuei, sem resistir à vontade de alfinetá-la.
A companheira da azeda e mal educada atendente pegou meu comprovante de pagamento e… mágica! trocou por outro comprovante. Disse-me que voltasse DEZ DIAS DEPOIS para buscar os dois papéis que eu precisava: Um certificado de inscrição consular, daqueles tipo modelo-único, que só muda o nome da gente. E outro que explica a não necessidade de proclamas no Brasil. Só isso. DEZ DIAS para emitir duas bobagens dessas.
Bueno, menos dez dias no prazo de validade da minha certidão de nascimento. Toda a rede de amigas disponíveis no Brasil jogada fora por causa da lentidão e falta de eficiência do Consulado do Brasil de Madrid.
O dia foi ontem. Fui lá mais uma vez. Três ou quatro pessoas diante do guiché de ” entrega de documentos”. Que bom!

…Era um engano. Desta vez me haviam preparado um atendimento muito pior que o anterior pois não bastava estar em pé atrás do último a chegar. Era tudo muito mais complicado!
Uma senhora, segurança do Consulado e responsável pela organização no atendimento, que não fala Português e age como se todos nós fôssemos retardados mentais, avisou-me que eu não ficasse na fila e sim que perguntasse na saleta de espera “quem é o último?”. Assim. Como numa feira. Como se eu quisesse comprar tomates na barraquinha do mercado de Alcalá.
“Quem era o último?” Agora era eu. Haviam umas dez pessoas na minha frente. E nos próximos 50 minutos ninguém foi chamado a subir as escadas para o atendimento. Uma hora e quinze minutos depois, as três ou quatro pessoas que estavam lá em cima ainda não haviam saído. O que será que eles estavam buscando? Aquela não era uma fila só para “Entrega de Documentos”? Era. Uma hora e meia depois eu estava em pé, segurando um bebê nos braços, enquanto sua mãe preenchia uma solicitação para a Certidão de Nascimento. Tão pequenininho e já sofrendo para ser alguém.
Duas pessoas na minha frente voltaram sem os documentos que haviam solicitado. A mãe do meu bebezinho também voltou para casa sem resolver seu problema. Faltavam-lhe outros papéis.
Todos foram tratados com desdém como se fossem um grande estorvo.
É verdade que o atendimento apressou bastante nos últimos minutos. Agora os funcionários já tinham pressa em fechar. Não tinham mais tempo para dar explicações detalhadas, mesmo que incompletas. Estavam cansados de estar ali, em pé, atendendo gente que perdeu passaporte, foi roubado, quer viajar com crianças ou simplesmente casar. Que voltem mais vezes. Muitas vezes. Que mais dá?!


E eu pensava que Consulado Brasileiro existia fudamentalmente para dar apoio e suporte aos brasileiros. Me enganei. Nós incomodamos muito. Eles detestam ter que receber gente com problemas ou necessidades que só eles podem resolver. Eles odeiam ter que dar-nos informações corretas e completas. Negam-se terminantemente! E nem se animem a tentar obter alguma pelo telefone. Eles NUNCA atendem. Somos o terror dos funcionários do Consulado Brasileiro em Madrid.
E eles são nosso karma.
Enfim, consegui meus papéis. Voltei para casa cansada, faminta e irritada, mas com eles na mão.
E hoje era o dia D. Acordei com cara de noiva. Juro! Espreguicei contente da vida, escolhi uma roupa bonita, fiz o café cantando… Hahahahahaha!
Com a pasta de documentos debaixo do braço, duas testemunhas documentadas para afirmarem que me conhecem (e que sou solteira) e de mão dadas com olhos-de-mar-azul, desci sorridente e feliz o morro de Santorcaz para Alcalá de Henares.
Entrei meio nervosa no Registro Civil, um prédio antigo bem diante da Plaza de Cervantes, para dar entrada nos trâmites finais.
Achei bonito estar diante da praça, mas o ambiente da sala era um tanto desorganizado. E bem diante da porta por onde eu deveria entrar havia um cartaz branco com letras pretas que dizia: “O Registro Civil esta cerrado hasta el dia 7 de Septiembre.”


Não podia ser! Não acreditei!
Ainda me aproximei de um grupo de pessoas que tinham papéis numerados nas mãos, mas eles confirmaram o absurdo. Estavam ali por outros motivos.
O Registro Civil está de “vacaciones”. Só abre dia 11 de Setembro. Porque o cartaz dizia dia sete mas estava errado. Nos informaram que só vai funcionar mesmo no dia ONZE.
Fatídica data, não? E ainda por cima, aniversário de um dos meus irmãos…
Alguma dúvida de que foram elas????? As Bruxas?
Eu não tenho nenhuma!
Como um Registro Civil de uma cidade com mais de duzentos mil habitantes fecha por férias de verão? Eles trabalham com documentos importantes e que TEM DATA DE VALIDADE CURTAS!!!! Como podem fechar um mês????
Fecharam. Eles fecharam! É inacreditável! E inadmissível!
Agora, aqui para nós, desde o começo desta história, os absurdos se sucedem, um após o outro. Cada vez que estamos movendo-nos para estarmos mais juntos, as bruxas experimentam novas poções mágicas…
Primeiro a amiga mentirosa, depois a festa de Carnaval…os anos de distância, as cartas espaçadas, a bomba d´água que explode, o assalto, a delegacia, o avião em Cabo Verde, as esperas eternas… a maleta desaparecida, o portão de desembarque equivocado,os sapatos vermelhos… até botas que se dissolviam pelos corredores do aeroporto…
Quantos absurdos! Quantas horas de angústia!
Podem rir. Eu também rio. Depois de tudo eu sempre acabo dando risada. Coisas de quem quer e sabe ser feliz.
Porque eu já disse a elas mais de mil vezes: ” Não vai adiantar. Desse amor eu não desisto!”
E também tenho minhas fadas!

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , | 21 Comentários

Sem Meu Melhor Pedaço…(Cap 14)

Agora acho que cheguei mesmo em casa.
As outras vezes em que disse isso não passaram de intenções.
Desde o começo do mês que eu ando feito peregrina por essa Espanha de meu Deus. Mas sem o meu melhor pedaço…
Olhos-de-mar-azul foi embora e eu fiquei.
Ele foi fazer um curso na Inglaterra por três semanas, eu não pude ir… e então o mundo ficou sem graça e eu tive frio.
Em busca de um colo de mãe fiz a maleta e me fui à Tarifa, onde seus ventos e sua luz me acolheram com festa.
A mãe, apesar de não ser a minha ,fez-se ninho. Suave e mansa, calorosa e doce.
A cidade esqueceu–se do outono e passou uma semana bela e louca pensando que ainda era Setembro.
Foram dias tão lindos que pude passear todas as manhãs pela praia, desta vez completamente deserta dos turistas de então e perfeitamente habitada por minhas lembranças e saudades. Além delas e de mim, apenas os pássaros de Novembro.
Ele não estava ali mas aquele era o lugar perfeito para sentir seu cheiro impregnado nas ondas, ouvir seu sorriso nos trinos das aves, sentir suas carícias e abraços nos ventos que penteavam as areias e revolviam meus cabelos.
Guardei esse pedaço do seu mundo num recanto da minha memória para dar a ele quando possa. É a primeira vez que vivo seu mundo sem ele, depois de quase três anos juntos.
Quando voltei, nem a calefação à tope deu jeito. Troquei as roupas da maleta por outras mais quentes e em busca de um colo de filha me fui à Segóvia.
Dormi entre os lençóis e travesseiros com cheiro a Lavanda Johnson e dengo.
Que delícia!

Durante as saídas, de braços dados, sob a chuva incessante ou sob a neve, os cafés com leite espumados, quentinhos e saborosos como amor de filha, as conversas compridas sobre presente e passado, amores e desamores, encontros e desencontros, amigos e inimigos, felicidade e dor, juventude e maturidade… eu tive a certeza de estar no lugar certo, com a pessoa perfeita para ajudar-me a suportar uma ausência que mesmo curta, pesa. Que mesmo justa, espanta pela força da saudade.
Que grande companhia é a minha filha!
Agora já estou aqui em Madrid. Tenho dois dias para organizar a casa, a despensa e a geladeira. As aranhas fizeram festa na sala.
Olhos-de mar-azul volta sábado. E eu estou curtindo cada minuto de espera… desde que sejam poucos!

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , | 10 Comentários

Minha Amiga Querida…

Sei que faz um tempo que não te escrevo uma carta como Deus manda. Sem perdão. Uma das coisas mais agradáveis nesse exí­lio voluntário é receber uma carta de amigo, parente, aderente, vizinho do aderente, periquito, papagaio, orangotango, quem seja.
Desculpe o toque animal. Não tinha a intenção de comparar-te com qualquer um desses bichinhos, embora eu não ache que seja nenhum insulto, uns bichinhos que são tão simpáticos. Meu humor anda assim mesmo, meio tumultuado ultimamente. Alterações hormonais. Coisas da idade, parece.
Mas falando sério, querida…se a carta for tua então, o prazer é dobrado. Antes de fazer um café e montar na rede do terraço, com a música posta no salão, não abro o envelope. Adoro o ritual de abrir uma carta de verdade, de papel e selo colorido, como antes de toda essa facilidade da Internet.
Não me queixo. Imagino que se eu tivesse que esperar pelas antigas formas de escrever, estaria exilada de verdade. Os e-mails são imediatos. Trazem fotos, mensagens de amor e de bons fluidos, recortes de jornais e revistas, carinhos diversos todos os dias, de gente amiga-conhecida e de desconhecidos-amigos. O blog me ajudou muito a encontrar essas almas carinhosas espalhadas pelos labirintos da Web.
Mas tua carta, amiga, essa é felicidade simples e profunda. Posso imaginar onde e como a escreveste. Posso vê-la com a caneca de café fumegante sobre a mesa da cozinha, procurando uma caneta que escreva e xingando a última geração de teus próprios filhos em resmungos ininteligí­veis aos que não te conhecem, pedindo a Deus explicações para o desaparecimento dos objetos inanimados desta casa: canetas e lápis, pentes, prendedores de cabelo e o tapete do banheiro.
Nunca há respostas para isso, não é mesmo querida? Nem Deus, nem os três adolescentes-quase-adultos que habitam o teu lar sabem responder.
Bueno… já está. Algo encontraste para escrever, pois posso ler aqui troços em lápis e outros em canetas de distintas cores. Não sabes a ternura que transborda de meu sorriso enquanto leio o que me escreves e como eu gostaria de compartir a bela e deliciosa caneca azul com o café que só tu sabes fazer.
Pois não penses que isso é brincadeirinha de novo. Pois não. O café sai ao gosto de quem o faz. Posso pôr a mesma medida de água e de pó. Não sai igual ao teu. Juro!
E veja que ultimamente tenho carregado um pouco no café. Um dos poucos prazeres da cozinha que me restam. Tive a infeliz idéia de visitar uma endocrinologista para uns exames hormonais e etc. E a danada me pegou pelo tornozelo. Resultado: dieta.
Como tal um bebê. Seis refeições que de refeições só tem o nome. Um periquito pediria dose dupla do que como. Cada porção pesada e medida numa balança que vive sobre o micro ondas, malvada e sensí­vel como uma madrasta de conto infantil. Qualquer pedacinho de pão pesa mais do que deveria.
E o pior é o que posso beber. Leite desnatado, água, café e chá.
Também, quem mandou procurar uma endocrinologista abstêmia!?
Só vendo a cara que ela fez quando descrevi minhas noites de vinho tinto frente a lareira… Parecia que eu tomava heroí­na na veia! Acho que a bruxa teve uma invejazinha, ou não?
Imaginas a arredondada aqui tomando vinho tinto diante da lareira e dançando ao som da voz memorável de Billi Holliday, com um par de “olhos-de-mar-azul” acompanhando cada movimento meu? Rá!
Acho que ela pensou que era alucinação minha.
Não era. Não era!
Agora posso comer um iogurte com gosto de qualquer coisa (menos de vinho) e ir dormir com cara de mulher-de-meia-idade-triste. Difí­cil viu amiga. Difí­cil.
Mas, segundo os exames, vou ter que submeter-me à tortura.
Usei uma estratégia antiga, dos tempos da depressão. Naquela época colei na geladeira uma foto minha com largo sorriso, só para lembrar que eu já havia sido feliz, um dia. E estava magra.
Agora fiz o mesmo. Preguei a última foto tirada no Brasil de biquí­ni. Para lembrar-me de como não quero estar, daqui por diante.
O pior é que nesta foto estou sorrindo feliz como nunca havia sido na vida… e me confundo.
Preciso ser magra e feliz. E parece que as duas coisas não se casam no mesmo corpo.
Bueno… vamos ver quanto eu consigo conciliar das duas necessidades.
Por enquanto estou lutando para manter a classe e não comer uma lata inteira de sorvete. Que pobre de espí­rito heim?!
Também estou tentando não ter mais os sonhos eróticos com morangos e chocolates, que me acossam nas noites famintas e me deixam cansada e com o humor de Garfield pela manhã.
E por falar em manhãs, as de agora estão lindí­ssimas. O clima mudou completamente e as amendoeiras, que nem estão de regime nem nada, se cobrem de flores numa alegria que só vendo.
Aqui a gente dormiu inverno e acordou primavera. Quem dera meu programa de dieta permitisse o mesmo.
A bruxa disse que eu vou ter dificuldades para perder peso agora. Coisas da idade, parece.
Sabe que até passou o nozinho de tristeza que levo no peito desde uns dias? Acho que escrever-te ajudou-me a melhorar o astral. Prometo escrever mais vezes.
Beijo-te com toda a saudade e amor. Como sempre.

Categorias: Coisas de Amor, Corpo&Alma de Mulher | Tags: , , , | 1 Comentário

Amantes e Amados…

Ontem assisti uma entrevista com Antonio Gala, um famoso escritor espanhol.
A pergunta que lhe fizeram era sobre o efeito do amor em sua larga vida e porque ele sempre chamava seu par de “amante”.
Ele respondeu que era sempre o amado. Que existiam dois tipos de pessoas. Uns que são amantes e outros que são amados.
O amante doa, se entrega, mima, inunda.
O amado recebe, se deixa tomar e mimar, deixa-se inundar.
Ele defende que ambos amam. Ambos estão inteiros na relação. Nenhum dos dois amores é maior que o outro. Nenhum dos dois enamorados é dono de mais amor. Gala diz que é apenas a forma de amar que faz a diferença.
Hum? É?
Pensei então que dois amantes ou dois amados não poderiam permanecer muito tempo juntos. Correriam o risco de viverem exaustos.
Os amantes sofreriam por excesso. Os amados pela falta constante.
Refleti sobre a questão enquanto fazia um café, e como a Shirley Valentine do filme, fiz perguntas às paredes, mas desta vez eu queria respostas mais reais que as que eu mesmo crio para elas.
Com o blog descobri que do outro lado da tela do computador há um mundo à escuta. E que maravilha! – um mundo que responde.
Achei que o tema era bom para compartilhar, para provocar a reflexão nas pessoas.
Pois sim…
Decidi começar e reponder já escrevendo minha opinião.
Aí vai.
Sou muito amante. É minha natureza.
Creio, porém, que ninguém pode viver um amor feliz se for apenas amante ou amado.
Os enamorados mais felizes são, dentro do mesmo ser, amantes e amados.
Uma destas partes pode ser a dominante, o que não quer dizer que a outra não exista e exija sua parte.
Foi preciso um tempo para que eu aprendesse a deixar minha parte que quer ser amada fluir, florescer, brotar. Aos poucos fui aprendendo a revesar os papéis, deixar-me cuidar e mimar, deixar-me ser levada. É tão bom!
Agora eu penso que sou melhor amante do que quando era mais jovem, porque aprendi a deixar-me ser amada.
Se eu pudesse interferir na entrevista de ontem diria que ser só amante cansa e ser só amado enjoa.
Talvez por isso tantos casais vivem, depois do tempo da paixão, num terreno vazio…

Foto: Quint Buchholz, “On the Way Book”

Categorias: Coisas de Amor, Corpo&Alma de Mulher | Tags: | Deixe um comentário

Evas…

Domingo molhado, úmido, cinza. Ficar em casa até que é bom num dia assim, mas almoçar no Chez Georges com as amigas é melhor ainda.
As quatro amigas entram no restaurante bem decorado e fino da cidade, dispostas a comer bem, beber mais e melhor e falar de qualquer coisa, menos de si mesmas.
Rita tem 35 anos, dois filhos e está separada há 3 anos. Quando estava grávida do segundo filho – seu marido havia insistido para que engravidasse pois queria uma famí­lia grande – Rita descobriu que ele tinha uma namorada.
Sim, ele queria uma famí­lia muito grande. A namorada também estava grávida. Iriam dar à luz no mesmo mês e no mesmo hospital.
Rita recusou-se a ficar para ver. Pediu o divórcio com a barriga no pescoço, o coração despedaçado e a auto estima mortinha da silva.
Faz poucos meses que está se recuperando da decepção, às custas de muití­ssimo trabalho numa rotina mais dura que a de uma “mula de roçado”. Acorda às cinco da madrugada e só vai para a cama depois da meia noite. Sua folga quinzenal (quando os filhos ficam com os ex-sogros) é comemorada com um vinhozinho e um bom filme na TV, dormir até as doze e se puder, um almoço com as amigas.
Amor não tem, nem quer. Por enquanto quer distância dos homens. Bastam-lhe os filhos e o trabalho. Stress mais que suficiente.
Júlia tem 34 anos. Casou aos 19, grávida do primeiro namorado. Separou-se aos 27, duas filhas e duas tentativas de suicí­dio.
O ex-marido está noivo de uma dondoca da cidade e vive nas colunas sociais, mas ainda se encontra com ela às escondidas da noiva e das filhas, para um sexo saudoso e cheio de acusações mútuas.
Depois de se agarrarem e transarem desesperadamente, começam as intermináveis brigas. Ele a culpa por ela ser uma mulher exageradamente ciumenta e possessiva. Ela o culpa por ser um degenerado que não pode ver um par de pernas na praia sem ter que segui-las num afã de conquistador barato, um “rato de areia” dos mais nojentos. Ele sai batendo a porta. Ela promete a si mesma que foi a ultima vez. E até a próxima… ninguém sabe até quando seguirão assim. A última foi antes de ontem.
Foi ela quem marcou o almoço. Está precisando desabafar, gritar, beber, comer, contar. Nunca mais vai pensar em morrer por causa daquele desgraçado. Precisa de ajuda, urgente! Amigas, pelo amor de Deus!
Não, melhor nem falar do assunto. Aproveitar para espairecer a cuca, falar dos outros, do livro muito louco que está lendo, do último filme que viu na TV a cabo, antes que aquele pedaço de carne sem sentimentos (e que pedaço!) viesse com aquela conversa de saudades e tesão…
Não! Falar dos outros é melhor. Pronto. Falar qualquer coisa menos da idiota que ela é!
Silvia é solteira. Não pensa em casar-se. Sua independência financeira veio com 22 anos, num emprego público que conquistou num concurso dificí­limo. Poucas horas de trabalho, bom ambiente, bom salário. Tem casa, carro, amigos, viagens, liberdade. Não gosta de sofrer e aos 31, depois de algumas (poucas) tentativas de relacionamento afetivo, desistiu por pura preguiça. Não sente muito a falta de sexo. Às vezes nem se lembra deste detalhe…
E quando lembra, telefona para seu “fornecedor de hormônios”, marca um encontro, resolve a parada e pronto. É bom. Sem promessa e sem cobrança. Está sempre tão entretida com seus planos para as próximas férias…
Ontem mesmo foi na agência e está quase decidida por Nepal.
E depois, amar dá muito trabalho, ela diz com um meio sorriso na cara bonita.
Nenhuma das outras três pode contestar que não.
Que o diga Clarice, 38 anos. Depois de nove anos e meio de um noivado em que os dias foram gastando o amor, se é que amor existia, de forma que não havia qualquer motivo para um matrimônio, exceto o desejo das suas famí­lias, que ao final eram mais noivas que eles dois, o casamento foi o único caminho possí­vel para a separação.
Oito meses depois da festa, que suas famí­lias se esmeraram em fazer es-pe-ta-cu-lar, a farsa finalmente acabou. Ficaram as fotos e um ví­deo, mostrado mil vezes pelas mães-sogras às suas amigas.
Clarice deixou os álbuns com elas. Não queria recordar aquele dia, nem os meses depois dele. Oito intermináveis meses em que tinha que controlar-se para não pular pela janela.
Finalmente, um dia de verão azul, saiu do trabalho, tomou seu carro e dirigiu-se ao aeroporto. Comprou uma passagem para São Paulo, telefonou para o marido e pediu o divórcio. Ele sequer questionou sua decisão.
Clarice esperou um mês que as famí­lias se recuperassem do choque. Nunca a perdoaram. Ele sim. Se não fosse ela quem tivesse tomado a decisão, seria ele…
Claro, iria demorar ainda um pouco. Não tinha coragem de dizer a ela que estava apaixonado por uma colega de trabalho há mais de dois anos e arrependido de não ter evitado o casamento com medo da reação de sua mãe e do pai da noiva.
Queria casar-se com a moça o mais breve possí­vel, assim que sua mãe se acostumasse com a idéia. Já fazem 6 anos que esperam.
Clarice saiu pela vida em busca de amor. Encontrou algo parecido. Inúmeras vezes se apaixonou, nenhuma das vezes a relação deu flores e frutos. Todas acabam depois de dois ou três meses de saí­das. A cada final, um desgaste de energia para criar o clima apaixonado em que desejaria viver.
Depois de uns anos, conformou-se em ter sexo de vez em quando, que de ferro ela não é. Os homens de sua geração preferem as amizades coloridas ao amor propriamente dito.
É que amar dá muito trabalho, dizem.
Clarice vive sozinha, em um belo apartamento, há mais de dez anos. Seu pai nunca mais falou com ela.
Ela já não acredita que vale a pena ir atás do amor. Dá muito trabalho. E por favor, não a chamem de Clarice que esse é nome de mulher doce e sincera. Agora só atende por Clara.
No domingo chuvoso de Abril as quatro mulheres se encontram para o almoço.
Bebem, comem, riem, falam de amenidades, dos livros que lêem, dos filmes que assistem, da vida dos outros, dos que morreram, dos que nasceram, dos que casaram, dos que separaram, dos que se escondem por trás das máscaras, dos que só querem aparecer…
Na mesa lá do outro lado, outras quatro mulheres comem, bebem e riem…
Conversam em tom mais baixo… as paredes tem ouvidos!
Comentam umas com as outras as histórias de Rita, Júlia, Silvia e Clarice, quer dizer,Clara…
Que?
Falar das vidas delas, nem pensar!
Pelo menos não antes do café e do licor…

Categorias: Corpo&Alma de Mulher | Tags: , , | Deixe um comentário

Noiva de Carnaval…( 2·Cap )

Estava acostumada a acordar com a sensação de que um sonho tinha sido verdade. Talvez pelo exercício de anos de análise, onde sonhos eram matéria prima para minhas sessões de terapia, eu sonhava muito e recordava com facilidade dos detalhes de meus sonhos. Alguns eram tão reais que davam medo! Inúmeras vezes matei irmãos, pai e mãe. E muitas outras morri, perdi-me numa cidade que não conhecia, sobrevoei meu bairro como um passarinho, fui engolida por uma onda tsunami e abracei um desconhecido que não tinha rosto mas era o eleito, o homem que mudaria a minha vida. Eu era uma fábrica de sonhos. E ainda sou.

Pois sim… Até tomar um café bem quente, as sensações da experiência onírica não passavam. Às vezes procurava por meu irmão antes de lavar a cara, só para garantir que estava vivo. E hoje ainda desperto com os sentimentos que meus sonhos me deixaram pela noite adentro. No dia seguinte àquela noite, acordei com a mente envolvida em brumas espessas. Vivi ou sonhei? Se fechava os olhos, revivia tudo: a festa, o barco, aquele sorriso, minha porção pré-histórica com todos os efeitos especiais. Daquela vez as sensações não passaram nem com o café, nem com a ducha, nem tinha para quem ligar, a quem perguntar…

Perguntar o que? A quem? Ninguém viu. Ninguém viu…
Uma das minhas amigas havia se encantando com um oficial com quem conversou na festa e dançou no restaurante – que sorte teve aquela mulher! – e convidou-o, junto com outros amigos dele, para um Baile de Carnaval.
Esse era o nosso baile…o famoso Siri na Lata, um baile anárquico que começou como uma revanche ao tradicional Baile Municipal da cidade mas que se transformou no melhor dos bailes recifenses. No Municipal os convidados do prefeito tinham que ir de smoking ou fantasias luxuosas. No outro era a sátira, as máscaras, as noivas, as ciganas e piratas engendrados em casa mesmo. Era só misturar os trapos e criar os disfarces e quem quisesse podia ir de tênis e bermuda. A festa era mil vezes melhor que qualquer outro baile carnavalesco da cidade. Nunca perdíamos um!
Será que eu teria uma segunda chance? Será que olhos-de-mar-azul iria estar naquele grupo? Não perguntei. Mas tinha a certeza que sim, sim, sim… por favor sim!
Surtei de novo.

Inventar uma fantasia foi provocar um furacão dentro de casa. Desarrumei todas as malas de trapos, todos os recantos do guarda roupa, revirei todas as gavetas, provei os tops brilhantes, a antiga cigana, a estraçalhada havaiana… nada me agradava.
Engordei? Cresci?Avancei no quarto de minha mãe…vasculhei seu baú. Nada. Nada! Estou no conto errado!
E a cortina de peixes do banheiro? As redes protetoras das janelas? O velho cortinado do berço de minha filha? Nada.
Apelei para a cozinha…a toalha da mesa! Sim! Estampas de uvas roxas e parras verdes. Dava uma saia e um top…Yes!Ariadne!! Perfeito!! A mulher de Baco!
Mas minha mãe negou-se. “Não vai dar tempo”, ela disse.
Madrasta!! Xinguei-a injustamente.
A coitada da minha mãe andava atrás de mim, tentando ajudar-me, mas criar uma fantasia com aquela agonia no coração era impossível!
(A verdade é que tudo aquilo, menos a cortina do banheiro, uns dias depois viraram fantasia de Carnaval, graças a ela.) Mas eu queria JÁ! Que inferno de vida! – Cadê minha fada madriiiiiiinhaaaa??
Ao final, desisti. Uma saia curta e estampada, implorada à minha irmã, 15 anos mais nova, e um top lilás. Tipinho bailarina de dança moderna. Batom, lápis, perfume e já …  Estava perfeitamente comunzinha. Mas eu iria a esse baile de qualquer jeito! E os olhos brilhavam tanto que me vi bonita. 

Fomos juntas, minha amiga e eu, buscá-los no Elcano.

Tum-tum-tum… Taquicardia!

Entraram dois ninguéns e o ele dela no carro. Ela feliz e risonha e eu deserta. Apaguei os olhos. Sequei, murchei, virei areia… A noite perfeitamente estrelada, uma brisa de mar entrando pelo salão aberto do Atlântico Clube de Olinda, a música ensurdecedora da orquestra, as cores vibrantes da decoração e das fantasias, mil caras conhecidas… e eu deserta. Uma cerveja, duas ou três… 

“Olinda, quero cantar… a ti-i…esta canção!” Dizem que quem canta seus males espanta. Ou não?…quatro. Há séculos que eu treinava apagar meus sonhos. Já estava ficando esperta, quase cínica. “Não aconteceu nada, fui eu quem criou a criatura. Não existe um Ele. Não o meu“. Outra cerveja, por favor …cinco. “Quanto riso.. oh! quanta alegria…”

Encontrava os amigos, os lindos e queridos amigos de sempre, cada qual com seus trapos criativos, seus sorrisos. Os espanhóis estavam em êxtase com a música, as danças pernambucanas, a noite de Olinda. Foi muito divertido levá-los pois não tinham nem idéia de como podia ser um Carnaval no Brasil… e menos ainda em Olinda.
O Siri na Lata foi uma boa amostra.
“Eu quero ver se tem troça que escolha, como em Olinda que tem o Ceroula, mas se tiver para mim é legal, passarei lá na lua todo o carnaval.”
Todo mundo cantando em uníssono, o salão inteiro berrando com a orquestra… lindo! lindo!
A lua dando um banho extra de luz ao terraço aberto do clube.
Fiquei “ó-te-ma”, como dizem as mulheres que sabem das coisas…
Alguém botou uma grinalda de flores e um véu de noiva na minha cabeça. “Brinque, dance, seja feliz, é Carnaval! ” Cervejas, música, amigos, cheiro de mar e de lua… “Lança, lança perfume!” Virei de novo bailarina, boneca de areia molhada, salgada de suor e brisa marítima, noiva de Carnaval…
“Abra suas asas, solte suas feras… caia na gandaia… entre nesta festaaaa!!!! Me leve com vocêêê…”

Abri, soltei, caí na festa… casei inúmeras vezes com vários pretendentes, com direito a benção do padre e tudo (sempre há alguém vestido de padre).
“Fiquei” com um dos espanhóis, o último noivo, que não entendia nada, mas estava adorando a brincadeira.
Fiquei é palavra nova, me ensinou minha filha.
Ele era feio e simpático. Alegre e engraçado. Ia embora dali a umas horas. Nenhum risco. Nenhum “surto”. Nenhuma sensação de estar sonhando. Tudo muito normal, trivial. Sem fantasia.
Fiquei por puro exagero. O feio-porém-simpático estava nas nuvens. Gostei! Era bom poder ser a nuvem de alguém. Estávamos precisando de abraços e era Carnaval!
É preciso ter cuidado com o que este Carnaval faz com a gente. Mas ninguém tem.
Dançamos, bebemos e cantamos até às 7 da manhã. Às 4 da tarde o barco partiu. Não fui à despedida, mas minha amiga, enamorada, derretida, enfeitiçada e completamente insana, sim…

Eu estava no conto errado. Eu era só a amiga da outra. A princesa encantada era ela. Sacudi os ombros, levantei o pescoço e fui brincar meu Carnaval. Livre, leve e solta. Eu e minhas muitas máscaras…

Olhos-de-mar-azul só soube da festa em mar alto e distante, através dos animados relatos de seus companheiros de viagem. Soube das fantasias, das músicas, da alegria, dos frevos impossíveis de dançar…e de quem estava lá. Ele soube de tudo. Tu-do!
Bem pouco, quem mandou não ir!
Mas é que, depois de um compromisso oficial, ele tinha perguntado à pessoa errada o que fazer aquela noite em nossa cidade.
Sabem a quem, não é? 

Mas o destino ainda iria dar um jeitinho…

 

Categorias: Coisas de Amor | Tags: , , , , | Deixe um comentário